Arquivo de Março de 2014

Impacto do aquecimento global será ‘grave e irreversível’, diz ONU

segunda-feira, 31 de Março de 2014

Congresso pode criar esta semana comissão para investigar denúncias na Petrobras

segunda-feira, 31 de Março de 2014

plenario_vazioEnquanto a oposição se reúne para tentar um acordo que viabilize de vez a criação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito para investigar denúncias envolvendo a Petrobras e quer manter ou engrossar o número de apoiadores à iniciativa, o PT concentra esforços para enfraquecer o movimento e tentar convencer senadores que assinaram o pedido de criação da CPI a voltar atrás.

Congresso pode criar esta semana comissão para investigar denúncias na Petrobras

segunda-feira, 31 de Março de 2014
.   
Karine Melo e Carolina Gonçalves Repórteres da Agência Brasil                     Edição: Valéria Aguiar          

Com várias reuniões previstas, terça-feira (1º) deve ser um dia decisivo no Congresso Nacional. Enquanto a oposição se reúne para tentar um acordo que viabilize de vez a criação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar denúncias envolvendo a Petrobras e quer manter ou engrossar o número de apoiadores à iniciativa, o PT concentra esforços para enfraquecer o movimento e tentar convencer senadores que assinaram o pedido de criação da CPI a voltar atrás.

“Estamos trabalhando na perspectiva de que a CPI não se instale. Vamos ver se é possível que pessoas que não estejam plenamente esclarecidas, quanto ao andamento das investigações que já acontecem, possam reavaliar o posicionamento”, disse à Agência Brasil o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE).

Os líderes governistas estão empenhados em identificar que razões estão por trás das assinaturas de membros da base no pedido de investigação. “O fato de alguém não assinar a CPI não quer dizer conveniência com a imunidade, as investigações mais sérias já estão em andamento”, reforçou Costa.

Paralelamente ao fato da instalação de uma comissão mista ou não se confirmar, na Câmara e no Senado o partido do governo está pronto, para pelo menos, ampliar a pauta para que também sejam apuradas denúncias envolvendo nomes ligados a outras legendas.

“Estou pensando muito em propor na segunda-feira (31) ou terça-feira (1º) à nossa base aliada para que a gente apoie a CPI, ampliando o seu objeto, com um adendo, para que possa também investigar a situação da Alstom no metrô de São Paulo”, adiantou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) na quinta-feira (27).

O líder do PT na Câmara, Vicentinho (SP), foi além e incluiu no rol citado pela ex-ministra da Casa Civil, denúncias envolvendo o Porto de Suape (PE) e a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig).

” Essa seria uma manobra aloprada que não tem qualquer respaldo no Regimento Interno (do Senado). É uma tentativa de não investigar a Petrobras, se quiserem fazer outra CPI, que façam!”, criticou o líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes (SP), acrescentando que não acredita que o presidente da Casa, Renan Calheiros vai avalizar essa possibilidade.

De acordo com a Secretaria-Geral da Mesa do Senado com base numa decisão do Supremo Tribunal Federal – que, em 2007, permitiu a ampliação do objeto de investigação da CPI dos Correios – é possível estender o motivo da criação da comissão. Basta que os parlamentares recolham o número mínimo de assinaturas exigidas para uma CPI – 27 senadores e 171 deputados – em um requerimento solicitando a ampliação do objeto.

Para o PT, a estratégia pode diluir qualquer resquício de caráter eleitoreiro nas investigações. A fala dos líderes do partido é a de que, diferentemente dos casos envolvendo a administração tucana, o governo admite a possibilidade de erros na condução de negócios da Petobras, como na aquisição da refinaria de Pasadena, no Texas, pela estatal brasileira, mas não aceita que o rótulo de corrupção seja atribuído aos episódios.

Caso não consigam sequer a ampliação das investigações, o PT estuda criar uma outra comissão parlamentar de inquérito para tratar das denúncias envolvendo outras legendas. Diante dessa possibilidade, os parlamentares garantem que não é uma estratégia do troco, mas uma forma de “passar o Brasil a limpo”.

O senador Pedro Taques (PDT-MT) também é contra ampliação do escopo da CPI. ” A Constituição é expressa quando diz que para criação de CPI precisa haver um fato determinado. Que relação tem o metrô de São Paulo e a Cemig, por exemplo, com a Petrobras? Desse jeito nós vamos poder investigar nessa CPI a invasão russa na Crimeia. Isso é pra enrolar, é pra dar em nada”, afirmou. Taques disse ainda que se a base do governo propuser investigar outros casos uma comissão separada vai apoiar a investigação.

Doenças cardíacas: a revanche da manteiga

segunda-feira, 31 de Março de 2014

timthumbAqueles que administram minuciosamente suas dietas em vez de seguir as razoáveis regras práticas de Michael Pollan (coma comida, não muito e priorize os vegetais) podem se sentir confusos com os resultados de um artigo que acaba de ser publicado no periódico Annals of Internal Medicine.

Doenças cardíacas: a revanche da manteiga

segunda-feira, 31 de Março de 2014

.

Aqueles que administram minuciosamente suas dietas em vez de seguir as razoáveis regras práticas de Michael Pollan (coma comida, não muito e priorize os vegetais) podem se sentir confusos com os resultados de um artigo que acaba de ser publicado no periódico Annals of Internal Medicine.

Ele descreve uma meta-análise (uma técnica que usa estudos como pontos de dados únicos para uma análise estatística) de 72 pesquisas que envolveram mais de 600 mil pessoas. Algumas delas coletaram dados sobre o que as pessoas comeram, ou disseram que comeram. Algumas mediram os níveis de diversos tipos de gordura que circulavam no sistema sanguíneo das pessoas. Algumas fizeram ambas as coisas. Todas tentaram observar relações entre níveis e tipos de gordura no sangue e a saúde cardíaca das pessoas. A meta-análise chegou a conclusões que soarão contra-intuitivas para muitos.

Apesar de encontrar alguma relação entre a gordura trans e problemas cardíacos, outras crenças sobre os males da gordura saturada frente à gordura insaturada, no entanto, não foram confirmadas.

Não foram encontradas, por exemplo, evidências de que ingerir gordura saturada ou ter altos níveis de ácidos graxos saturados (produto da digestão de tais gorduras) circulando no sangue tenha qualquer efeito relacionado a doenças cardíacas. Assim como não se verificou que ácidos graxos e ômega 3, os atuais queridinhos da alimentação saudável, protejam contra doenças cardíacas.

