A vergonha alheia

Por JC Bolognese

No dia 12 de outubro atingimos a incrível, inaceitável e injustificável marca de 5 anos e meio de um covarde e arbitrário calote em nossa aposentadoria. Mas, falar em perda de de poupança e pensão é muito pouco, pois esses termos, por mais que se esforcem, não podem definir o que é passar a vida trabalhando, atento ao passar dos anos, poupando para um futuro um pouco menos incerto e descobri-lo comprometido pela irresponsabilidade de terceiros.

Aposentar-se de um emprego de muitos anos não significa retirar-se da vida. Ao contrário, poderiam ser os melhores da vida de um trabalhador se o trato fosse feito com gente séria. Contudo, da maneira como são tratados os aposentados nesse país, parece ser o sonho dourado de todos os governantes brasileiros, senão mesmo uma política de estado, ver o trabalhador ser extinto junto com seu emprego.

Não é incomum uma pessoa em situação como a nossa, remexer o passado e se perguntar com algum embaraço, se fez algo de errado. Com vergonha até, perguntar-se, se contribuiu para o seu sofrimento e o dos familiares. Mas não é preciso ir muito longe para descobrir que se há uma vergonha aí, ela não lhe pertence. É uma vergonha alheia, criada por mentes que não abrigam esse sentimento.

 Desde o começo – antes e depois do fim da Varig – os fatos que contam são:

1)      Um fundo de pensão privado foi criado para complementar as aposentadorias dos trabalhadores na aviação.

2)      A estrutura jurídica do Aerus foi baseada em leis vigentes no país – e não comprada em uma banca de camelô.

3)      Os funcionários das empresas pagaram religiosamente a sua parte no contrato.

Nada disto foi defendido, fiscalizado ou protegido pelo estado como era sua obrigação. Daí, a trágica situação em que se encontram os aposentados do Aerus até este mês de outubro de 2011. Sem esquecer os demitidos e os familiares dos mais de 580 que faleceram se ver solução alguma.

Quando reclamamos nossa aposentadoria de volta, não damos a ninguém o direito de duvidar que seja legítima. Nós realmente pagamos parte de nossos salários segundo um modelo instituído dentro de perfeitos marcos legais.
Assim como uma mentira não vira verdade só por ser muito repetida, uma verdade não vira um delírio só porque sua repetição incomoda.

Eu também concordo com o ministro do STF quando ele fala de uma emenda que pode tornar a justiça não apenas mais ágil, mas… muito mais ágil. Concordar é uma coisa. Acreditar porém, é bem outra. Em que mundo vive essa gente que sempre, ao ser questionada, declara-se comprometida com os mais profundos interesses sociais, mas não consegue ou não se esforça para ir do discurso à prática? Das autoridades aceitaria com prazer se, ao declararem suas boas intenções, estivessem sinceramente compreendendo que nós, ao falarmos do calote em nossa aposentadoria, estamos falando em termos muito reais, que nos faltam recursos para pagar um plano de saúde. Em vez de declarações genéricas sobre princípios republicanos, geralmente desprezados no mundo real, preferia que um ministro, uma autoridade dessas, perguntasse como é que a gente faz pra viver. De que forma vivemos o problema de não poder ir ao dentista quando um dente dói. Quando e como compramos um par de óculos novos porque o nosso quebrou ou ficou defasado. Se temos acesso ao lazer e, se ele, como às demais pessoas, faz falta. 

De minha parte quero deixar bem claro que não serei grato a nenhuma autoridade, pois ao virem com uma solução para o Aerus, depois de tantos anos sabendo o que essa demora acarretou, não vão pensar por certo naqueles aos quais ela não alcançou. Serei grato apenas a Deus e aos colegas que realmente se empenharam desde o começo para reparar um injustiça histórica. Às autoridades concederei apenas os cumprimentos por terem afinal enxergado a luz da razão.

A caminho do sexto Natal sem o nosso dinheiro, esperamos que essa luz ilumine essas autoridades dissipando as trevas da hipocrisia. E se mais este Natal for como os últimos cinco, quando passamos vergonha por não podermos estar como pessoas normais, vamos lembrar que é a vergonha dos outros que faltou se mostrar. A vergonha alheia.

