Brasil  

Aracruz, uma negociação obscura

A Votorantim, insensível às manifestações da imprensa e de milhares de acionista preferencialistas, continua com seu plano perverso de transferência de riquezas do povo em geral e do dinheiro público, para seus cofres já abarrotados. Enviou em 03/02/2009 à BOVESPA a notificação sobre a “Reestruturação Societária e Plano de Negociação” onde ela ratifica a supervalorização de suas ações ordinárias e a desvalorização das ações preferências, transferindo o prejuízo de sua gestão temerária e irresponsável para milhares de pequenos investidores.
A Votorantim passou meses informando pela imprensa que estava aguardando o acerto da dívida da Aracruz com os bancos. Quanta dissimulação, como se a Aracruz, fosse outra pessoa, e ela, Votorantim estivesse fora do problema, do qual ela é co-responsável direta, pois antes de lançar este plano maquiavélico de enriquecimento ilícito, já era sócia majoritária da Aracruz. Este plano, uma vez concretizado, irá manchar indelevelmente a BOVESPA. A ingerência da Votorantim no mercado acionário do Brasil, uma vez ratificada pela BOVESPA, nos envergonhará perante o mundo. O nosso pequeno grupo, hoje somos aproximadamente 400 pessoas, é apenas a ponta do iceberg. Alguns pagaram por esta ação mais de 12 reais, a qual despencou no mercado, a partir de setembro de 2008, em conseqüência da gestão desastrada da Votorantim e coligadas. Agora a Votorantim está usando estas cotações baixíssimas, para aplicar o golpe final nas esperanças destes investidores de verem esta ação voltar a valer um pouco mais e desta forma minorar seus prejuízos. Usando o preço médio desta ação, tomando por base qualquer período a partir de setembro de 2008, a Votorantim estará se locupletando do seu próprio erro. Justo seria adotar para esta relação de troca, no mínimo, um período de seis meses e que fossem retroativos a 29/08/2008, para não sofrerem a influência dos problemas ocorridos a partir de setembro de 2008.
Estamos, mais uma vez, pedindo socorro às autoridades constituídas do nosso País e a imprensa em geral, para que tomem conhecimento desta injustiça que está sendo arquitetada contra os pequenos investidores, e impeçam a consumação desta vergonha, que, uma vez concluída, causará sérios prejuízos a milhares de pessoas e manchará indelevelmente a imagem do Mercado acionário do nosso País.
Nós já enviamos a nossa mensagem à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), solicitando que a mesma não aprove o passo nº 5 da notificação ao mercado, proposto pela Votorantim sob o título “Reestruturação Societária e Plano de Negócio”, onde a Votorantim pretende aplicar uma relação de troca baseada na média dos últimos 30 pregões encerrados em 16/01/2009, que estabelece 1 ação preferencial da Aracruz = 0,1347 ação preferencial VCP.
A Votorantim e as demais administradoras, causaram um grande prejuízo na Aracruz decorrente de sua gestão temerária, e agora querem se locupletar com enriquecimento ilícito praticando gestão fraudulenta, usando manobras escusas e de má fé, arbitrando preços absurdamente altos para as suas ações ordinárias e desvalorizando as ações preferenciais que foram vendidas no mercado, e que não são mais suas. Desejam transferir o prejuízo para quem não participa da administração.
No entendimento do fundador e moderador do nosso fórum, Antonio Carlos Martins, pensamento do qual todos apoiamos integralmente, o período correto para estabelecer um valor de troca justo seria os 6 (seis) meses anteriores a setembro, ou seja de 03/03/2008 até 29/08/2008, 125 pregões, período em que as ações não tinham sofrido as conseqüências dos problemas ocorridos a partir de setembro de 2008.
Admitir-se fazer qualquer relação entre uma e outra, após o mês de agosto de 2008, época em que a ação ARCZ6 foi amplamente punida com uma grande desvalorização, conseqüente da administração temerária e inconseqüente dos grupos Votorantim, Arapar e Arainvest, controladores da empresa e portanto co-responsáveis por este grande prejuízo, seria beneficiar o infrator, premiar os maus administradores que quase levaram a empresa a uma situação pré-falimentar. Em conseqüência a relação de troca a ser adotada, por princípios de transparência, honestidade e justiça, deverá tomar por base um período mínimo de 180 dias retroativos a 29/08/2008. Para que esta relação de troca não seja atingida pelo período em que a Aracruz sofreu os prejuízos supra mencionados. De 03/03/2008 a 29/08/2008, as ações preferenciais da VCP tinham a média de R$ 47,00 e as ações preferenciais da Aracruz tinham a média de R$ 12,12, resultando em uma relação de troca de 0,2578.
A ação ordinária da Aracruz estava cotada no fechamento do pregão do dia 19/01/2009 em R$ 5,60 e a preferencial em R$ 2,65.
A Votorantim pagou pela parte da Arapar o valor de R$ 21,25, por ação ordinária, um ágio de 279,46%.
Para as demais ações ordinárias foi arbitrado pela Votorantim o valor de R$ 14,56, um ágio de 160%.
As ações preferenciais sofreram um deságio de 17,35% no dia 20/01/2009, e depois continuaram desvalorizando diariamente, pois, CONSEQÜENTE DESTA INGERÊNCIA NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO PRATICADA PELA VOTORANTIM, a ação ficou totalmente desacreditada e vem acumulando quedas diárias.
Hoje são as ações da Aracruz que estão desvalorizando diariamente por ter caído em descrédito, mas se medidas saneadoras urgentes não forem tomada, amanhã será o mercado acionário brasileiro que ficará totalmente desacreditado, se este golpe contra a economia popular for consumado.
Que estranhas “sinergias” são estas que uma empresa consegue super valorizar suas ações ordinárias e desvalorizar as ações preferenciais, que não são mais suas, que já estavam vendidas ao mercado?
A BOVESPA com a palavra. Nós componentes do fórum e milhares de pessoas estamos aguardando a sua resposta.

Do site www.paulohenriqueamorim.com.br

Deixe um comentário