Ter uma dieta relativamente espartana, com ingredientes variados, aliada à prática de exercícios moderados ainda parece a maneira mais segura de garantir uma vida saudável. Chowdhury e seus colegas não estão sugerindo que a quantidade de gordura ingerida não impacta os riscos de infarto. O que a pesquisa deles sugere é que, salvo as gorduras trans, o tipo de gordura pode não fazer tanta diferença.

Coreias do Norte e do Sul trocam disparos

segunda-feira, 31 de Março de 2014

timthumbAs autoridades sul-coreanas afirmaram que trocaram disparos com a Coreia do Norte. As mais de cem rodadas de artilharia disparadas pelo Norte seriam uma resposta à condenação da ONU aos lançamentos de foguetes por Pyongyang na última semana  e contra os exercícios militares de forças norte-americanas na Coreia do Sul.

Coreias do Norte e do Sul trocam disparos

segunda-feira, 31 de Março de 2014

timthumbAutoridades sul-coreanas afirmaram nesta segunda-feira, 31, que trocaram disparos com a Coreia do Norte. As mais de cem rodadas de artilharia disparadas pelo Norte seriam uma resposta à condenação da ONU aos lançamentos de foguetes por Pyongyang na última semana  e contra os exercícios militares de forças norte-americanas na Coreia do Sul.

A Coreia do Sul também acionou caças F-15 do seu lado da fronteira. “Acreditamos que os disparos marítimos do Norte são uma provocação planejada e uma tentativa de testar a determinação de nossas Forças Armadas em defender a Linha Limite do Norte e de obter uma vantagem nas relações Sul-Norte”, disse um porta-voz do Ministério da Defesa sul-coreano.

Fontes:Reuters – Coreias do Norte e do Sul trocam disparos de artilharia no mar, diz Seul

Estudo denuncia ilegalidades no leilão do pré-sal

domingo, 30 de Março de 2014

petr.jpegEstudo da Consultoria Legislativa da Câmara acusa a Agência Nacional do Petróleo e demais organizadores do leilão de Libra, o maior campo do pré-sal descoberto no país, de agirem ilegalmente, em prejuízo dos cofres públicos e em benefício da empresas petrolíferas.

Estudo denuncia ilegalidades no leilão do pré-sal

domingo, 30 de Março de 2014

 

.

petr.jpegEstudo da Consultoria Legislativa da Câmara acusa a Agência Nacional do Petróleo e demais organizadores do leilão de Libra, o maior campo do pré-sal descoberto no país, de agirem ilegalmente, em prejuízo dos cofres públicos e em benefício da empresas petrolíferas. Pelas regras, o governo assumirá os riscos do negócio ao ter sua rentabilidade reduzida a níveis abaixo dos permitidos pela lei, porque os ganhos foram condicionados à produtividade dos poços e à cotação do petróleo. Isso poderá baixar o índice de recursos para o Estado a até 9,93%. Para o autor do estudo, um ex-engenheiro da Petrobras e o deputado André Figueiredo (PDT-CE), um dos principais negociadores do projeto que aumentou o repasse dos royalties para a educação e a saúde, o percentual mínimo deveria ser de 60%. Uma ação popular para barrar a disputa e que questiona os mesmo problemas ainda está à espera de julgamento da Justiça Federal do Rio. Na quinta-feira (27), ela chegou ao gabinete do juiz Marcelo Guerreiro.

A gestão do governo à frente da Petrobras, a maneira como executa os negócios do petróleo e suspeitas de corrupção são os principais ingredientes da CPI a ser instalada no Congresso esta semana. O governo não conseguiu impedir as retiradas das assinaturas da oposição e nesta semana deve batalhar para ampliar o foco de denúncias a serem apuradas pela comissão de inquérito.

De acordo com o estudo da Consultoria Legislativa, o leilão de Libra jogou os riscos da exploração do petróleo para o governo, ou seja, para o contribuinte, apesar de isso ser proibido pelas leis brasileiras. Os empresários ganharam o direito de explorar as riquezas com lucros maximizados. “O edital da licitação (…) não atende ao interesse público e contém uma série de ilegalidades. A principal delas é transferir o risco da baixa produtividade e do baixo preço do petróleo para o Estado brasileiro”, diz no documento consultor legislativo Paulo César Ribeiro Lima, que foi engenheiro na Petrobras por 17 anos.

 

O texto ainda inédito, mas revelado pelo Congresso em Foco a partir do mês passado, mostra também que as receitas do petróleo atingirão R$ 5,5 trilhões no período entre 2013 e 2030. Porém, menos de 7% irá financiar a educação. Só 2,2% irão para a saúde. A maior parte, 72% ou R$ 4 trilhões, vai para o caixa de empresas petrolíferas, como a Shell, Total, BP e a própria Petrobrás, que tem mais da metade do capital nas nãos da iniciativa privada.

 

As regras do edital de Libra diziam que a participação máxima no campo só poderá chegar a 45,56%. Mas isso só vai acontecer se houver uma combinação de alta produtividade com alta nos preços do petróleo. Caso contrário, a parcela poderá cair para até 9%.

 

Paulo Lima afirma que o normal da indústria petrolífera é que empresas e governo busquem aumentar a produtividade dos campos para aumentarem seus lucros. Mas, pelas regras de partilha acertadas no campo de Libra, há um estímulo para que a produtividade seja menor. “Quanto menor a produção do poço, menor a média da produção diária de petróleo do campo; quanto menor essa média, maior o percentual do excedente em óleo para o contratado”, critica o consultor no estudo.

Desistência

Havia a expectativa que várias empresas participassem do leilão de Libra, o maior campo de petróleo já descoberto no Brasil. Mas, estranhamente, quase todas desistiram nas últimas horas da disputa. O leilão teve apenas um único consórcio, formado por Petrobrás, Shell, Total e as chinesas CNOOC e CNPC. O deputado André Figueiredo critica o texto e lembra que reclamou com a presidenta Dilma Rousseff, durante a tramitação do projeto que originou a Lei 12.858/13, que repassa mais recursos do petróleo para a educação. “É algo muito ruim o edital. Eu disse à presidente Dilma que fazíamos um acordo porque o edital já tinha saído, mas sem compromisso futuro, porque entendemos que o excedente não pode ser menor que 60%”, disse o deputado.

