Mundo  

Atentado em frente à escola judaica choca o país

Pelo menos três crianças e um adulto morreram num tiroteio ocorrido à porta de uma escola judaica de Toulouse, no sudoeste de França nesta segunda-feira, 19. Testemunhas afirmam que um homem abriu fogo sobre as pessoas que se concentravam à porta da escola Ozar Hatorah, numa altura em que os pais deixavam seus filhos no estabelecimento de ensino. As quatro vítimas fatais são um professor de religião de 30 anos e seus dois filhos, de seis e três anos, bem como uma outra criança, de dez anos, indicou o procurador da República Michel Valet. Um adolescente de 17 anos está gravemente ferido.

O ataque ocorreu pouco depois das 8h (horário de Paris), numa altura em que os alunos do colégio-liceu – frequentado por cerca de 200 crianças e adolescentes – e suas respectivas famílias se concentravam à porta do estabelecimento. Imediatamente após os disparos, os alunos procuraram segurança no interior do estabelecimento.

O atacante, que usou duas armas do mesmo calibre, pôs-se em fuga numa mobilete. Este ataque acontece dias depois de três militares terem sido mortos a tiros por um homem montado numa mobilete na mesma região de França, o que poderá indicar tratar-se do mesmo agressor.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, definiu o episódio como “tragédia nacional” e assegurou que esgotará todos os recursos para “encontrar o assassino”. Já Marc Sztulman, secretário-geral do Conselho Representativo das Instituições Judias Francesas da região do midi-pyreéné chamou o atentado de “massacre”, mas afirmou que ainda é cedo para saber se se trata de um atentado antissemita. “Atiraram em jovens que se dirigiam ao liceu para se preparar para o vestibular”, disse. “No momento, ainda é difícil saber se é um ato antissemita. Ou a escola foi atacada por ser um símbolo republicano ou porque é de confissão judia, mas, nos dois casos, independentemente da intenção do autor do crime, é um atentado e deve ser punido como tal”.

O atentado chocou a França. Até mesmo a candidata à presidência do Front National, partido de extrema-direita seguidamente associado ao antissemitismo por declarações polêmicas e preconceituosas de seus dirigentes, prestou suas “sinceras condolências às famílias” das vítimas. O ministro do Interior, Claude Gueant, pediu para que as escolas reforçassem sua segurança nos próximos dias. Todas as escolas do país farão na terça-feira, dia 20, um minuto de silêncio.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Deixe um comentário