 

Deixe um comentário

46 comentários para “A vergonha alheia”

  1. ? Elias Teixeira disse:

    Caro amigos, fico muito feliz por esta união, é muito dificil ficar no aguardo sem as autorizades deste país ficar de braços cruzado como nada tivesse acontecido, peço a Deus que olhe por nós , que TODOS VARIGUIANOS APESAR DE TUDO , TEMOS QUE ACREDITAR , E TER FÉ. ABRAÇOS A TODOS. Elias VARIG/CGR E VARIG/RBR.

  2. ? Paulo Toledo disse:

    Todo dia em que acordo tenho que lidar com a dura realidade de ter sido furtado pelo Governo Lula e pela Varig, a quem servi por mais de 30 anos. Estou entrando em depressão patológica, mas como trata-la sem recursos? Obrigado Lula, Dilma, Dirceu e tantos outros. Brilhante texto do colega Bolognese, a mais pura verdade.

  3. ? Ana Beatriz disse:

    Infelizmente já se passaram cinco anos e meio deste acontecimento incrível, inaceitável e injustificável.
    Não é possível esse país continuar desse jeito.

  4. ? Avanildo C . A. Maranhão disse:

    CARO BOLOGNESE . PARABENS PELA MENSAGEM . AGRADEÇO EM NOME DE TODOS
    QUE FAZEM A APRUS DE RECIFE . UM ABRAÇO, MARANHÃO .

  5. ? João Angelo Zucolotto disse:

    Parabéns mais uma vez Bolognese, incansável agregador, sempre nos proporcionando esta “Mesa Redonda” para nos manifestar e por vezes saírmos do “comodismo” imposto pela morosodade da nossa (in)justiça.

    Não pedemos evitar que a dificildade bata em nossa porta, mas não precisamos por isso oferecer-lhe a cadeira.

    cordial abraço,

    João Angelo

  6. Obrigada amigo pela exelente matéria. Você é um lutador, pena que temos poucas pessoas que lutam pelo mesmo ideal. Enfim, cada cabeça tem a sua sentença. Parabéns.

  7. ? Nivaldo Marinho Barbosa disse:

    Sr. JC Bolognese,
    Muito boa noite!

    Vejo que nesse seu segundo depoimento, que aqui se apresenta, transparecer claramente, seu perfil de um homem simples, correto, carismático e capaz de envolver uma grande parcela de seus pares pertinentes ao mesmo universo de uma causa chamada “AERUS”.
    Sua forma nítida de separar, o bem do mal, o certo do errado, cobrar direitos à justiça, com resultados semelhantes para camadas sociais menos ou mais favorecidas, sem desvios de favorecimentos.
    Enfim, Sr. Bolognese, esses seus depoimentos nos fez acordar para um potencial existente em cada um de nós.
    A capacidade de um homem sempre será melhor avaliada num desses momentos, como o que estamos atravessando. Portanto, vejo claramente que não seria adequado debruçarmo-nos com vistas pra um horizonte sem luz, sem esperanças, sem credibilidade. Creio que no passado, as mobilizações eram desprovidas de melhor conscientização, foco, e até mesmo tratava-se de uma avalanche de exigências e cobranças sem uma avaliação estruturada. O que havia mesmo era um enorme esforço em galgar uma posição de relevo no cenário político, para posteriores benesses do poder, levando-se a um total descrédito (tivemos alguns envolvidos que até hoje desfrutam dessas benesses).
    Hoje, podemos constatar pessoas com propósitos e objetivos bem mais balizados, apesar de alguns ainda ficarem acreditando religiosamente num milagre “Dele”, uma solução divina. Respeito todas religiosidades e suas crenças! mas, não devemos mais perder tempo, vamos buscar formas inteligentes de mobilizar todo esse processo, usando às idéias que aqui mesmo já foram postadas. São formas de protestos que funcionaram com ótimos resultados noutros movimentos. Que tal, como já mencionado anteriormente pelo colega, uma GREVE DE FOME em Aeroportos de grande movimentação, tipo Brasília, Guarulhos, Rio de Janeiro, etc. etc. Cartão de FELIZ NATAL e FELIZ ANO NOVO com mensagens sobre “A VERGONHA DA JUSTIÇA” com AERUS, em grande quantidade para as “autoridades” governamentais.

