Ciro Gomes: “Lula está navegando na maionese. Ele está se sentindo o Todo-Poderoso”

Por Edson Sardinha – congressoemfoco.com.br

O deputado Ciro Gomes (PSB-CE) admitiu, pela primeira vez, que está fora da disputa pela Presidência da República e condenou a decisão de seu partido de não lançar nome próprio e apoiar a candidata do PT ao Planalto, Dilma Rousseff. Em entrevista exclusiva ao portal iG, Ciro criticou o presidente Lula e disse acreditar que o tucano José Serra, seu velho desafeto, está mais preparado para assumir a presidência do que a petista e ganhará a eleição. O deputado declarou ainda que pode abandonar a vida política partidária. 

“Lula está navegando na maionese. Ele está se sentindo o Todo-Poderoso e acha que vai batizar Dilma presidente da República. Pior: ninguém chega para ele e diz ‘Presidente, tenha calma’. No primeiro mandato eu cumpria esse papel de conselheiro, a Dilma, que é uma pessoa valorosa, fazia isso, o Márcio Thomaz Bastos fazia isso. Agora ninguém faz”, afirmou o deputado ao jornalista Eduardo Oinegue. Apesar de considerar justa a alta popularidade alcançada por Lula, Ciro diz que o presidente precisa ser chamado à realidade. “Ele não é Deus”.

Ciro disse que não vai confrontar o PSB nem Lula, mas atacou o que chamou de “subserviência” de seu partido ao Planalto. “Tiraram de mim o direito de ser candidato. Mas quer saber? Relaxei. Eles não querem que eu seja candidato? Querem apoiar a Dilma? Que apoiem a Dilma. Estou como a Tereza Batista cansada de guerra. Acompanho o partido. Não vou confrontar o Lula. Não vou confrontar a Dilma.”

O PSB não esperou pela reunião que estava marcada para a próxima terça-feira (27). A direção do partido comunicou ontem (22) ao deputado que ele não será candidato à Presidência da República pela legenda. Em nota divulgada à noite por sua assessoria, Ciro disse que não havia desistido da candidatura.

Mesmo admitindo acolher a decisão do partido, Ciro afirmou que não pedirá votos para ninguém na disputa presidencial. O deputado cearense, que havia transferido o título eleitoral para São Paulo, a pedido de Lula, ressaltou que não vai se envolver na campanha. “Não me peçam para ir à televisão declarar o meu voto, que eu não vou. Sei lá. Vai ver viajo, vou virar intelectual. Vou fazer outra coisa”.

Ciro Gomes classificou como “tragédia” sua vida partidária. “Sempre fui acusado de ter trocado muito de partido. Minha vida partidária é uma tragédia mesmo”. O deputado passou por quatro partidos antes do PSB: PDS, PSDB, PMDB e PPS.

Ainda na entrevista, Ciro disse que ninguém vai desempenhar a “missão estratégica” que sua candidatura teria nas eleições de outubro e previu a derrota da candidata petista. “Minha sensação agora é que o Serra vai ganhar esta eleição. Dilma é melhor do que o Serra como pessoa. Mas o Serra é mais preparado, mais legítimo, mais capaz. Mais capaz inclusive de trair o conservadorismo e enfrentar a crise que conheceremos em um ou dois anos.”

Na avaliação dele, o país enfrentará forte crise cambial e fiscal nos próximos dois anos. “Em 2011 ou 2012, o Brasil vai enfrentar uma crise fiscal, uma crise cambial. Como estamos numa fase econômica e aparentemente boa, a discussão fica escondida. Mas precisa ser feita.”

Ciro se recusou a falar do que achava de Serra. Os dois já trocaram diversas acusações em entrevistas. “Todos sabem o que sinto pelo Serra. Não preciso repetir”.

Deixe um comentário