Brasil  

Arruda começa a demonstrar interesse por processo na Justiça

Por Rodolfo Torres – congressoemfoco.com.br

Preso na Superintendência da Polícia Federal em Brasília desde a quinta-feira (11), o governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), começou a se interessar pelo seu processo na Justiça. A informação foi dada a jornalistas por um dos advogados de Arruda, Thiago Bouza, que visitou o governador afastado nesta tarde.

“[Ele] começa a mostrar interesse no que está acontecendo, mas ele está mais abatido”, afirmou o advogado, de acordo com o portal G1.

Ontem, o advogado também foi à Superintendência da PF. Naquela ocasião, ele afirmou que Arruda cobrou estratégias de defesa. Bouza ressaltou que está estudando meios de reverter a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que determinou a prisão do governador licenciado, e que somente a partir da próxima quarta-feira serão (17) tomadas medidas nesse sentido.

Thiago Bouza também afirmou que Arruda se mostrou preocupado com a nova acusação que o Ministério Público prepara contra ele. Os procuradores encontraram indícios de que setores da inteligência da Polícia Civil foram usados para espionar o Ministério Público do Distrito Federal.

Hoje, Arruda recebeu dois livros de autoajuda de um militar. Além disso, uma aposentada rezou pelo governador licenciado na porta da Superintendência da PF. O almoço desta terça do governador licenciado foi levado por Flávio Peres, seu cunhado, que também lhe entregou uma bíblia.

A Justiça determinou a prisão de Arruda e de mais cinco pessoas na semana passada. O grupo é apontado como autor da tentativa de suborno de uma testemunha do mensalão no DF.

Para o ministro Fernando Gonçalves, a tentativa de suborno do jornalista Edson Sombra, que resultou na prisão do funcionário público aposentado Antônio Bento da Silva, é uma mostra que deixar Arruda no governo causa problemas à investigação em curso na Polícia Federal.

De acordo com o STJ, há indícios relevantes, além de informações consistentes, da existência de organização criminosa que atua no governo local para se apropriar de verbas públicas e apagar vestígios das infrações praticadas.

Deixe um comentário