Saúde  

Crack é um grave problema para um em cada cinco municípios

.
Um levantamento feito pelo Observatório do Crack, da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), revela que a droga é um grave problema para 1.155 dos 5.570 municípios do país, ou um em cada cinco.

Pode-se concluir, no entanto, que o crack está presente em 78,5% dos municípios brasileiros caso sejam somados todos os níveis de problemas relacionados à droga.

O levantamento foi baseado em relatos feitos pelas prefeituras por meio de um questionário com 26 perguntas. Um total de 17%, ou 945, dos municípios não participaram. Apenas 5%, ou 252, disseram que não têm que resolver problemas relacionados ao crack.

O estado de São Paulo é o que reúne, em números absolutos, o maior número de cidades com graves problemas com crack: um total de 193 dos 644 municípios paulistas. Em seguida aparece Minas Gerais, com 191 municípios de um total de 852.

O Observatório do Carck vem reunindo essas informações desde 2010. O levantamento traz apenas um mapeamento da circulação da droga e dos problemas gerados pela presença do crack nos municípios. Não há dados sobre o número de usuários em cada cidade, nem sobre número de pessoas que recebem atendimento.

De acordo com o último levantamento sobre o consumo de crack no Brasil, elaborado em 2010, há um total de 2 milhões de usuários em todo o país. O número, no entanto, já está defasado. Na ocasião, a Secretaria Nacional Antidrogas e a Fiocruz identificaram um total de 29 cracolândias em 17 capitais brasileiras.

Os problemas relacionados ao uso do crack são classificados como alto, médio e baixo. A tarefa fica a cargo das próprias prefeituras. De acordo com Paulo Ziulkoski, presidente da CNM, “quando um gestor indica que o nível do problema é alto, significa praticamente um pedido de socorro”.

A falta de equipamentos para atender dependentes químicos é a principal queixa dos gestores municipais, impossibilitando o tratamento de crise de abstinência, início de overdose e desintoxicação.

 

Fonte: Opinião&Notícia

Deixe um comentário