    Sobre tudo isso, ainda nos faz pensar que ainda existe uma oportunidade grande de obtermos sucesso em nossa busca. Não podemos é cruzar os braços e esperar que uma única pessoa seja capaz de resolver nosso problema.
    Em primeiríssimo lugar com a união de um grupo forte, coeso, inteligente, com postura e determinação, teremos a forma de um sucesso sem precedentes.
    Acordemos para o real e deixemos o ilusionismo de lado. Estarei sempre presente nessa frente mesmo que seja num corporativismo rebuscado.

    Obrigado,

    Nivaldo M Barbosa

  8. Meus amigos Aeronautas e Aeroviarios, da VARIG. A nossa força é a nossa união. Como tenho uma doeça renal grave, faço Dialise 3 vezes por semana, mas meu pesamneto está ligado a todos VARIGUIANOS

  9. ? JC Bolognese disse:

    Caros colegas & comentaristas,

    Agradeço a todos os que postaram seus comentários sobre meu texto, generosamente publicado no Brasil Em Foco e no Tribuna da Internet (Tribuna da Imprensa Online). Li todos e noto que a essa altura, persiste uma angústia e um desânimo, dos quais também não me sinto imune.

    Como gostaria que cada vez fosse a última que escrevo sobre esse assunto!

    Mas, por ser talvez um pouco menos inibido que a maioria, todos na minha opinião capazes de fazer o mesmo que faço, sigo com a persistência que me inspira o direito. Um direito que em nenhum momento ficou para mim obscurecido, pois como todos vocês, paguei para ter.

    Ironicamente, numa era em que se fala tanto em direitos, percebemos na pele a distância oceânica que há entre a intenção – se é que existe – e a prática. No texto falei, apenas para fazer a demolição do conceito, do tanto que poderia nos caber de culpa pela nossa situação. E, é claro que, em relação ao que fizemos e passamos para ter uma aposentaria, só fizemos o certo, dentro do conhecimento que nos era permitido.

    Mas olhando para além do mundo variguiano, nós brasileiros trabalhadores permitimos há décadas que demagogia e demagogos pautem como bem entendem o nosso modo de vida. Topamos ser chamados de contribuintes quando somos pagadores de impostos. Aceitamos ser chamados de sindicalizados quando não são as nossas contribuições que definem as políticas dos sindicatos, mas o repasse, livre de auditoria feito pelo governo e arrancado à força do trabalhador. Por que é que tanto sindicalista vira político? Antes desse “governo” até se justificava porque (o ovo da serpente sendo chocado) se fez acreditar que um governo de trabalhadores nos levaria ao paraíso. Hoje a gente vê que esses sempre foram políticos, e do pior tipo, quando se diziam trabalhadores.

    E aí aparece um pouco aquela culpa que não queremos assumir: A maioria do povo é correta e trabalhadora, mas detesta a política, pois crê que a única que existe é a dos partidos. Abominando-a e esquecendo que faz parte da nossa vida, goste-se ou não, deixamos o campo livre para os oportunistas, que fazem da política um instrumento de uso pessoal para os mais condenáveis fins.

    Pela experiência dos últimos cinco anos, não espero que sejamos capazes de grandes manifestações públicas. A meu ver, as de que participei não conquistaram o público a ponto de mudar alguma coisa a nosso favor. A imprensa em sua maior parte comprometida com o governo, não dá nunca o destaque devido. Ficamos invisíveis.

    Então, o que fazer?

    Na minha opinião, continuar reclamando. Vai ter resultado? Não quero nem saber, vou continuar reclamando. Vou continuar até mesmo se ganharmos, pois o fato gritante é que já é tarde demais para muita vida desperdiçada. Para finalizar, lembro que estamos às portas do Natal. Porque alguém criativo no nosso meio não cria um cartão de Boas Festas bem irônico e falando do nosso problema para enviar às “autoridades”? Mas teriam de ser muitas, muitas mensagens mesmo. Até pelo correio, pois a greve deles já acabou.