 

Figueiredo afirma que o Ministério das Minas e Energia (MME) e a Agência Nacional do Petróleo (ANP) defendem “os interesses de empresas” concessionárias do setor. Em nota ao Congresso em Foco, o Ministério das Minas e Energia afirmou trabalhar em prol do país. “O MME tem buscado cumprir sua função institucional no intuito de fortalecer a indústria petrolífera no País, e dessa forma, permitir que as participações governamentais sejam utilizadas para a finalidade estabelecida em lei, dentre as quais estão as áreas de educação e saúde”, informou a assessoria de imprensa.

 

No contrato de Libra, o governo ganhou das empresas o chamado “bônus de assinatura”, no valor de R$ 15 bilhões. Mas, apesar de parte desse valor ter de ser destinado à saúde e à educação, tudo foi usado para cumprir o pagamento de juros, segundo Figueiredo. Ele afirma que uma decisão do Tesouro Nacional carreou os bilhões para a formação do chamado superávit primário, economia feita pelo governo para pagar juros da dívida pública.

Sem comparação

De acordo com o estudo de Paulo César Lima, paradoxalmente, o contrato de libra vai incentivar as empresas a produzirem menos para ganharem mais, optando até por poços verticais, em vez de inclinados ou “horizontais”, cuja produtividade é maior. Ele afirma que nenhum país reduz a parcela de seus rendimentos com base nos critérios criados pela ANP para o maior campo petrolífero do país. “Não foi identificado sequer um país que adote a produção média dos poços como uma das variáveis para determinação da repartição do excedente em óleo entre o governo e o contratado”, afirmou o consultor.

 

Além disso, a lei 12.351/2010 diz que o percentual mínimo para o Estado -e, indiretamente, para a educação e a saúde – não pode ser inferior a 40%, ao contrário do que previu o edital de Libra. Só isso, diz o consultor, deveria “determinar o cancelamento” do leilão. Em entrevista ao Congresso em Foco, Paulo Lima diz que a mesma lei ainda proíbe o estado de assumir riscos pela exploração do petróleo.  Diz o artigo 2º que a partilha é o regime em que a empresa petroleira contratada exerce, “por sua conta e risco, as atividades de exploração, avaliação, desenvolvimento e produção” do óleo.

 

Esses problemas foi alguns que motivaram o ex-diretor de Gás e Energia da Petrobras Ildo Sauer e o doutor em Direito Fábio Konder Comparato a abrirem, no ano passado, uma ação popular para impedir o leilão, que acabou ocorrendo em 21 de outubro passado. Apesar de reconhecer argumentos baseados em “firmes razões”, a Justiça Federal de São Paulo deixou de suspender liminarmente a disputa porque seria preciso compreender temas “técnicos e complexos” antes de decidir.  O caso, que ainda não foi julgado em definitivo, acabou transferido para o Rio de Janeiro. Desde quinta-feira passada (27), a ação popular está no gabinete do juiz,  Marcelo da Fonseca Guerreiro, da 30ª Vara Federal do Rio, que vai decidir sobre o caso agora.

Sem ilegalidade

A assessoria da ANP negou quaisquer ilegalidades no leilão de Libra. Afirmou que a disputa foi legítima até pelo fato de ter sido atacada, ao todo, por 28 ações judiciais para suspender a concorrência, mas que, ao menos de imediato, não prosperaram. “Grande indicativo da legalidade do processo”, avaliou a agência.

 

Na opinião da ANP, atrelar a partilha de óleo à produtividade e à cotação dos preços é, na verdade, um mecanismo de “proteção do Estado”, que pode elevar a participação da União. Esse mecanismo pode elevar a um máximo de 45,56%.  De acordo com a agência, a redução da partilha para o Estado em períodos menos produtivos “prolonga o prazo de operação do empreendimento” e maximiza “a geração de empregos e renda”.

A agência nega que a participação em Libra seja baixa. Para isso, inclui no cálculo não só os recursos do petróleo, mas também itens  como o pagamento de imposto de renda e participação da Petrobras, que tem menos de 50% de seu capital controlado pelo Estado. “As estimativas apontam que, para os parâmetros da oferta vencedora, o patamar de participação governamental atinge cerca de 80% (considerando royalties, partilha, bônus de assinatura, participação da Petrobras e imposto de renda)”, disse a assessoria da ANP. A agência diz que “a grande maioria dos campos” hoje não atinge a marca dos 60%.

Petróleo vai render R$ 5,5 trilhões, mas só 7% para a educação

Veja a íntegra dos esclarecimentos do ministério e da ANP
Petróleo vai render R$ 5,5 trilhões, mas só 7% para a educação
Mais sobre Petrobras

 

Por Eduardo Militão – congressoemfoco.com.br

 

 

Ministro admite pedir economia à população para que não falte luz na Copa

sábado, 29 de Março de 2014

lobãoAo contrário do que pregou nos últimos meses, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, em entrevista ao jornal The Wall Street Journal, ele admitiu, pela primeira vez, a hipótese de o governo lançar uma campanha de eficiência energética para encorajar a população a reduzir, voluntariamente, o consumo de energia elétrica.

Ministro admite pedir economia à população para que não falte luz na Copa

sábado, 29 de Março de 2014

.

Em entrevista a “The Wall Street Journal”, Lobão descarta racionamento, mas diz: hidrelétricas podem ter nível comprometido se chuva não aumentar

Ao contrário do que pregou nos últimos meses, em que garantia risco zero de faltar energia no país, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, mudou o discurso. Em entrevista ao jornal The Wall Street Journal, ele admitiu, pela primeira vez, a hipótese de o governo lançar uma campanha de eficiência energética para encorajar a população a reduzir, voluntariamente, o consumo de energia elétrica. A medida pode ajudar a garantir que não exista quaisquer cortes durante a Copa do Mundo.

Segundo ele, se as chuvas não aumentarem em abril ou maio, os reservatórios das hidrelétricas podem ficar comprometidos. O ministro disse que não deve haver nenhum racionamento de energia, o que poderia ser uma dor de cabeça para a presidente Dilma Rousseff em um ano em que o Brasil sedia a Copa do Mundo e ela disputa a reeleição.

