Brasil  

A vida mansa de Lewandowski

Por Claudio Schamis – congressoemfoco.com.br

Lewandowski’ a vida como sempre sonhou!

O ministro Ricardo, o Lewandowski, estava conseguindo “lewandowski” a vida como podia. Com ou sem pressão ele ia revisando calmamente no seu quadrado o processo do mensalão, e ontem resolveu pôr fim a essa novela e devolveu o seu voto para entrar nos anais da Justiça como sendo o voto-revisor mais curto da história do Supremo Tribunal Federal, segundo sua própria interpretação.

Agora a bola está com o time do Supremo, que terá o dia 2 de agosto como o marco zero para tentar mudar o cardápio servido em casos de falcatruas políticas. Uma fonte que prefere permanecer no anonimato me confessou que o STF consultou a empregada doméstica do bairro Divino, a Nina, e o Supremo promete surpreender a todos e não servir mais pizza. Dizem que poderá ser um prato com batatas que já estão assando.

Tomara!

Briga de gente grande! Ou Diga Não à piedade!

Espero do fundo do meu coração que o time do STF não entre nessa de penas mais brandas, como aponta o voto do ministro Lewandowski. Tomara mesmo que eles fiquem do outro lado, o lado onde temos o ministro Joaquim Barbosa, que, jogando no mesmo time do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, sugere penas mais duras por ter sido o mensalão um dos crimes mais graves cometidos contra a democracia brasileira.

Temos que acabar com isso de passar a mão na cabeça dessa gente dizendo somente: “Ai, ai, ai” e “Não faça mais isso, tá?”.

E que seja rápido enquanto dure para evitar que, com o passar do tempo e de mais obstáculos que venham a aparecer ainda no meio do julgamento, que alguns dos crimes cometidos caiam na prescrição. Temos que salvar algum crime dessa armadilha.

Se arrependimento matasse…

Como não mata, o não arrependimento poderia matar, ou pelo menos causar arranhões profundos em quem não se arrependeu.

Antes que me matem por causa disso, queria esclarecer que não quero a morte nem a cabeça de ninguém, até porque nesse caso a pessoa nem tem uma cabeça propriamente dita, mas queria pelo menos a sua morte política.

Sei que errar é humano, mas persistir no erro e ainda ter coragem de afirmar que não se arrependeu, que não errou, é espantosamente Lula.

Custava o Lula dizer que ficou mal na foto e pedir desculpas? Aliás, ele nem deve saber o que é se desculpar.

Quando a compaixão prevalece!

Sorria se você trabalha em algum gabinete de deputado em Brasília. O presidente da Câmara, Marco Maia, concedeu reajuste na verba de gabinete, passando de R$ 60 mil para R$ 78 mil e alegando que os secretários parlamentares comissionados estavam sem aumento há quase cinco anos.

Porém, com esse aumento dado às vésperas da eleição, isso poderá ser um prato cheio para muita gente, já que permitirá que deputados contratem mais funcionários em seus redutos eleitorais, já que os secretários podem trabalhar tanto nos gabinetes em Brasília ou no estado.

Não é fofo o presidente da Câmara, Marco Maia?

Eu vejo assim: se é um aumento dado com um propósito, deveria ser totalmente proibido a contratação de novos funcionários usando algo que não lhes pertence.

Uma coisa é uma coisa. Uma outra coisa é uma outra coisa.

Tudo bem. Legal. O Conselho de Ética aprovou por unanimidade o relatório do senador Humberto Costa que pede a cassação de Demóstenes Torres. Mas não acaba por aí. A outra coisa é que ainda faltam etapas para o veredicto final. Primeiro passará por uma análise de constitucionalidade na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Depois dessa etapa, deverá seguir para apreciação de todos os senadores em plenário, onde a votação é secreta.

Mas que seja feita a justiça total condenando todos os envolvidos na CPI do Cachoeira e que não condenem somente um bode expiatório. Justiça completa, total e irrestrita.

Que Posto Ipiranga que nada. Pergunta pro Ferreirinha!

Acusado de ligações com o grupo de Cachoeira, o ex-porteiro do Palácio da Alvorada diz que de fome não irá morrer e deverá lançar nos próximos dias um curso de como se abre portas (leia-se como se pede um favor) com os políticos e não para eles.

Ferreirinha, ou para os não íntimos apenas Raimundo Costa Ferreira Neto, vai revolucionar o sistema político em Brasília num passo a passo que ensinará como alcançar o seu objetivo com aquele político logo ali. Segundo ele, é até mais fácil que roubar doce de criança. É só levar a coisa mastigada que é como o político mais gosta.

Ferreirinha, em contato exclusivo por telefone, afirmou que só aceitará pagamento em espécie. E que poderá ser de qualquer espécie.

Salvem as baleias. Não joguem lixo no chão. Não fumem em ambiente fechado.

Deixe um comentário