Datafolha: 45% dos deputados defendem renúncia de Cunha

.
eduardo-cunha-abr-830x552Uma pesquisa Datafolha feita com 324 deputados revelou que 45% dos entrevistados defendem a renúncia do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que é investigado na Operação Lava-Jato e acusado de manter contas secretas na Suíça.

Leia também: Eduardo Cunha encarna Nelson Rodrigues: ‘Pior para os fatos’

Ainda de acordo com a pesquisa, 25% dos entrevistados dizem que Cunha deve permanecer no cargo e 30% não se posicionaram.

Além de negar que tenha contas no exterior, o presidente da Câmara já afirmou diversas vezes que não cogita a possibilidade de renúncia.

Em relação à hipótese de terem que votar pela cassação de Cunha, 52% dos deputados entrevistados não se posicionaram, 35% afirmaram que votariam a favor da cassação e outros 13%, contra.

A pesquisa Datafolha contou com a participação de 63% dos deputados. Apesar de todos os congressistas terem sido procurados para participar do levantamento, 37% não aceitaram ou não foram encontrados.

Segundo o diretor-geral do Datafolha, “há um número significativo de parlamentares escondendo o jogo. Os resultados finais indicam tendências gerais, mas não são representativos do total do Congresso”.

A possibilidade de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff também foi tema da pesquisa. Neste caso, 39% dos deputados entrevistados afirmaram que votariam a favor da abertura do processo caso a questão fosse levada ao plenário da Câmara. Outros 32% afirmaram que votariam contra e 29% não se posicionaram.

Os resultados indicam, desta forma, que nem a oposição nem o governo teriam os votos necessários para decidir a abertura ou não de um processo de afastamento da presidente Dilma.

A pesquisa também ouviu 51 senadores. Questionados sobre a possibilidade de a Câmara abrir um processo de impeachment contra Dilma, 43% dos entrevistados disseram que votariam contra o afastamento definitivo, 37% afirmaram que votariam a favor e outros 20% não se posicionaram.

 

Fonte: Opinião&Notícia

Deixe um comentário