Brasil  

Deputada Jô Moraes defende a democratização dos meios de comunicação

Por: Pedro Leão – vermelho.org.br
Em discurso de 25 minutos no plenário da Câmara, a deputada federal Jô Moraes (PCdoB/MG) fez a defesa incondicional da democratização dos meios de comunicação no Brasil e denunciou a concentração das mídias em mãos de poucos.

Já em 2002, afirmou a deputada, a Rede Globo detinha 223 emissoras de TV; representando 61,5% das UHFs; 38% das rádios AMs e 28% das FMs, segundo estudos da jornalista mineira, Taís Ferreira.

Para referendar o quão importante e estratégico é o setor, Jô Moraes citou dados da Pesquisa Nacional por amostra de Domicílios (Penad, 2005) apontando que 163 milhões de brasileiros vivem em casas dotadas de TV em cores. Esse contingente supera em 32% àquele que mora em residência com rede coletora de esgoto ou fossa séptica.

“A comparação, aparentemente sem nexo, mostra uma dimensão que deve ser destacada: a TV é considerada mais importante do que a saúde. É a partir dessa realidade que o direito à comunicação tem que ser encarado como uma questão estratégica para a emancipação humana e para a soberania do País”, alertou. Durante o pronunciamento, Jô cantou trecho da música de Donga “Pelo telefone” para referendar a importância da comunicação – faz parte da natureza humana, sintetizou.

Mobilização

A deputada também enumerou a desregulamentação e privatização do setor, deflagradas nos governos Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso como danosas aos interesses do País e alertou para a importância das plenárias, conferências municipais e estaduais que acontecem hoje em todo o País . Elas irão escoar na I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), convocada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o período de 14 a 17 de dezembro, em Brasília. A I Confecom “está sendo construída País afora. É uma construção coletiva, por isso democrática em sua origem. É um desafio que assumimos, porque este é um setor estratégico”. Ela será o fórum a deliberar novos horizontes para o setor.

No último final de semana, durante a Conferência Estadual de Comunicação de Minas Gerais Jô Moraes foi eleita delegada do Estado ao evento nacional, junto com outros 143 representantes da sociedade civil; do empresariado e do setor público.

“Há um intenso processo de incorporação de diferentes setores da sociedade civil em sua etapa preparatória. Têem destaque as entidades que em 1991 criaram o Fórum Nacional pela Democratização da Mídia e outras que surgiram depois como a Intervozes, a Associação Brasileira de Rádios Comunitárias, a Federação Nacional dos Jornalistas, a Federação de Trabalhadores em Empresas de Rádio e Televisão, entre outras. As conferências estaduais têm incorporado entidades da sociedade civil que nunca antes tinham se envolvido com a temática, garantindo delegados, provocando um ambiente favorável aos avanços necessários para serem aprovados na plenária nacional da Confecom”, disse.

Jô Moraes registrou a “contribuição que a Associação Brasileira de Radiodifusão (ABRA), tendo à frente a Rede Bandeirantes, e a Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil) dão ao evento, participando de todas as suas etapas, quer seja nos municípios, quer seja nas conferências estaduais, quer seja na comissão organizadora nacional”.

Deixe um comentário