Petrolão: as suspeitas que recaem sobre os políticos

.
Por Edson Sardinha – Congresso em
Foco

.

infografico-lavajato1Um esquema de desvio de recursos públicos que envolvia repasses mensais e até quinzenais para políticos. Um caso que arrastou o governo Dilma Rousseff e a cúpula do Congresso Nacional para uma das maiores crises das últimas décadas e desvalorizou vertiginosamente o valor de mercado de uma das maiores empresas do planeta. A abertura de inquéritos da Operação Lava Jato contra políticos, autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), traz a fase mais aguardada daquela que é, segundo o Ministério Público Federal, “a maior investigação de corrupção da história do país”.

O Congresso em Foco reproduz abaixo a íntegra desses pedidos, com as respectivas suspeitas que recaem sobre os personagens do escândalo político que sacode a República, como os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Também publicamos as justificativas dos arquivamentos dos casos considerados frágeis pelos procuradores, como as citações envolvendo os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Delcídio do Amaral (PT-MS) e o ex-deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

Baseados nas delações premiadas do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef, principal operador do esquema, os pedidos narram suspeitas que, a partir de agora, serão investigadas. Ainda não há acusação formal contra nenhuma das 49 pessoas que serão investigadas. Entre elas, 47 políticos (12 senadores, 22 deputados, uma ex-governadora e 12 ex-deputados), o tesoureiro do PT e um lobista apontado como intermediário do PMDB no esquema. O STF também arquivou casos contra sete políticos por falta de indícios de prática de crime, conforme recomendação da Procuradoria-Geral da República.

Paulo Roberto contou que agia para beneficiar políticos do PP, responsáveis por sua indicação, e do PMDB, que o ajudaram a se manter no cargo. Mas contou que também prestou serviços para políticos do PT. Os ex-diretores Nestor Cerveró, apontado como peça-chave na parte do esquema que envolve o PMDB, e Renato Duque, citado como operador do PT, não aceitaram a delação premiada, mecanismo que prevê a redução da pena em troca da colaboração efetiva com as investigações. Os dois negam participação no esquema.

Clique no inquérito ou petição para ler a investigação:

Inquérito 3883 – lavagem de dinheiro
Fernando Collor (PTB-AL) – senador

Inquérito 3963
Antonio Anastasia (PSDB-MG) – senador

Petição 5252corrupção e lavagem de dinheiro
Edison Lobão (PMDB-MA) – senador
Roseana Sarney (PMDB-MA) – ex-governadora

Petição 5254 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Aníbal Gomes (PMDB-CE) – deputado
Renan Calheiros (PMDB-AL) – presidente do Senado

Petição 5255 corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Edison Lobão (PMDB-MA) – senador, ex-ministro

Petição 5256 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Humberto Costa (PT-PE) – senador

Petição 5257 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Gleisi Hoffmann (PT-PR) – senadora

Petição 5258 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Lindbergh Farias (PT-RJ) – senador

Petições 5260, 5276, 5277, 5279, 5281, 5289 e 5293 – quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Afonso Hamm (PP-RS) – deputado
Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) – deputado e ex-ministro das Cidades
Aline Corrêa (PP-SP) – ex-deputada
Aníbal Gomes (PMDB-CE) – deputado
Arthur Lira (PP-AL) – deputado
Carlos Magno (PP-RO) – ex-deputado
Ciro Nogueira (PP-PI) – senador
Dilceu Sperafico (PP-PR) – deputado
Eduardo da Fonte (PP-PE) – deputado
Fernando Antônio Falcão Soares – apontado como operador do PMDB no esquema
Gladson Cameli (PP-AC) – senador
Jerônimo Goergen (PP-RS) – deputado
João Pizzolatti (PP-SC) – ex-deputado
João Leão (PP-BA) – ex-deputado, é vice-governador da Bahia
João Vaccari Neto – tesoureiro do PT
José Linhares (PP-CE) – ex-deputado
José Otávio Germano (PP-RS) – deputado
Lázaro Botelho (PP-TO) – deputado
Luiz Argôlo (SD-BA) – ex-deputado
Luiz Carlos Heinze (PP-RS) – deputado
Luiz Fernando Faria (PP-MG) – deputado
Mário Negromonte (PP-BA) – ex-deputado, é conselheiro do TCM-BA
Missionário José Olímpio (PP-SP) – deputado
Nelson Meurer (PP-PR) – deputado
Pedro Corrêa (PP-PE) – ex-deputado, cumpre pena do mensalão
Pedro Henry (PP-MT) – ex-deputado, cumpre pena do mensalão
Renan Calheiros (PMDB-AL) – presidente do Senado
Renato Molling (PP-RS) – deputado
Roberto Balestra (PP-GO) – deputado
Roberto Britto (PP-BA) – deputado
Roberto Teixeira (PP-PE) – ex-deputado
Romero Jucá (PMDB-RR) – senador
Sandes Junior (PP-GO) – deputado
Simão Sessim (PP-RJ) – deputado
Valdir Raupp (PMDB-RO) – senador
Vilson Covatti (PP-RS) – ex-deputado
Waldir Maranhão (PP-MA) – deputado

Petições 5261 e 5288 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Eduardo da Fonte (PP-PE) – deputado

Petição 5262 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Valdir Raupp (PMDB-RO) – senador

Petição 5264 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Vander Loubet (PT-MS) – deputado
Cândido Vaccarezza (PT-SP) – ex-deputado

Petição 5265 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
José Otávio Germano (PP-RS) – deputado

Petições 5266 e 5294 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Nelson Meurer (PP-RS) – deputado

Petição 5267 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
João Pizzoatti (PP-SC) – deputado

Petições 5268 e 5285 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Arthur de Lira (PP-AL) – deputado
Benedito Lira (PP-AL) – senador

Petição 5269 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Simão Sessim (PP-RJ) – deputado

Petição 5274 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Aníbal Gomes (PMDB-CE) – deputado
Renan Calheiros (PMDB-AL) – presidente do Senado

Petição 5278 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – presidente da Câmara

Petição 5280 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
João Pizzolatti (PP-SC) – ex-deputado

Petição 5282 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
José Mentor (PT-SP) – deputado

Petição 5284 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Arthur Lira (PP-AL) – deputado
Benedito de Lira (PP-AL) – senador

Petição 5290 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
João Pizzolatti (PP-SC) – deputado

Petição 5291 – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
João Pizzolatti (PP-SC) – ex-deputado
Roberto Teixeira (PP-PE) – ex-deputado

Remetidos à Justiça Federal

Petição 5263
Antonio Palocci (PT-SP) – ex-ministro e ex-deputado

Petição 5273
Cândido Vaccarezza (PT-SP) – ex-deputado

Petição 5286
João Pizzolatti (PP-SC) e Pedro Corrêa (PP-PE) – corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Protocolo 34996
Cândido Vaccarezza (PT-SP)

Casos arquivados

Petição 5253
Delcídio do Amaral (PT-MS) – senador

Petição 5259
Romero Jucá (PMDB-RR) – senador

Petições 5261 e 5288
Ciro Nogueira (PP-PI) – senador
Observação: investigações continuam em relação ao deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), arrolado nas mesmas petições

Petição 5271
Alexandre Santos (PMDB-RJ) – ex-deputado

Petição 5272
Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) – ex-deputado e ex-presidente da Câmara

Petição 5283
Aécio Neves (PSDB-MG) – senador, ex-candidato à Presidência da República

Petição 5287 (arquivado e remessa dos autos ao STJ) – corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) – deputado
Ciro Nogueira (PP-PI) – senador

Mais sobre a Operação Lava Jato

Deixe um comentário