“Não estamos trabalhando com a hipótese de racionamento de energia”, disse Lobão. “Temos a convicção de que isso não será necessário.” No final do mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso, em 2001, o governo foi obrigado a decretar um racionamento de energia por causa do baixo nível dos reservatórios. O programa previa multa aos clientes que não cumprissem a meta de redução de consumo – uma medida que foi bastante impopular. “Não estamos planejando cobrar mais das pessoas que não economizarem energia”, disse Lobão. “Não vamos repetir o que ocorreu em 2001.”

O Brasil enfrenta uma das secas mais severas em décadas e alguns analistas acreditam que é grande a chance de um racionamento neste ano, talvez até mesmo nos meses de junho e julho, quando ocorre a Copa do Mundo. Para evitar problemas durante os jogos do Mundial, o governo instalou duas subestações de energia elétrica em cada um dos doze estádios que receberão os jogos, informou Lobão, destacando que não há risco de apagões durante o torneio.

O ministro disse ainda que a demanda de energia não deve atingir picos durante a Copa do Mundo porque empresas e fábricas devem paralisar suas atividades nos horários dos jogos. Alguns analistas sugerem que o governo está atrasado e que deveria tomar medidas mais cedo, em vez de esperar por abril ou maio. Lobão disse, no entanto, que o governo não quer começar um programa de eficiência energética até que seja absolutamente necessário, para evitar a propagação do medo de escassez real de energia. Agir agora “poderia ser entendido como o despertar do racionamento”, disse o ministro.

Lobão afirmou também que o governo optou por não elevar os preços da energia neste ano porque não se sabe quanto de dinheiro extra será necessário para cobrir os custos da ligação das térmicas. O ministro negou que a decisão de não ajustar as contas teve caráter político e disse que os valores terão de subir em 2015.

Fonte: Instituto Milleniun

Gastos do governo para pagar juros somam R$ 248,9 bilhões

sábado, 29 de Março de 2014

juros.jpegEm 2013, foram gastos com juros pelo setor  público nada menos que R$ 248,856 bilhões (5,18% do PIB), o maior volume de todos os tempos, representando 16,36% a mais do que ano no anterior (R$ 213,863 bilhões), segundo relatório do Banco Central divulgado no dia 31/01.

Gastos do governo para pagar juros somam R$ 248,9 bilhões

sábado, 29 de Março de 2014

.

Em 2013, foram gastos com juros pelo setor  público nada menos que R$ 248,856 bilhões (5,18% do PIB), o maior volume de todos os tempos, representando 16,36% a mais do que ano no anterior (R$ 213,863 bilhões), segundo relatório do Banco Central divulgado no dia 31/01. O pior é que essa escalada no gastos com juros, isto é, de transferir imensos recursos para rechear os cofres dos bancos, se dá pela ação direta do próprio governo federal, que é quem, através do BC, determina a taxa básica de juros.

Assim é que, apenas no passado, foram feitos seis sucessivos aumentos, a partir de abril, quando a Selic foi aumentada para 7,25% ao ano, chegando novembro, na última reunião do ano do Comitê Política Monetária (Copom) do BC, a 10% – e já começou 2014 com mais um aumento de 0,5 ponto percentual, passando para 10,5%.

É só comparar, por exemplo, com o que foi gasto com Saúde e Educação, para ver que o governo usa dois pesos e duas medidas. Enquanto R$ 248,856 bilhões foram direcionados para os bancos, para despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE) foram aplicados R$ 53,890 bilhões. Já para as Ações e Serviços Públicos de Saúde (ASPS), R$ 83,053 bilhões. Ou seja, para Saúde e Educação as despesas executadas somaram R$ 136,943 bilhões, o que significa R$ 111,913 bilhões a menos do que foi para o ralo dos juros. Os números sobre Saúde e Educação foram retirados do “Relatório Resumido da Execução Orçamentária da União – Sintético”, do Tesouro Nacional, de dezembro de 2013.

O resultado desse arrocho geral – Orçamento da União e estados e municípios –, obviamente, é o corte nas ações do governo, nos três níveis, em melhorar o atendimento da população, isto é, o dinheiro que falta para Saúde, Educação, Transporte etc. sobra para os bancos. Além disso, juro alto é totalmente incompatível com uma política de crescimento. Aumenta os custos das empresas, trava o investimento, desequilibra o câmbio, subsidiando as importações. Isso tudo sem afetar em nada o combate à inflação, pretexto usual para jogar o juro à estratosfera.

No entanto, a consequência para a indústria é um desastre total. Combinada com a crescente desnacionalização e a preferência dada às multinacionais e meia dúzia de empresas nacionais nos financiamentos do BNDES, a alta dos juros jogou a produção industrial no chão, em especial a indústria de transformação, o setor mais dinâmico da economia. Na avaliação do presidente do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), Pedro Luiz Passos, “a indústria brasileira obteve em 2013 o melhor resultado dos últimos três anos, mas esse não é um feito que mereça comemoração. Primeiro, o crescimento foi baixo, próximo a 1,5%, incapaz de compensar a queda de produção superior a 2% no acumulado dos dois anos anteriores. Segundo, mesmo essa tênue recuperação foi limitada, pois apoiada em apenas 2 dos 27 ramos pesquisados pelo IBGE, veículos automotores e máquinas e equipamentos – justamente os que contaram com incentivos do governo sob a forma de juros menores nos bancos oficiais ou reduções de impostos”.

O principal meio para desviar essa dinheirama para o gasto com juros é o chamado superávit primário. Para garantir o intocável dinheiro dos bancos valer tudo, inclusive investir contra o seguro-desemprego, o auxílio-doença e invalidez, contanto que se mantenha intacto o dinheiro dos bancos. Para ficar apenas em dois exemplos, em 2013, o Bradesco teve um lucro líquido de R$ 12,011 bilhões e o Santander, de R$ 5,744 bilhões.

E assim iniciamos o ano com estimativa (otimista) de um PIB em torno de 2% para 2013 e nesse mesmo patamar para 2014. Muito pouco após os 2,7% de 2011 e 1% de 2012. Principalmente para um governo que iniciou com uma promessa de um crescimento médio de 5%. Só que resolveu enveredar pelo mesmo caminho que já tinha dado com os burros n’água, sob a administração tucana, e o governo Dilma resolveu copiar.