    Um abraço a todos,

    JC Bolognese

  10. ? Henrique Freitas disse:

    Amigos, tenho lido comentários de colegas reclamando que a imprensa não divulga nosso caso. Só existe UMA forma de fazer isso : colocar cinco corajosos e estoicos aposentados nos principais aeroportos do país fazendo uma GREVE DE FOME. Tenham certeza que NO MESMO DIA a imprensa dará cobertura e o povo brasileiro ficará conhecendo o drama de 8 mil aposentados que não têm recursos para alimentação, remédios e plano de saúde.
    Desta forma as autoridades terão que tomar uma atitude, movidos pela vergonha e pelo interesse nas próximas eleições. Se não tomarmos uma atitude extrema como essa sabem o que acontecerá? O processo de Defasagem Tarifária a a Ação Civil do Dr. Maia ficarão para 2012 … 2013 … 2014 …
    Que tal, vamos levar essa ideia adiante? Desde já me prontifico a ficar no aeroporto do Rio.

  11. ? Naslê Penelas disse:

    Parabéns. Você foi claro e objetivo. Pena que os nossos políticos não sejam assim !

  12. ? Ricardo Pinto disse:

    Nelson:

    Seu poder de síntese é muito bom e acredito que suas palavras tem o poder de alcançar os mais desinformados de nossa situação. Nesta luta contra a “vergonha do Aerus” também estão incluído os trabalhadores da extinta Transbrasil, que embora em número menor, lutam pelo direitos de aposentadoria, assim como a Varig.
    Estamos todos juntos numa guerra com 06 anos de duração. É verdade que muitos já morreram (e morrerão) , mas como disse uma colega acima, a JUSTIÇA DIVINA é a que manda e nossa perseverança fala mais alto. Também acho que devamos insistir em ações mais radicais e com o envolvimento da imprensa (que pouco divulga).
    Parabéns pelo texto.

  13. ? Ney Senandes disse:

    Prezaqdo Nelson
    Voce sintetizou de forma clara e concisa a nossa situação. Clamamos por aquilo que é justo e que nos foi tirado por incompetencia e falta de vontade política.
    Fraterno abraço
    Ney Senandes

  14. ? Nivaldo M Barbosa disse:

    Boa noite a todos.

    Primeiramente parabenizo o Bolognese pela forma brilhante em expressar nosso envolvimento nessa causa AERUS.
    Mas, sou um tanto pragmático em minhas posições políticas e decisórias no cenário em que vivemos nesse pais. Portanto, acho que tudo que estamos vendo e vivendo nesses dias, meses e anos, é pertinente ao meio cultural em que nos debruçamos. Nada, até então, foi feito para termos uma estrada asfaltada. Pelo contrário, cada um quer limpar seu
    caminho e que o vizinho se linche. Na verdade, acho que já é hora de trabalharmos juntos numa coletividade sem
    olharmos sòmente pra dentro.
    Acho que a Lucia Pacheco, esposa do meu ex-companheiro de trabalho, (Diga-se de passagem, maravilhoso ser humano, que eu pensava que ainda estivesse vivo) fala com propriedade, quando diz que não sejamos ingênuos em acreditar que a solução virá “Dele”. Precisamos de mais ações contundentes e que repercutam no meio das “autoridades”, de forma a minar suas credibilidades. envergonhando-os de seus atos perante a sociedade. Isso só será possível, com o envolvimento dos veículos de comunicação, com declarações, filmagens, discursos, fotografias, depoimentos etc. etc. em locais de visibilidade plena da sociedade. Nos feriados, dias santos, confraternizações governamentais, inaugurações de obras públicas, etc. etc. No mais, fica aqui minha sugestão e disposição para tal!
    Nivaldo Barbosa

  15. ? Dario Cini disse:

    Bolognese, satisfação por falar contigo mesmo por e-mail, pois estamos lonege e dinheiro que é bom, está escasso para nós velhos aposentados. Tem grana para tudo neste País. Até salvare am o banquinho do titio silvio. 4bi. não foi.? Seria a quantia certinha para salvar a VARIG, mil vezes um banquinho… Parabéns pelo comentário. Abração.

