Como Stephen Hawking ainda está vivo?

.
timthO mais renomado físico vivo, Stephen Hawking, foi diagnosticado com uma doença debilitante e sem cura ainda jovem. Com 73 anos, ele desafia a ciência ao viver bem mais do que sua expectativa de vida. Aos 21, foi diagnosticado com Esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença degenerativa do sistema nervoso, que acarreta paralisia motora progressiva e irreversível.

Leia mais: Qual a relação do balde de gelo com a esclerose lateral amiotrófica?
Leia mais: Uma entrevista com o físico Stephen Hawking

É difícil exagerar a letalidade dessa doença, afinal, a ELA traz primeiro fraqueza muscular e, então, paralisia, interrompendo a capacidade de falar, engolir e até mesmo de respirar.

A Associação ELA diz que a média de vida de alguém diagnosticado com a doença é entre dois a cinco anos. Mais de 50% vive até depois do terceiro ano, 20% consegue depois do quinto ano. A partir daí, o número cai. Menos de 5% sobrevive depois de duas décadas. Stephen Hawking passou simplesmente duas vezes essa marca, primeiro em 1983, quando completou 41 anos, e depois em 2003, aos 61.

Alguns especialistas dizem que ele não pode sofrer de ELA, devido à facilidade com que a doença tradicionalmente mata suas vítimas. Já outros simplesmente dizem que nunca viram alguém como Hawking. Quando o físico fez 70 anos em 2012, mais pesquisadores ficaram confusos e espantados. Anmar al-Chalabi do King’s College de Londres disse à Associated Press que Hawking é “extraordinário. … Eu não sei de ninguém que sobreviveu por tanto tempo.”

No entanto, a batalha do cientista contra a ELA foi diferente do normal desde o início. Os cientistas dizem que isso ajuda a explicar parte de sua longevidade milagrosa. O início da ELA normalmente ocorre mais tarde na vida, a idade média do diagnóstico é aos 55 anos, mas os sintomas de Hawking apareceram quando ele era muito jovem.

Embora o diagnóstico precoce tenha feito com que ele vivesse grande parte da vida doente, isso proporcionou uma chance de sobrevivência maior do que para aqueles que são diagnosticados mais tarde. “Descobrimos que a sobrevivência em pacientes mais jovens é surpreendentemente melhor e é medida em muitos anos – em alguns casos mais de 10″, disse Nigel Leigh, um professor de neurologia clínica do King’s College de Londres, ao British Medical Journal.

Além disso, Hawking diz que seu trabalho garantiu anos que não foram possíveis a outras vítimas da doença. Afinal, alguém em um campo mais físico como o jogador de beisebol Lou Gehrig, do New York Yankees, que foi diagnosticado aos 30 anos, não poderia ter funcionado em um nível tão elevado. “Eu tenho a sorte de estar trabalhando em física teórica, uma das poucas áreas em que a deficiência é não é uma desvantagem séria. “, disse ao New York Times em 2011.

 

Deixe um comentário