Cada um tem o Temer que merece!

.
Por Claudio Schamis
.
Enquanto no TSE é travada uma batalha para ver se a chapa Dilma-Temer é cassada, o país segue sem saber o que vai acontecer.

E essa espera é mortal para quem ainda acredita que podemos nos recuperar, e é mortal também para quem espera o golpe final para depois decidir o que irá fazer.

E nessa novela o protagonista, o presidente Michel Temer, aparece em seu pedestal dizendo e reafirmando que irá chegar até o fim de 2018.

Sinceramente não sei mais se chega, não sei mais se é melhor chegar, não sei tampouco se é melhor termos eleições diretas já. Não sei de mais nada.

Só sei que essa incerteza toda foi criada pelo próprio Temer, que insiste em dizer que não sabia, que foi vítima, que não é bem assim, que não quis dizer o que disse, que a fala está fora de contexto, que blá, blá, blá.

E esse seu blá blá blá é tão irritante que faz com que sua fala se torne difícil de ouvir. Sua voz começa a irritar, sua figura começa a dar náuseas.

O pior é que ele e todos esses políticos aparecem sempre como vítimas de uma (outra) quadrilha que quer acabar com o partido X, com o partido P, com o partido T, com o partido P (de novo), com o partido M, com o partido D, e com o partido B. Que tudo é uma orquestração de um golpe. Que a imprensa… Os coxinhas… E virão os rissoles e as empadas. Sempre seremos “os apontados” como inimigos.

Tudo é nojento. Tudo é uma mentira combatida com outra mentira e com outra mentira.

Temer, por exemplo, disse que não sabia de quem era o jatinho. Mas, ao mesmo tempo, liga para Joesley para saber de flores no avião. E somos taxados de idiotas. Para que mentir?

Todos esses últimos 14 anos de governo do PT eu bati de frente. Critiquei. Gritei. Fui xingado, criticado e chamado de tudo quanto é coisa ruim. Fui também apoiado. Mas no fundo nunca achei que fosse encerrar minha patrulha. Nunca confiei muito no PMDB, até porque alguns de seus representantes me dão pavor e asco.

Sou na verdade apartidário. Queria ver um país melhor. Um país mais decente. Mais honesto. Mais igual. Mais humano.

Não torço por nenhum partido, torço para que quem nos governe, o faça com amor, honestidade e hombridade.

Mas está difícil crer que isso vá acontecer pelo menos com essa geração de políticos que aí se encontra.

E qual seria a solução? Não faço a mínima ideia. Sei que é preciso uma renovação total. Mas isso é totalmente utópico.

Não me parece que os políticos aprenderam ainda a lição de casa. Parece estarem sempre em recuperação. Mas a maioria é irrecuperável. Só jogando fora e substituindo por um novo. Resta saber se o novo é novo mesmo, ou se está apenas “vestido” com uma capa nova, e por baixo ainda carrega os vícios do que temos aí no mercado.

E, enquanto isso não acontece, temos que rezar e ficar na cola de quem ainda está por aí. E marcar cada passo. Cada atitude. E brigar por justiça num país que teima em mostrar que a justiça ainda é falha e se deixa levar.

Só que a nossa vida não pode ser a mesma cantada por Zeca Pagodinho. Não podemos deixar a vida simplesmente nos levar. Temos que tomar o rumo dela.

Olha a cabeleira do Loures!

Se isso é uma piada não me disseram para que eu começasse a rir. Está nas mãos do ministro relator da Operação Lava-Jato, Edson Fachin, o pedido para que o corredor da mala, o ex-deputado e ex-assessor especial do
presidente Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures, tenha o direito de preservar sua vasta cabeleira quando ingressar no complexo penitenciário da Papuda.

O discurso é tão surreal quanto a situação toda em si. É pedido com urgência que seja assegurado o máximo respeito aos direitos e garantias fundamentais, e que não seja imposto tratamento desumano e cruel, e que se respeite a integridade física e que não raspem o seu cabelo como feito com Eike Batista.

Agora a pergunta que não quer calar: o que será que Rocha Loures esconde embaixo de suas madeixas? Os registros de propinas, a lista com o nome e codinome de envolvidos no escândalo?

Diante de todo esse quadro grave, que desmantelou um governo, que abalou as bolsas, que fez o dólar subir, que fez o nosso risco como país aumentar, como podem perder tempo preocupados com as aparências? E me admira o próprio Rocha Loures preocupado com isso e não com o fato em si de sua prisão.

Poderiam então negociar. O seu cabelo pela verdade plena.

Salve as baleias. Não jogue lixo no chão. E se beber ou não me chama na Uber, na Cabify ou na 99.

Deixe um comentário