  16. ? Lucia Correia Pacheco disse:

    Boa noite, Bolognese
    Parabéns pelo seu texto cheio de verdades e com uma carga emocional forte e pertinente à situação dos aposentados e pensionistas do AERUS.
    Eu às vezes fico me perguntando se não valeria à pena fazer uma consulta sobre preço de uma publicação de um texto como o seu no Globo ou num outro veículo de grande circulação nacional, matéria paga é claro, e aí sim chegar ao conhecimento de autoridades “competentes” desse governo, como também da sociedade, na esperança de sensibilizá-los para que tenhamos uma definição para essa situação esdrúxula e covarde pela qual todos estão passando. Sei também que está difícil “arranjar” dinheiro, mas, quem sabe com a ajuda de parentes e amigos, ou até com a doação de alguém “do bem” que resolvesse abraçar a nossa causa, assim pudéssemos obter o valor a ser pago? Poderia também até ser publicada uma lista com os nomes de todos aqueles que já se foram, tristes e revoltados com tudo isso. Sou viúva do F/E Paulo Pacheco e fica aqui uma sugestão apenas, e talvez, daí não saia alguma outra idéia melhor para uma mobilização mais contundente junto a quem tem que decidir esse absurdo que já se arrasta há quase seis anos? Ah, acredito também muito na justiça Divina, mas não podemos ser ingênuos a ponto de achar que a solução virá “Dele”. Um abraço. Lucia Pacheco

  17. ? Márcio Miguel Teixeira disse:

    Gente do coração de pedra, insensíveis ao sofrimento alheio, mete a mão no bolso deles para ver o que acontece!.
    Parabéns sr. Bolognese.

  18. Prezado Bolognese.
    Excelente e verdadeiro o seu texto, Parabéns.
    Apenas uma pergunta: Você enviou o mesmo para as nossas autoridaes???

  19. ? Cristiano Thomi disse:

    Caro Bolognese
    Li o seu artigo que retrata a realidade. Infelizmente o Brasil não é um país sério, dias piores virão, é só aguardar.
    É o país onde se pagam as maiores aposentadorias do mundo, logicamente para funcionários do Judiciário, Legislativo e Executivo ,…. logicamente do governo. Aos brasileiros que pensam que a previdência privada manipulada pelos bancos funcionará….. todas quebrarão com o passar do tempo. É matemática pura. E quem garante ? O governo ?
    Na Argentina por exemplo, a previdência privada foi encampada pelo governo, e os associados perderam grande parte da quantia que recebiam.
    Abraço a você

  20. ? Levio oliveira disse:

    Caro amigo
    Parabéns pelo brilhante texto onde retratas a verdade de cada um e de todos nós.
    Sigamos confiantes, a justiça se fará!!!
    Abraços a todos

  21. ? Lucia Lopes disse:

    QUERIDO AMIGO E VIZINHO , OBRIDADO PELA SUA LUTA INCANSÁVEL!
    ESTAMOS REALMENTE A MERCÊ DESTE JUDICIARIO E GOVERNO CORRUPTO!
    DEUS NOS AJUDE…
    BEIJOS

  22. ? Hosana Campos Ferreira disse:

    Caro colega Bolognese

    Parabéns pelo seu texto. Vc. foi simples, objetivo e contundente, ao reportar êsse calote vergonhoso e repugnante. Que Deus ilumine as mentes e os espíritos dos nossos governantes, para que êles cumpram realmente a sua obrigação, corrigindo tamanha covardia. À vc, o meu abraço fraterno.

  23. ? Wiebe disse:

    De tanto ver triunfar as maldades, de tnato ver prosperar a deshonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tnato ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a dsanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto ( Rui Barbosa 1914 )
    Caros amigos e colegas: como já foi dito, dificilmente veremos JUSTIÇA feita por nossas autoridades. Esta tão esperada e desejada justiça virá sim, mas a justiça divina, a justiça do nosso grande Deus e Criador atravéz do seu filho Jesus Cristo. Sua vinda está mais próximo que imaginamos, estejamos preparados.

  24. ? Mario Luiz P.Monteiro de barros disse:

    Parabens caro colega e meu ex-aluno pelo seu texto. Tomara que alguma autoridade decente faça alguma coisa por nós.

  25. ? Mario Luiz P.Monteiro de barros disse:

    Parabens caro colega e meu ex-aluno pelo seu tesxto. Tomara que alguma autoridade decente faça alguma coisa por nós.

