Arquivo de julho de 2013

Aviso importante

sexta-feira, 26 de julho de 2013

acho_que_..[1]Em razão de uma cirurgia que me submeterei, as atualizações do Brasil em Foco serão, temporariamente, interrompidas a partir do próximo dia 27 de julho.
Esperando retomar o mais breve possível as minhas atividades profissionais, quero agradecer a compreensão dos nossos leitores e colaboradores.

Rio, 26/07/2013

Hamilton Macedo

 

 

 

 

Aviso importante

sexta-feira, 26 de julho de 2013

acho_que_..[1]Caros Amigos

Em razão de uma cirurgia que me submeterei, as atualizações do Brasil em Foco serão, temporariamente, interrompidas a partir do próximo dia 27 de julho. Esperando retomar o mais breve possível as minhas atividades profissionais, quero agradecer a compreensão dos nossos leitores e colaboradores.

Rio, 26/07/2013

Hamilton Macedo

A visão turva de um molusco!

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Grita Brasil

Por Claudio Schamis
Antes de qualquer coisa queria entender a razão de por que sempre que o assunto é o PT a Dilma tem que meter o Lula no meio. Ou também porque ele tem que se meter no meio. O momento dele já foi. É passado. É findo. É PT saudações.

A visão turva de um molusco!

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Por Claudio Schamis – opiniaoenoticia.com.br

Antes de qualquer coisa queria entender a razão de por que sempre que o assunto é o PT a Dilma tem que meter o Lula no meio. Ou também porque ele tem que se meter no meio. O momento dele já foi. É passado. É findo. É PT saudações.

Mas pelo visto Lula não cumpre o que promete. Nem quando governa, nem quando é ex-presidente. Enquanto presidente ele prometeu várias coisas e não cumpriu. Quando saiu prometeu que ia sumir no mundo, ia descansar, ia pescar e que não ia querer saber de política. Ah tá!

Já não bastou o ridículo artigo dele no “New York Times” na semana passada onde dizia em bom inglês – como pode isso? – que as manifestações ocorridas pelo Brasil foram em prol do brilhante governo Lula. Agora vem ele dizer que a Dilma está em lua de mel com o partido e que as críticas que Dilma recebeu foram sem muita importância, tipo, será que o partido não está gostando do corte de cabelo dela? Fora isso, Lula, que diz estar com a questão dos médicos atravessada em sua garganta, defendeu o programa Mais Médicos, lançado no começo do mês para atender aos mais pobres. Mas ele não parou por aí. Falou que se os médicos brasileiros não querem trabalhar no sertão, há quem queira. Será?

Será mesmo, ex-presidente Lula, que é tão simples assim? Você iria para o sertão para ganhar um salário de fome? Na verdade o salário é de outra coisa, mas tenho que me segurar para não falar. Será que você acha que um médico tem que ter um “tudo pelo social” correndo nas veias e topar tudo? Até onde eu sei Topa Tudo por dinheiro é só no SBT, no Programa do Silvio. Será que um médico tem que aceitar qualquer coisa? Você aceitaria, Lula?

E tem mais. Vai levar um médico para onde? Eles vão atender no meio da rua? Nosso país está totalmente alimentado de hospitais? Pelo que eu sei, não. Você sabia que existem hospitais que nunca foram inaugurados? Por exemplo, o Hospital Regional de Santo Antônio do Descoberto, a apenas 60 km de Brasília, é apenas esqueleto. E isso dura 14 anos e já custou R$ 21 milhões. Esse hospital atenderia mais de dez cidades do entorno do Distrito Federal. Mas para que se preocupar, né Lula? A pessoa pode ir para Brasília a 60 km ou para Goiana a 200 km, dependendo do caso.

Será mesmo que os médicos é que não querem atender? Ou são vocês que querem tentar nos enganar fingindo que estão realmente preocupados em atender a população? Abre o jogo. Qual é a jogada da importação desses médicos? Quanto e quem está levando algum? Só pode ser.

Ou você quer que eu acredite que o governo dormiu ontem e acordou hoje achando que importar é o que importa? E que com isso a crise na Saúde será sanada.