Por Valdo Albuquerque – http://www.horadopovo.com.br/

Setor público tem superávit de R$ 2,13 bi em fevereiro

sábado, 29 de Março de 2014

cedulas-dinheiro-casa-da-moeda-brasil-20120913-02-size-598O setor público consolidado apresentou superávit primário de 2,13 bilhões de reais em fevereiro, graças à economia feita pelos Estados e municípios. O esforço fiscal de fevereiro foi composto por um déficit de 3,39 bilhões de reais do Governo Central (Tesouro, Banco Central e Previdência Social), anunciado na quinta.

Setor público tem superávit de R$ 2,13 bi em fevereiro

sábado, 29 de Março de 2014

.

Fonte: Contas Abertas

cedulas-dinheiro-casa-da-moeda-brasil-20120913-02-size-598O setor público consolidado apresentou superávit primário de 2,13 bilhões de reais em fevereiro, graças à economia feita pelos Estados e municípios. O esforço fiscal de fevereiro foi composto por um déficit de 3,39 bilhões de reais do Governo Central (Tesouro, Banco Central e Previdência Social), anunciado na quinta. O dado negativo foi neutralizado pelo saldo acumulado pelos governos regionais (Estados e municípios), que contribuíram com superávit de 5,47 bilhões de reais no mês.

Enquanto os Estados registraram um superávit de 4,11 bilhões de reais, os municípios tiveram também um superávit de 1,36 bilhão de reais. Já as empresas estatais registraram superávit primário de 52 milhões de reais.

O superávit primário consolidado de fevereiro ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado, que iam de déficit primário de 1,5 bilhão de reais a um superávit de 2,5 bilhões de reais e mediana de zero.

Apesar do dado positivo, o número veio bastante abaixo do resultado de janeiro, que ficou positivo em 19,92 bilhões de reais. Em fevereiro de 2013, houve superávit de 3,03 bilhões de reais.

Leia também: Rombo nas contas do governo em fevereiro chega a R$ 3 bilhões S&P rebaixa rating de 13 instituições financeiras brasileiras

No ano — O esforço fiscal do setor público caiu nos primeiros dois meses deste ano em relação ao mesmo período de 2013. As contas do setor público acumulam até fevereiro um superávit primário de 22,05 bilhões de reais, o equivalente a 2,73% do PIB. No mesmo período do ano passado, o superávit primário era maior: de 27,22 bilhões de reais ou 3,66% do PIB.

As contas do setor público acumulam um superávit primário de 86,14 bilhões de reais em doze meses até fevereiro, o equivalente a 1,76% do PIB. O esforço fiscal subiu em relação a janeiro, quando o superávit em doze meses estava em 1,66% do PIB ou 80,98 bilhões de reais. O superávit em doze meses está abaixo da estimativa do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de alcançar um saldo positivo de 1,9% ao final de 2014.

Dívida líquida — A dívida líquida do setor público subiu para 33,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em fevereiro, ante 33,1% em janeiro. Em dezembro de 2013, estava em 33,6% do PIB. A dívida do governo central, governos regionais e empresas estatais terminou o mês passado em 1,649 trilhão de reais, informou o Banco Central. A dívida bruta do governo geral encerrou o mês passado em 2,82 trilhões de reais, o que representou 57,5% do PIB. Em janeiro, essa relação estava em 58,1%.

Juros — O setor público consolidado gastou 11,65 bilhões de reais com juros em fevereiro, o que representa uma queda em relação ao gasto de 30,4 bilhões de reais registrado em janeiro deste ano e redução também ante os 20,25 bilhões de reais vistos em fevereiro de 2013.

O governo central teve no mês passado um gasto com juros de 6,73 bilhões de reais. Já os governos regionais registraram uma despesa de 4,73 bilhões de reais, e as empresas estatais tiveram gastos de 186 milhões de reais.

No acumulado do ano, o gasto com juros do setor público consolidado soma 42,05 bilhões de reais, o equivalente a 5,21% do PIB. No mesmo período do ano passado, o gasto com juros estava em 42,9 bilhões de reais ou 5,77% do PIB. Já nos doze meses encerrados em fevereiro, a despesa chega a 248 bilhões de reais ou 5,06% do PIB.

Leia ainda: Dívida pública atinge R$ 1,975 trilhão em fevereiro Brasil responde ‘de forma robusta’ a desafios, diz BC após rebaixamento

Livro revela os aspectos positivos do narcisismo

sábado, 29 de Março de 2014

tiEm 2013 a Oxford Dictionaries elegeu “selfie” a palavra do ano, a fim de celebrar a popularidade explosiva desse novo termo para o autorretrato, em geral tirado por um smartphone social. Como afirmam os anúncios de dois novos livros, a ascensão dessa forma de autopromoção foi generalizadamente compreendida como evidência de uma explosão de egoísmo ou egolatria.

Livro revela os aspectos positivos do narcisismo

sábado, 29 de Março de 2014

.

tiEm 2013 a Oxford Dictionaries elegeu “selfie” a palavra do ano, a fim de celebrar a popularidade explosiva desse novo termo para o autorretrato, em geral tirado por um smartphone e em seguida postado em uma rede social. Como afirmam os anúncios de dois novos livros, a ascensão dessa forma de autopromoção foi generalizadamente compreendida como evidência de uma explosão de egoísmo ou egolatria. Caso esse boom realmente exista, então se pode presumir que ele é uma recidiva do surto epidêmico de narcisismo diagnosticado pelos críticos nos anos 70 – “a década do eu”, conforme batizada pelo jornalista americano Tom Wolfe.

Em “The Americanization of Narcissism”, Elizabeth Lunbeck, historiadora da Vanderbilt University, em Nashville, Tennessee, explica como o narcisismo se tornou o “diagnóstico favorito dos analistas culturais”. Em 1979, quando o influente historiador Christopher Lasch publicou “The Culture of Narcissism”, muitos intelectuais americanos falavam o idioma da psicanálise como se essa fosse a sua língua materna. Havia uma audiência receptiva para a ideia freudiana de que a repressão do ódio a si mesmo poderia gerar indivíduos autocentrados, megalomaníacos e rasos, e para a ideia de que essa desordem de personalidade refletia de alguma maneira uma era rica e mimada.

Para Sigmund Freud, havia um tipo bom de narcisismo, pelo menos nos primeiros anos de vida, e um tipo ruim. Impulsos narcísicos – desejos voltados para a satisfação do eu – são componentes de um desenvolvimento saudável. Mas eles podem passar do ponto, resultando em excessos de amor próprio de vários tipos, e cada um deveria se livrar deles. Às vezes o panorama freudiano se torna deveras confuso. Homossexuais masculinos, Freud sugeriu em 1910, procuravam por parceiros parecidos consigo, por que um vínculo erótico exagerado às suas mães faz com que eles queiram amar seus parceiros do mesmo jeito que elas as amaram.

