Marinor: “Peluso privilegiou um corrupto”

Por Fábio Góis – congressoemfoco.com.br

A senadora disse ter estranhado o fato de o presidente do STF, César Peluso, ter decidido “unilateralmente” em favor de Jader Barbalho, em um primeiro momento tornado inelegível com base na Lei da Ficha Limpa, parlamentares do PMDB foram ao tribunal interceder em favor de Jader.

Federal (STF) autorizou a posse de Jader Barbalho (PMDB-PA) no Senado, a senadora Marinor Brito (Psol-PA), que deverá deixar a vaga com a decisão, disse que vai estudar qual a melhor forma de recorrer da sentença, anunciada hoje em caráter monocrático pelo presidente da corte, César Peluso. Depois de se reunir em seu gabinete com parlamentares de seu partido e equipe jurídica, Marinor se dirigiu ao plenário para pronunciamento na tribuna. Antes, parou para falar à imprensa, quando disse que o magistrado havia “privilegiado um corrupto”, por “pressão pesada do PMDB”.
 
“É um momento muito triste para a vida política do povo brasileiro. Mas estou aqui de cabeça erguida, e vou exercer meu direito como parlamentar, como senadora da República”, disse Marinor. “Ele recebeu uma pressão pesada do PMDB, e privilegiou um político corrupto. É um golpe antecipado na Lei da Ficha Limpa e a responsabilidade é do ministro do Supremo Tribunal Federal, o senhor César Peluso”, esbravejou a parlamentar paraense.
 
Marinor se disse desconfiada das movimentações do PMDB junto ao STF. O Congresso em Foco apurou que os líderes do PMDB no Senado e na Câmara, respectivamente Renan Calheiros (AL) e Henrique Eduardo Alves (RN), além do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e do presidente nacional interino do PMDB, Valdir Raupp (RO), estiveram ontem (terça, 13) na corte e se reuniram com Peluso.
 
“Ele [Jader] foi um dos poucos que escaparam, está entre os 30% que conseguiram pular essa fogueira. É uma demonstração de que o poder político é grande, o poder econômico é grande”, arrematou a senadora, para que um parlamentar com o “perfil” de Jader “não é só ruim para o povo paraense, mas também para o povo brasileiro”. Depois das declarações, Marinor adentrou o plenário na companhia, entre outros, dos deputados Ivan Valente (SP), presidente nacional do Psol, Chico Alencar (Psol-RJ) e Jean Wyllys (Psol-RJ).
 
No plenário, Marinor voltou a fazer duros ataques à decisão de Peluso, a exemplo do que já havia feito na decisão anunciada pela corte em março, depois de proclamado o voto do então recém-empossado ministro Luiz Fux contra a aplicabilidade da Ficha Limpa já para 2010.
 
“Os ministros [do STF] foram surpreendidos com a consulta do presidente [Peluso] sobre a manutenção ou não dos votos anteriormente declarados. E, imediatamente, tomando uma atitude bem diferente de como se tem comportado a Justiça brasileira, ele tomou a decisão de desempatar. Não existe registro, na história recente deste país, de que um presidente do Supremo tenha usado o direito regimental – é fato – para desempatar em nenhum caso polêmico decidido naquela corte”, reclamou a senadora, em discurso de quase uma hora em que recebeu solidariedade e foi elogiada por diversos senadores – nenhum do PMDB.
 
Juridiquês
 
Na decisão de hoje, Peluso reviu seu posicionamento: por causa do empate no julgamento anterior sobre a Lei da Ficha Limpa, ele havia decidido suspender a análise do recurso de Jader até a posse da nova ministra, Rosa Maria Weber. A nova decisão do ministro antecedeu o julgamento do recurso apresentado pelo terceiro colocado, Paulo Rocha (PT-PA), cuja candidatura também foi indeferida com base na nova legislação. O item estava na pauta de hoje do Supremo. Rocha e Jader foram barrados pelo mesmo motivo: os dois renunciaram ao mandato no Congresso para escapar do processo de cassação.
 
Em entrevista ao Congresso em Foco, o advogado do Psol, André Maimoni, que representará Marinor, disse que não. “O recurso de Paulo Rocha tem problemas formais, ele sequer poderia ter sido recebido. Eu pergunto: quem não recorre de alguma coisa pode ter o direito dado a ele? Não pode! Essa aplicação da Ficha Limpa não pode ter aplicação linear, mas para casos específicos. E, para o caso de Jader Barbalho, já foi dito pelo próprio Supremo que a ‘alínea k’ seria aplicada às eleições de 2010”, explicou André, referindo-se a dispositivo da nova legislação referente à renúncia para evitar cassação.
 
“Foi uma precipitação [de Peluso]. Havia um entendimento anterior de que [os ministros do STF] aguardariam a nomeação da nova ministra. Eles não aguardaram essa nomeação, usaram um expediente absolutamente excepcional, que no nosso entender sequer poderia ter sido aplicado ao caso. Até mesmo em virtude da polêmica da situação, que é o voto de qualidade do ministro-presidente. É isso que nos causa estranheza: um processo que não estava pautado e foi resolvido a toque de caixa”, acrescentou o advogado, para quem o recurso a ser impetrado às vésperas do recesso do Judiciário vai trazer dificuldades ao pleito da senadora.
 
Já o deputado Chico Alencar disse que a decisão de Peluso é “muito errada”, “um desempate que foi um gol contra os interesses públicos, contra o povo brasileira e a boa política”. “Jader Barbalho aqui significa agregação de mediocridade política ao Senado Federal. O Senado sofre um grande baque na qualidade da sua própria constituição”, declarou o parlamentar fluminense, para quem a nova reunião de Renan, Jucá e Jader sob a presidência de José Sarney (PMDB-AP) “deteriora” a política brasileira.

Deixe um comentário