Datafolha: Dilma perde seis pontos mas Aécio e Campos não crescem

.

.
eleiçõesPesquisa do instituto Datafolha divulgada no site do jornal Folha de S.Paulo, neste sábado (5), mostra que as intenções de voto na presidenta Dilma Rousseff (PT) caíram seis pontos desde fevereiro, data da sondagem anterior.

Na pesquisa anterior, Dilma aparecia com 44% das intenções de votos. E, conforme a sondagem realizada nos dias 2 e 3 deste mês, ela seria reeleita com 38% dos votos, em primeiro turno.

Os prováveis principais adversários da petista nas próximas eleições, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), não cresceram. Aécio teria 16%, mesmo percentual registrado anteriormente. Campos variou de 9% para 10%. Candidatos de partidos menores somam 6%.

De acordo com a pesquisa divulgada hoje, nos cinco cenários testados, a única candidata que forçaria um segundo turno seria a ex-senadora Marina Silva (PSB), com 27% dos votos, quatro pontos a mais que em fevereiro.

Com um desempenho melhor que o de Dilma, segundo o Datafolha, só o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que apresentou leve tendência de queda em relação às pesquisas anteriores, mas ainda lidera todos os cenários com grande vantagem.

Lula e Marina

A pesquisa detectou uma disparada do sentimento de frustração com as realizações da presidenta Dilma. Hoje, 63% dos brasileiros dizem que ela faz pelo país menos do que eles esperavam. Há pouco mais de um ano essa taxa era de 34%.

Um alto e crescente desejo de mudança foi identificado no levantamento: 72% querem que as ações do próximo presidente sejam diferentes das de Dilma.

No entanto, o senador Aécio Neves e o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos não são identificados como os mais preparados para a mudança. Para 32%, Lula é o mais apto para mudar. Para 17%, Marina Silva — ela deve ser candidata a vice-presidente na chapa encabeçada por Campos.

O Datafolha fez 2.637 entrevistas em 162 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada na Justiça eleitoral com o código BR 00064/2014.

Fonte: Congresso em Foco

Deixe um comentário