As cartas na manga de Dilma e de Serra

Lula será o primeiro a dar aval ao programa televisivo de Dilma, mas deixará a pupila andar com “as próprias pernas” e aparecerá só quando necessário. No lado tucano, o “filé” das propostas de governo foi guardado para exposição no horário eleitoral gratuito..

Os dois principais concorrentes à Presidência da República, José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), guardam trunfos na manga para o início da propaganda gratuita, que será veiculada em rádio e televisão a partir de 17 de agosto.

A campanha petista aposta na imagem dosada do presidente Lula, que dará a palavra final na peça de estreia elaborada pelo marqueteiro João Santana. Serra atrasou a divulgação do programa de governo para apresentar as principais propostas somente na televisão.

Toda a estratégia do PT foi feita colocando Lula, o maior cabo eleitoral da eleição de outubro, como o diferencial da campanha. Por isso, há uma intenção de evitar a superexposição da imagem presidencial, por dois motivos.

Primeiro, a campanha considera que chega para o horário eleitoral bem posicionada nas pesquisas de intenção de votos, e, depois, Dilma não pode aparecer como sombra de Lula. Isso teria o potencial de gerar um efeito negativo entre possíveis eleitores.

A campanha quer guardar a “cartada Lula” baseada nas recentes pesquisas espontâneas de intenção de votos. No levantamento feito pelo Datafolha, Dilma tem 21% e Serra, 16%. No Vox Populi, a petista apresenta 28% e o tucano, 21%.

Na avaliação deles, os números apontam para o mesmo cenário de vantagem, o que torna desnecessário – num primeiro momento – usar o presidente à exaustão.

Lula concorda com a proposta de deixar Dilma andar com as próprias pernas nos primeiros programas. Ele será o primeiro a assistir ao programa de sua pupila antes de ir ao ar. Dará o aval ao tom da publicidade de Santana. Essa espécie de pré-estreia ocorrerá a tempo de o presidente poder sugerir alterações.

Teclas

Assim como a campanha petista, os tucanos apostaram cartas altas no horário eleitoral gratuito. De acordo com o comando de campanha de Serra, os temas abordados pelos programas serão os mesmos antecipados pelo candidato durante discurso de lançamento da candidatura, durante a convenção do PSDB, em junho. “Tudo o que vai acontecer na campanha do Serra tem a ver com o primeiro discurso que ele fez.

Não seremos ofensivos contra os adversários e mostraremos propostas para os brasileiros, sem distinção”, antecipou o presidente do partido, Sérgio Guerra. A propaganda serrista é tocada pelo marqueteiro Luiz González.

Algumas teclas acionadas repetidamente por Serra durante o discurso inaugural serão repetidas já nas primeiras semanas do horário eleitoral. Programas voltados para os deficientes físicos, ampliação do Bolsa Família e investimentos em obras sociais, como as de saneamento, são figurinhas certas.

O atraso na divulgação do programa de governo, comandado por Xico Graziano, foi decidido para não antecipar propostas antes do tempo de televisão. O raciocínio é de que eles perderiam força e seriam copiados pela oposição, caso o texto fosse divulgado antes da propaganda.

No DEM, a importância da televisão é vista com cautela, tanto para minimizar o poder de influência de Lula quanto para não se criar expectativas de que ela será responsável por definir resultados. O candidato ao Senado Cesar Maia (DEM) escreveu recentemente, no informativo que distribui via e-mail, ser um risco apostar na TV como elemento diferenciador.

“As duas equipes (de Dilma e Serra) são competentes e saberão fazer um bom programa de TV e bons comerciais. Alguma vantagem haverá com a presença de Lula no vídeo, quando chegará aos grotões com a informação sobre o nome de seu poste”, afirmou o ex-prefeito carioca.

Captação

A campanha de Marina Silva também investirá nas imagens públicas para o início dos programas eleitorais. A equipe de comunicação gravou na quinta-feira cenas do comício da candidata em Bauru, no interior de São Paulo, além de, recentemente, ter captado sequências nas passagens de Marina por Natal, Recife, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. %u201CAinda estamos buscando um lugar na agenda para fazermos as gravações no Acre, para abordarmos o histórico sobre a vida dela%u201D, antecipa o coordenador da campanha, João Paulo Capobianco.

A relevância de Índio

Um dos principais pontos ainda indefinidos da propaganda eleitoral tucana será a participação do candidato a vice, o deputado federal Índio da Costa (DEM-RJ). “Estamos finalizando o programa esta semana. A dosagem da presença do Índio nos programas, especialmente por conta do Ficha Limpa, ainda está sendo avaliada”, afirmou Guerra.

Fonte: votebrasil.com
Ivan Iunes /Tiago Pariz

Deixe um comentário