Conforme observa Lunbeck, os aspectos positivos do amor próprio foram negligenciados por Freud e seus seguidores mais influentes, os quais começaram a enxergar o narcisismo ruim por todos os lados. Nos anos 1930 alguns analistas tentaram limpar a imagem de um tipo “saudável” de narcisismo que, argumentavam, baseavam uma vida bem ajustada. Mas suas vozes foram soterradas por outros analistas, e pelas invectivas de críticos sociais que estavam tentando achar um arcabouço pseudocientífico para legitimar seus ataques à cultura do consumo.

 

Fontes:         The Economist-Know thy selfie

Quatro escândalos que mancharam a imagem da Petrobras

sábado, 29 de Março de 2014

timtA maré de escândalos em acordo firmados pela Petrobras está prejudicando a imagem da estatal, assim como a da presidente Dilma Rousseff em pleno ano eleitoral. Veja abaixo os quatro escândalos recentes envolvendo a maior empresa do Brasil.

Quatro escândalos que mancharam a imagem da Petrobras

sábado, 29 de Março de 2014

.

timtA maré de escândalos em acordo firmados pela Petrobras está prejudicando a imagem da estatal, assim como a da presidente Dilma Rousseff em pleno ano eleitoral. Veja abaixo os quatro escândalos recentes envolvendo a maior empresa do Brasil.

1) Compra da refinaria de Pasadena: antes de ser presidente do Brasil, Dilma Rousseff foi presidente do Conselho de Administração da Petrobras. Em 2006, sob sua gestão, a empresa aprovou a compra de uma refinaria em Pasadena, no Texas. A refinaria pertencia à empresa belga Astra Oil, que pagou pouco mais de US$ 42 milhões na compra da refinaria.

A Petrobras comprou da Astra Oil 50% da refinaria por US$ 370 milhões. Posteriormente, a empresa brasileira desembolsou mais US$ 820 milhões pela outra metade da refinaria. No total, a operação custou US$ 1,8 bilhão aos cofres públicos.

2) Refinaria Abreu e Lima: uma parceria entre os governos do Brasil e da Venezuela se transformou em um grande problema para a Petrobras.

Em 2005, Hugo Chávez e Lula firmaram um “contrato de associação” para a construção da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. A refinaria visava ajudar a refinar e distribuir o petróleo venezuelano para a América do Sul.

O acordo estabelecia que o Brasil garantiria 60% da refinaria, enquanto a petroleira venezuelana PDVSA ficaria com 40%. Porém, o governo venezuelano não cumpriu com a sua parte no acordo. O calote obrigou a Petrobras a bancar sozinha o investimento de mais de U$S 18 bilhões.

3) Suspeita de corrupção: a Petrobras está sendo investigada por suspeita de pagamento de propina a funcionários da petroleira holandesa SMB Offshore.

A denúncia veio à tona em 2012, quando uma auditória interna da SMB Offshore descobriu “indícios de pagamentos impróprios destinados a funcionários públicos”. Na semana passada, parlamentares aprovaram a criação de uma comissão externa que irá até a Holanda acompanhar de perto as investigações.

4) Má gestão: desde que o PT chegou ao poder, em 2003, a Petrobras vem sofrendo com o intervencionismo do governo. As receitas da empresa diminuem cada vez mais por conta da política de fixação de preços.

Além disso, o valor de mercado da Petrobras encolheu drasticamente nos últimos quatro anos. Em 2010, a Petrobras era avaliada em R$ 380,2 bilhões. Este mês está avaliado em R$ 169,9 bilhões.

 

Nicotina líquida: um perigoso veneno

sábado, 29 de Março de 2014

timtExtraída do tabaco, a nicotina líquida é misturada a sabores artificiais e aromas através de processos químicos para alimentar a crescente demanda do mercado. O problema é que assim como os cigarros eletrônicos, a nicotina líquida não passa por nenhum processo de regulamentação.

Cigarros eletrônicos. Nicotina líquida: um perigoso veneno

sábado, 29 de Março de 2014

.

Um novo e perigoso estimulante líquido está conquistando usuários por todo o mundo. Trata-se da nicotina líquida, usada para recarregar os cigarros eletrônicos.

timtExtraída do tabaco, a nicotina líquida é misturada a sabores artificiais e aromas através de processos químicos para alimentar a crescente demanda do mercado. O problema é que assim como os cigarros eletrônicos, a nicotina líquida não passa por nenhum processo de regulamentação.

Vendida em pequenos frascos, garrafas e até barris, a nicotina líquida é uma neurotoxina poderosa. Pequenas doses ingeridas ou absorvidas pela pele podem causar vômito, tontura e até a morte. Uma colher de chá, mesmo altamente diluída, pode matar uma criança pequena.

As evidências dos riscos potenciais que a nicotina líquida oferece já começaram a aparecer. Toxicologistas afirmam que crianças pequenas estão mais expostas ao risco, pois podem ser atraídas pela cor e aroma dessas substâncias. “Não é uma questão de saber ‘se’ uma criança vai passar por isso, mas sim ‘quando’”, diz Lee Cantrell, professor de Farmácia da Universidade da Califórnia, EUA.

Casos de envenenamento acidental já foram reportados nos EUA, especialmente entre crianças. Uma morte também foi registrada no país, quando uma pessoa cometeu suicídio injetando a substância. Em todo o país, casos menos graves de envenenamento acidental saltaram nos últimos dois anos. Em 2013, foram registrados 1.351 casos, um salto de 300% em relação ao ano anterior.

Para Cynthia Cabrera, da Smoke Free Alternatives Trade Association, o grande problema é a falta de regulamentação da substância. Segundo ela, isso permitiria medidas como a criação de recipientes seguros e aumentaria a fiscalização no processo de produção. Mas ela também alerta que pais usuários de cigarros eletrônicos devem ser mais cuidadosos. “Ninguém deixa uma garrafa de alvejante ao alcance de crianças”, diz Cynthia.