  26. ? Urubatan Maia Vasconcelos disse:

    Parece que o companheiro Henrique Freitas, no comentário acima, mostrou sabedoria ao apontar a triste realidade: que essas palavras, nenhuma cambada de corruptos que estiveram e estão aí agora, se quer vão saber das palavras do nosso nobre companheiro Bolognese; uma cousa, nós TEMOS que ter certeza : DEUS EXISTE E TUDO VÊ…ELE TUDO CONTEMPLA !!!

  27. ? Henrique Freitas disse:

    Brilhante, simplesmente brilhante o texto de nosso grande guerreiro Bolognese. Mas vamos analisar sob o ponto de vista prático? As autoridades responsáveis pela análise/solução do caso Aerus não tomarão conhecimento do texto de Bolognese. Dilma, Carmen Lúcia, Jamil Jesus, etc. não lerão as sábias palavras de nosso colega. E mesmo que venham a ler não farão NADA, pois está mais do que clara a extrema má vontade dessas figuras em resolver nosso drama. Ou seja, as palavras de Bolognese servirão para consumo interno, serão lidas apenas por ex-funcionários e aposentados da Varig. Nosso drama já está indo para o sexto ano e, se depender dos membros do governo JAMAIS o caso será solucionado. Eles nunca demonstraram o mínimo interesse. Para eles 10 mil insatisfeitos com o governo não representam nada no universo dos eleitores. Esses votos não influenciarão em nada nas próximas eleições.
    Segundo alguns comentários de colegas só resta a ajuda de Deus. Nesta hora cabe a pergunta: e se Deus não existir ?????

  28. ? Urubatan Maia Vasconcelos disse:

    Caro amigo Bolognese
    Suas palavras refletem a realidade que estamos vivendo; se alguém pudesse dar-me uma lista contendo o nome daqueles que são verdadeiramente responsáveis por esta sina…acredito que tomarei um rumo norteado, em ter uma rápida conversa com cada um que estiver nesta lista; mas, repito, uma conversa, ao pé-do-ouvido…pode ser que demore mais um pouco de tempo, MAS POR ESTES DA LISTA, NÃO SERÁ MAIS A DEMORA!!! Vou apresentá-los nas Mãos de DEUS!

  29. ?Telma Helena Arieta disse:

    Caro Bolognese,
    Você é um guerreiro. Obrigada por expor, mais uma vez, com lucidez e talento o drama dos aposentados do Aerus.
    Parabéns.
    Um grande abraço.

  30. Meu caro Bolognese,
    Como disse em mensagem anterior a você, seu texto transcende (no kantismo, diz-se do que, no conhecimento humano, apresenta uma dimensão apriorística, em oposição ao dado meramente empírico) o achismo. Seu conhecimento sobre o drama Aerus, as agruras a que todos os aposentados e pensionistas têm sido submetidos, a esperança rota que tem morrido com as vidas ceifadas sem ter visto solução, me faz vê-lo como um lutador, um guerreiro, que usa como arma as palavras que escorregam pelo teclado para fazer com que o povo brasileiro veja o engodo da aposentadoria, que, em princípio, deveria ter sido garantido pelo Governo Federal. Por agradecimento e na tentativa que mais pessoas tomem conhecimento dessa causa coloquei seu texto em meu blog. Parabéns!
    Um abraço fraterno.

  31. ? Elza M. de Mello Vay disse:

    Parabens e agradecimentos ao nsso colega Bolognese, por escrever tão bem sobre o assunto do Aerus,
    que tanto nos faz sofrer!!! Sinceramente não tenho esperanças nem acredito neste governo, que se diz
    dos trabalhadores, mas que só pensam em si própio e em roubar e ficar cada vez mais ricos e na verdade
    se perguntado, nem vão saber o que é (ou foi???0 o AERUS…
    Gostaria de ter a fé do colega Nelson P. Ribeiro!!! mas já perdia toda esperança de ver nosso problema so-lucionado!!!
    Um abraço para todos meus colegas de infortúnio.

  32. ? Luciano Pinto de Moura disse:

    Meu caro Bolognese, Parabéns pelo ótimo texto. Infelizmente, desde há muito, deixei de acreditar em qualquer coisa séria neste país de canalhas. Canalhas, pilantras e safados.
    GRANDE ABRAÇO E MUITA PAZ.

