A “Presidenta” e a “faxina”

Por Perdival Puggina (foto)
Nunca a gramática prestou tão bom serviço à compreensão das análises políticas quanto nestes dias de Dilma Rousseff. Quando o comentarista ou o analista a designa como “presidenta” a gente já sabe para que lado sopra o vento.

Deixe um comentário