 

Epidemia da tristeza. Estamos cada vez mais deprimidos?

sábado, 29 de Março de 2014

timthumA Organização Mundial de Saúde (OMS) relata que as taxas de suicídio aumentaram 60% em todo o mundo, nos últimos 50 anos. A expectativa é que, até 2020, nos países em desenvolvimento, a depressão será a segunda condição médica mais prevalente.

Epidemia da tristeza. Estamos cada vez mais deprimidos?

sábado, 29 de Março de 2014

.

timthumA Organização Mundial de Saúde (OMS) relata que as taxas de suicídio aumentaram 60% em todo o mundo, nos últimos 50 anos. A expectativa é que, até 2020, nos países em desenvolvimento, a depressão será a segunda condição médica mais prevalente. Em 2011, os Centros de Controle de Doenças informaram que a taxa de uso de antidepressivos nos Estados Unidos aumentou 400% entre 1988 e 2008.

Leia mais: Depressão é a segunda causa mais comum de invalidez no mundo

Leia mais: No Brasl, taxa de suicídio cresce e continua tabu

Essas estatísticas podem simplesmente refletir mais disposição para rotular uma experiência como um sintoma ou uma doença. Por exemplo, até recentemente, a depressão como doença era praticamente desconhecida entre os japoneses, que compreendiam a fadiga intensa como sacrifício para o trabalho e o suicídio como um ato de vontade fundamentada.  O Japão tem uma das mais altas taxas de suicídio:  21 pessoas a cada 100.000, de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. A taxa americana é de é de 12 a cada 100.000, em  2013.

Em seu livro “A depressão no Japão”, o antropólogo Junko Kitanaka escreve que, em parte devido ao marketing farmacêutico agressivo, muitos japoneses começaram a pensar na fadiga e pensamentos suicidas como sintomas criados por uma doença. O número de pacientes diagnosticados com depressão no país mais que dobrou entre 1999 e 2008.

No entanto, há razões para acreditar que a doença mental está, de fato, aumentando em todo o mundo, mesmo porque a urbanização é crescente. Em 2010, pela primeira vez na história, mais da metade da população mundial vivia em cidades.

A vida na cidade cria maior propensão à depressão, esquizofrenia e o uso de álcool e drogas. A pobreza e a rápida urbanização aguçam estes efeitos. A tecnologia também pode ajudar nesta situação. Os autores de um estudo da Universidade de Michigan especulam que o que impulsiona o uso cada vez mais constante das redes sociais é a comparação social. Alguém posta fotografias lisonjeiras e comentários engraçados, enquanto a sua própria vida parece tão maçante.

Sherry Turkle, professor do MIT  e autor do livro “Alone Together: Why We Expect More from Technology and Less from Each Other” chama esse fenômeno de “a pressão da performance”. Sabemos que a posição social afeta tanto como e quando você morrer e como quão doente você fica. Quanto mais alta sua posição social, maior a probabilidade de você estar saudável. Acontece que o seu senso de posição social é relativo. Muitas vezes é você mesmo que desenha uma escada para mostrar onde você está em relação aos outros. Isso pode gerar muitos problemas de saúde, entre eles a depressão, que está muito pouco ligado ao seu status social econômico sozinho.

O que realmente explodiu na Índia ao longo das últimas décadas, mas também no resto do mundo, é a informação sobre outras pessoas. Enquanto assistimos televisão, navegar na Internet e acompanhamos os acontecimentos ao redor do mundo, tornamo-nos intimamente consciente de outras formas de viver e de outros que são mais ricos, mais fortes, mais poderoso do que nós mesmos. Colocamo-nos em uma grande ordem social em que a maioria de nós são formigas. Pode realmente ser um reflexo deprimente.

Na Copa, vai ter luta

sexta-feira, 28 de Março de 2014

Zé MariaPor Zé Maria (foto)
Já no mês de abril começarão os protestos que se estenderão pelo mês de maio e terão o primeiro grande momento no dia 12 de junho, data do primeiro jogo da Copa. Em todas as grandes cidades do país, neste dia, trabalhadores e jovens sairão às ruas para protestar. Chega de dinheiro para a Fifa e para empreiteiras.

Na Copa, vai ter luta

sexta-feira, 28 de Março de 2014

.
Por Zé Maria

.
No dia 22 de março, algo como 2.500 pessoas de todo o país se reuniram em São Paulo para discutir, ao longo de todo um dia, as lutas que ocorrem hoje no país e preparar as mobilizações durante a Copa. Eram ativistas do movimento sindical, popular e estudantil de amplos espectros políticos que se indignam com as injustiças cometidas durante a preparação dos jogos, como os recursos públicos destinados à Fifa e as remoções forçadas, e se dispõem a se mobilizar contra isso.

Mas não foi fácil. Se uma simples manifestação de rua hoje já provoca o temor dos governos e seus aparatos de repressão, falar em organização então é suscitar desespero nos governantes e autoridades. E bem que tentaram acabar com o nosso encontro. Uma semana antes, uma conhecida revista semanal, cujos métodos passam ao largo de qualquer tipo de ética jornalística, publicou uma nota afirmando que o PSTU se reuniria com os black bloc’s e a torcida do Palmeiras a fim de organizar atos de vandalismo durante a Copa. Torcida do Palmeiras porque a nossa reunião estava marcada para ocorrer na quadra da Mancha Verde, espaço que alugamos para comportar os participantes que já se preparavam para ir a São Paulo. Logo em seguida, a direção da torcida começou a receber ligações da polícia e da própria Federação Paulista de Futebol a fim de cancelarem a contratação do espaço. E foi o que fizeram.

Dificultaram, mas não conseguiram impedir o encontro, que foi bastante representativo. O espaço, uma quadra improvisada num sindicato da capital, ficou apertado, é verdade, mas não limitou nosso encontro. E o que aconteceu lá? Uma grande reunião que aglutinou as principais forças sociais e políticas que estão se mobilizando nesse momento. Foi organizado pela CSP-Conlutas, o agrupamento “CUT Pode Mais” (que reúne sindicatos filiados à CUT no RS), a Condsef (Confederação dos trabalhadores no Serviço Público Federal), a Feraesp (Federação dos trabalhadores assalariados rurais de São Paulo), mas reuniu entidades sindicais e movimentos populares de todo o país, como o Andes (Sindicato dos Docentes das Universidades Brasileiras) e o Jubileu Sul (rede de movimentos  sociais que mantém relações com a igreja católica). Foram inúmeras entidades e movimentos que estiveram lado a lado com a juventude, estudantes, movimentos populares e de luta contra a opressão.