  33. ? Valdecir Farias de Araújo disse:

    MAIS UMA VEZ PARABENS BOLOGNESE
    UM ABRAÇO

  34. ? Vera De Marchi disse:

    Prezado Bolognese.
    Consegues te superar a cada texto onde escreves expondo o drama vivido pelos “roubados do Aerus”.
    Infelizmente dependemos de “autoridades” que demonstram não ter o mínimo interesse em fazer justiça.
    Mas da justiça Divina eles não escaparão, com certeza.
    Obrigada por tua luta em prol dos variguianos injustiçados.
    Oremos à Deus, pois só Ele para operar um milagre.

  35. ? Georges Milcent disse:

    Obrigado por expressar tudo que pensamos.
    Essas autoridades precisam entender que a verdade é para ser posta em prática e que lá estão para atender os anseios do povo no que lhes é devido.
    Mais uma vez, OBRIGADO

  36. ? Rose disse:

    Há a mais pura e dura verdade no seu texto.

  37. Antenor Cirtoli disse:

    ? Caro Bolognese

    Você continua sendo um dos nossos guerreiros incansáveis.
    Seu texto está perfeito. Neste pais de corruptos aonde os nossos representantes legais se calam para não sensibilizar os brios dos petralhas que permanecem mudos aguardando que o tempo passe e que os segurados morram a minga, ainda existe pessoas como você para escrever mais um chamamento colocando as claras as injustiças que está sendo práticada pelo judiciário brasileiro.
    Vamos em frente acreditando sempre. Talvez até em milagre, se for possível.
    Abraços
    Antenor

  38. Meu prezado bolognese,
    Texto de altissímo nível e extraordinario nas verdades escritas e descritas.
    Nossa luta somente terminará quando o ultimo dos aposentados do Aerus
    sucumbir da vida. Devemos lutar pelo que é nosso e que foi construido com
    com suor e sangue nossos e de nossos familiares.

  39. Andreia Fialho disse:

    Claro, curto e justo. Incrível como essa questão ainda não foi devidamente solucionada. Só o que pedimos é justiça.
    Andreia

  40. ? Frederico Elias Smith disse:

    Nao acredito em politicos.
    Deus todo poderoso vai acertar nossos destinos, tirando todos esses larapios de nossa frente.
    Esta perto de nossa hora. Abcos a todos. Fredy

  41. ? Nelson Pereira Ribeiro disse:

    Amigo Bolognese,
    Como sempre, você foi brilhante na sua exposição. Acredito eu, que agora, mais do que nunca, esta odisséia está chegando ao fim. Que Deus nos proteja, Nelson

  42. ? Amaury Antunes Guedes disse:

    Caro Bolognese,
    Parabéns pelo brilhante e relevante tema.
    Congratulações, Amaury Guedes

  43. ? Maria das Graças Carrilho disse:

    Procuro palavras para complementar o seu texto. Não é preciso. Vc foi claro em tudo.
    Pena que seu amigo,( meu marido ) morreu sentindo essa vergonha. Olhava para sua famíla e não tinha como justificar todo tormento.
    Restamos nós, vidas com almas, mas penando, como se estivéssemos mortos.
    Obrigada.
    GRAÇA CARRILHO.

  44. ? Jose Valdoir Vargas disse:

    Querido amigo Bolognese.
    Brilhante o teu enfoque.
    Impossível ser mais sincero e sensível.
    É um texto que transcende a injustiça.
    É um texto que toca corações.
    A abordagem sobre mais um Natal sob constrangimentos diante dos familiares,amigos e, principalmente, diante dos nossos netos,é de uma sinceridade extraordinariamente corajosa.
    Parabéns.
    Um saudoso abraço.
    Valdoir.

  45. ? José Paulo de Resende disse:

    Um brilhante texto do José Carlos Bolognese. Um texto onde ele diz tudo que todos nós Variguianos temos a vontade de dizer. Chega de tanto descaso com os trabalhadores da VARIG. Nunca antes na História deste País trabalhadores foram tão humilhados e relegados ao último plano. Governo brasileiro não dá a mínima para Trabalhadores da VARIG e a grande ironia nisto tudo é que este Governo é o Governo dos Trabalhadores. Imagina se ele não o fosse.