Cabral tenta defender ex-aliados envolvidos em Privataria Tucan

Fonte: votebrasil.com

Dono de um patrimônio político oriundo da direita, o governador do Estado do Rio, Sérgio Cabral Filho, saiu em defesa de seus antigos padrinhos do PSDB, hoje envolvidos nas denúncias contidas no livro de Amaury Ribeiro Jr., A Privataria Tucana, sobre desvios bilionários durante o processo de privatização de empresa brasileiras como a Vale do Rio Doce e a Companhia Siderúrgica Nacional, entre outras.

– Acho uma bobagem esse discurso. O presidente Fernando Henrique fez muito bem ao Brasil ao abri-lo para investidores nacionais e estrangeiros, ao permitir, no caso da exploração do petróleo e do gás, a entrada de empresas nacionais e multinacionais, acabando com o monopólio da Petrobras, acabando com o monopólio da Telebrás e abrindo para investidores nacionais e as telecomunicações.

Qualquer discurso caricato antiprivatização eu rejeito preliminarmente. Esse momento internacional permite um discurso falso, demagógico e arriscado, de que o Estado é capaz de tudo. Pelo contrário, o Estado precisa cada vez mais das parcerias público-privadas. A aliança PT-PMDB é muito positiva para o Brasil, para a governabilidade – disse Cabral em recente entrevista ao diário conservador paulistano Folha de S.Paulo.

Cabral mantém estreitos laços com o empresariado fluminense e chegou a repassar verbas destinadas às obras de contenção de encostas, preservação ambiental e saneamento, no total de R$ 24 milhões, à Fundação Roberto Marinho, pouco antes de uma série de desabamentos de grandes proporções, em vários pontos do Estado, causar a morte de mais de 600 pessoas, há um ano.

Atualmente no PMDB, Cabral manteve seus laços políticos com o tucanato, dono dos grandes meios de comunicação no país, e de amizade com o senador Aécio Neves (PSDB-MG); além de empresários beneficiados com o fornecimento de bens e serviços ao governo estadual.

A defesa de Cabral aos antigos correligionários, no entanto, não tem sido suficiente para evitar o aprofundamento da crise no ninho tucano, como aponta a colunista Mônica Bergamo, na mesma Folha de S. Paulo.

Segundo a colunista, duas semanas após ter sido lançado, a obra está entre as mais vendidas das livrarias de todo o país e pessoas que convivem com o ex-governador paulista José Serra afirmam que “a mágoa por Aécio Neves – que teria acendido uma faísca para as investigações – aumentou”.

Saia justa :.

A resposta de Cabral à entrevistadora do diário paulistano, de propriedade de aliados do governador José Serra, não chega ao foco de Privataria Tucana, que aponta evidências de fraudes gigantescas no processo de privatização consolidado nos dois governos de FHC.

O fato, explorado à larga na pré-campanha eleitoral de 2002, pouco antes de Serra ser escolhido candidato à sucessão de FHC e o governador fluminense concorrer ao seu primeiro mandato, também não teve repercussão na campanha de outrora.

Na época, as denúncias ficaram restritas à disputa intestina que se desenvolvia na direita, entre o antigo e hoje extinto Partido da Frente Liberal (PFL) e o PSDB.

Na imprensa, ganhou as páginas da revista semanal de ultradireita Veja, em pesadas tintas contra as mesmas personagens que, agora, frequentam as páginas do livro de Amaury Jr. Quem conduzia a pena de Veja, na ocasião, era o então senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), adversário ferrenho de Serra.

Diante de uma saia justa histórica, hoje a revista não tem como contestar o conteúdo do livro, pois além das provas documentais, a apuração de Amaury Jr. aprofunda a apuração da própria Veja, de maio de 2002, sobre a existência de um propinoduto na privatização da Vale e das teles. As denúncias, que ganharam a capa da revista na época, recaiam sobre o comprador da Vale, Benjamin Steinbruch.

Descobriu-se, logo depois, que os tucanos Paulo Renato de Souza, ex-ministro da Educação de FHC, e Mendonça de Barros, então presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foram as fontes da reportagem, sempre falando em Off para os repórteres.

Veja também publicou denúncias envolvendo Ricardo Sérgio e Gregório Preciado, chefes do esquema desvendado no livro de Amaury Jr., e com as mesmas denúncias, reforçadas desta vez com provas documentais, e acrescida a participação da filha e genro de José Serra.

Atualmente, a revista tem guardado um silêncio suspeito sobre os fatos descritos na obra atual. A exemplo do governador fluminense, a publicação também adota o expediente de avaliar o escândalo sob pontos de vista diversos, na tentativa de minimizar a gravidade dos atos criminosos cometidos à época.

 

Deixe um comentário