Foi como se juntássemos, naquele encontro, a expressão do que ocorreu em junho, ou seja, a força e a impulsividade da juventude, com as organizações mais clássicas da classe trabalhadora, como os sindicatos, além dos movimentos populares. Marcaram presença ainda representantes das principais greves que ocorreram neste país nos últimos meses, como rodoviários de Porto Alegre, os operários do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio), que ainda estão em greve e, principalmente, uma delegação de garis da capital fluminense. Essas greves, de setores e lugares diferentes, têm algo em comum. Foram e são mobilizações muito fortes que irromperam pela base e atropelaram as direções de seus respectivos sindicatos. A dos companheiros garis conquistou o apoio massivo da população e se tornou um verdadeiro símbolo.

Tivemos, então, nesse encontro, um reflexo da situação política do país após junho de 2013. As mobilizações massivas que varreram o país naquele mês conseguiram derrubar os reajustes das tarifas do transporte público em várias capitais, o que havia desatado a onda de protestos. Como todo movimento espontâneo, ele refluiu no período seguinte, não conseguindo dar sequência às demais reivindicações colocadas, como uma solução ao caos da saúde e da educação pública, por exemplo. Mas por outro lado, após junho, os trabalhadores se sentiram mais fortalecidos e confiantes, pois viram que, com luta, é possível obter conquistas e é possível melhorar a vida.

O que fizemos nesse encontro foi dar um passo importante para dar continuidade às mobilizações que vêm desde junho. Por que isso é necessário? Porque os governos não atenderam nenhuma das principais reivindicações daquele processo de mobilização popular. A saúde pública continua um caos, a educação pública cada vez pior, os transportes coletivos, a moradia popular, a reforma agrária, tudo isso está abandonado pelos governos que só sabem dar dinheiro para empreiteiras e grandes empresas, como a Fifa, com a Copa do Mundo.

Além do descaso com suas demandas, os movimentos sociais só têm recebido dos governos a repressão violenta da polícia às suas manifestações e a criminalização de suas lutas e dirigentes.  Por isso é preciso dar continuidade às mobilizações populares. O Encontro de 22 de março ocorreu para reunir, numa só luta, os setores da juventude que encabeçaram as jornadas de junho e os setores da classe trabalhadora que estão se mobilizando neste momento em busca de melhores condições de vida.

Já no mês de abril começarão os protestos que se estenderão pelo mês de maio e terão o primeiro grande momento no dia 12 de junho, data do primeiro jogo da Copa. Em todas as grandes cidades do país, neste dia, trabalhadores e jovens sairão às ruas para protestar. Chega de dinheiro para a Fifa e para empreiteiras. Queremos recursos para a saúde, educação, moradia, transportes coletivos e reforma agrária. Esse será o lema destes protestos. Que não reste dúvida: “Na Copa vai ter luta”.

Mais sobre o Brasil nas ruas

Processo de avaliação para compra de refinaria durou apenas 20 dias

sexta-feira, 28 de Março de 2014

Processo de avaliação para compra de refinaria durou apenas 20 dias

sexta-feira, 28 de Março de 2014

.

Um dos passos essenciais em processos de fusões e aquisições, o due diligence, uma espécie de auditoria na qual são avaliadas questões judiciais, financeiras e operacionais, teve um prazo “muito curto” no processo de compra da refinaria de Pasadena, segundo a própria Petrobras.

Leia mais: Senado vai marcar data para instalar a CPI da Petrobras

O processo de análise de dados é detalhado neste documento, mas após a coleta de informações e reuniões com diretores financeiros da Astra, a estatal teve que fazer nova avaliação em apenas cinco dias.

 

 

Quando contas de Twitter são mais valiosas do que cartões de crédito

sexta-feira, 28 de Março de 2014

timthumb.phpSegundo relatório divulgado pelo instituto de pesquisas RAND Corporation, contas roubadas do Twitter estão sendo mais procuradas — e se tornando mais valiosas — do que dados de cartão de crédito, no mercado negro do ciberespaço.

Quando contas de Twitter são mais valiosas do que cartões de crédito

sexta-feira, 28 de Março de 2014

.

Segundo relatório divulgado pelo instituto de pesquisas RAND Corporation, contas roubadas do Twitter estão sendo mais procuradas — e se tornando mais valiosas — do que dados de cartão de crédito, no mercado negro do ciberespaço.

timthumb.phpUma conta do Twitter, segundo a pesquisa, tem um potencial de rendimento maior do que um cartão de crédito, e acaba custando mais também. De acordo com a RAND, a lógica da economia hacker funciona da seguinte forma: os dados de cartão de crédito só podem ser levantados a partir de grandes brechas de segurança. Imediatamente após uma grande brecha, os preços são elevados, porque é mais provável que os cartões estejam ativos. Mas depois de um tempo, os preços caem bastante, porque o mercado está inundado desses dados de cartões.

Uma brecha ocorrida em dezembro de 2013, que violou dados da gigante americana do varejo, a Target, culminou em dados de 40 milhões de cartões de crédito e 70 milhões de contas hackeadas. Em poucos dias, os dados dos clientes – incluindo endereços residenciais e informações de login – apareceram à venda no mercado negro. O que começou com vendas na  faixa de US$ 20/135 por conta despencou para US$ 0.75. Enquanto isso, os preços das contas de Twitter não caem tanto, embora variem de US$16 a US$325

Contas de Twitter se tornaram um bom rendimento no mercado negro, tanto porque o acesso ao Twitter muitas vezes permite acesso a outras contas e também porque uma conta real agrega valor para fazer spam, aquela publicidade automática, em massa, que todo mundo, em algum momento da vida, recebe.

Dado o número de pessoas que tendem a usar o mesmo nome de usuário e senha para diversas contas, hackear a conta de Twitter de uma pessoa  muitas vezes pode render outras informações valiosas, tais como acesso a contas bancárias online ou de e- commerce.

Marco Civil da Internet ainda tem pontos polêmicos

sexta-feira, 28 de Março de 2014

timthumEsta semana, a Câmara dos Deputados aprovou o texto do Marco Civil da Internet, que agora segue para votação no Senado. Para Tim Berners-Lee, britânico tido como o “pai da rede”, o texto é o melhor presente de aniversário que a internet poderia ganhar pelos seus recém-completos 24 anos.