CNI diminui previsão do PIB e dos investimentos para 2013

Contas Abertas
Do Contas Abertas

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) reduziu as suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) e para os investimentos em 2013. Em dezembro do ano passado, a previsão de crescimento da CNI para o PIB era de 4%, enquanto na análise trimestral passou para 3,2%. A estimativa também caiu para o aumento percentual dos investimentos, que passou de 7% para 4%.

Os dados foram divulgados no Informe Conjuntural Trimestral, divulgado nesta quarta-feira pela confederação. Segundo nota da entidade, as previsões estão mais perto das projeções menos otimistas do ano passado. Apesar disso, a CNI afirma que há sinais de recuperação da indústria.

O crescimento dos investimentos, por exemplo, deve acontecer após queda de 4% registrada em 2012, um dos principais motivos apontados para o fraco desempenho do PIB no ano passado. Segundo a CNI, o aumento nas as aquisições de máquinas, equipamentos e materiais de construção vai alavancar a indústria e a economia brasileira.

“O retorno a uma taxa de crescimento mais expressiva deve ocorrer com a resposta do investimento às medidas de redução dos custos e melhora da competitividade”, diz o estudo, que prevê expansão de 1,2% no PIB do primeiro trimestre do ano.

Os estoques estão no nível planejado pelos empresários, o que abre espaço para o aumento de produção nos próximos meses. Além disso, a utilização da capacidade instalada aumentou 1,1 ponto percentual e alcançou 84% em janeiro, na série livre de influências sazonais, e aproximou-se dos 84,4% registrados em janeiro de 2008, o maior patamar da série iniciada em 2003.

“O aumento da utilização da capacidade instalada é condição importante para a volta dos investimentos”, considera o Informe Conjuntural.

O estudo estimou ainda que o saldo da balança comercial será de US$ 11,3 bilhões, com exportações de US$ 253,4 bilhões e importações de 242,1 bilhões. “As exportações brasileiras devem aumentar em 2013. Mais uma vez, por conta das vendas de commodities”, avalia a CNI.

Emprego e renda

A recuperação da atividade econômica deve ampliar a oferta de empregos. A previsão é que taxa média de desemprego ficará em 5,4% e o rendimento médio real dos trabalhadores continuará se expandindo neste ano.

“A aceleração da atividade industrial em um cenário de taxa de desemprego em baixa histórica deverá intensificar ainda mais o problema de falta de trabalhador qualificado”, afirma a CNI.

O Informe Conjuntural do primeiro trimestre prevê ainda que a inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fechará o ano em 5,7%, abaixo do teto da meta de 6,5%. Com a inflação dentro do limite, a taxa básica de juros, a Selic, se manterá em 7,25% ao ano e os juros reais deverão recuar para 0,9%.

De acordo com o estudo, os gastos do governo federal cresceram 7,2% no primeiro bimestre do ano em relação ao mesmo período de 2012. “A composição do aumento dos gastos, com grande participação de despesas discricionárias, comprova que se trata de um movimento deliberado por parte do governo federal na tentativa de impulsionar a economia”, destaca o Informe.

A estimativa da CNI é que o déficit público nominal alcance 3,2% do PIB neste ano. O superávit primário deve ser de 1,7% do PIB e a dívida pública líquida chegará ao final de 2013 em 35,4% do PIB.

Deixe um comentário