O problema na área da Saúde vem do seu tempo, e mesmo em oito anos nada foi feito. Pacientes continuam morrendo na fila esperando por atendimento, enquanto milhares de pessoas enfrentam filas para conseguir marcar uma consulta. Se tiverem sorte, antes da Copa 2014. Se tiverem sorte.

É simples assim, Lula? Em que país você vive? Você é realmente uma pessoa normal?

Se você soubesse como me revolto quando você abre a boca para falar suas abobrinhas. Mas você não tem noção. Aliás, você é total sem noção.

Se fosse para resolver mesmo o governo teria resolvido. Mas não interessa. Interessa trazer a Copa, as Olimpíadas, né? Somente para colocar o país bem na foto. Que foto? Acorda Lula.

Daqui a pouco vocês vão querer importar professores também. E tudo pelo mesmo motivo. Até porque a Saúde e a Educação estão no mesmo barco.

Aproveita que você voltou para o governo e dá essa dica para a Dilma. Lancem o Programa Mais Professores. Importem profissionais do ensino. E joguem a culpa nos professores que não querem ensinar no sertão.

Pensando bem, que profissionais são esses, né Lula? Que não valorizam o que o seu governo oferece! Nem nas Casas Bahia se teria melhores condições. Vai pagar quanto?

Acho que tenho que concordar com você. Se eles não querem trabalhar, que morram de fome, né? E deixa então o resto com o governo. Este sim não vai deixar seu povo na mão. Não importa o valor para importar esses profissionais, mas a meta é atender a toda a população carente – e que é capaz de votar neles novamente, mesmo depois de toda a lama exposta – e tão necessitada de Saúde e Educação.

Eu fico até aqui pensando e até torcendo para que essa importação dê resultados, pois na minha visão começa a nascer um novo filão, e quero ser um dos primeiros a entrar nele de cabeça. Poderia sem ser muito “abusante”, aproveitar que você, Lula, é um cara legal e influente – tem até coluna no NYT –, quem sabe você não consegue me colocar aí nessa jogada. Eu abro uma empresa OffShore de importação e exportação e começo a fornecer médicos exclusivamente para o governo, a um preço bem em conta. Posso incluir no pacote Gold Plus professores também. E por fora, caso seja do interesse, poderia exportar políticos. Topas?

Acho que pode ser o negócio do século. E já que você disse novamente que não vai de maneira nenhuma voltar para Brasília em 2014, seria até uma maneira de você ganhar um por fora e garantir a pinga do final de semana.

Salve as baleias. Não jogue lixo no chão. Não fume em ambiente fechado.

Cabral é pior e Eduardo Campos o melhor entre 11 governadores

quinta-feira, 25 de julho de 2013

cabralTâniaRegoABrAlém de mostrar a queda de aprovação da presidenta Dilma Rousseff, a pesquisa CNI/Ibope divulgada também traz os índices relativos aos governadores de 11 estados brasileiros. Entre eles, o que possui a pior avaliação é o do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, que tem sido alvo de protestos até hoje.

Cabral é pior e Eduardo Campos o melhor entre 11 governadores

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Por Mario Coelho – congressoemfoco.com.br

Além de mostrar a queda de aprovação da presidenta Dilma Rousseff, a pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quinta-feira (25) também traz os índices relativos aos governadores de 11 estados brasileiros. Entre eles, o que possui a pior avaliação é o do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, que tem sido alvo de protestos até hoje.

No levantamento, o Ibope, a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI), verificou também que a popularidade média dos governadores e dos prefeitos é similar à da presidenta. O índice está em 28% contra 31% de Dilma.

Enquanto Cabral é o pior avaliado, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), tem o maior índice de aprovação da atuação. Possível candidato à Presidência da República em 2014, Eduardo é aprovado por 58% da população. O segundo melhor avaliado é o tucano Beto Richa, no Paraná.

Veja a avaliação dos 11 governadores:

Estado Governador Avaliação do governo
PE Eduardo Campos (PSB) 58%
PR Beto Richa (PSDB) 41%
CE Cid Gomes (PSB) 40%
MG Antonio Anastasia (PSDB) 36%
SC Raimundo Colombo (PSD) 30%
ES Renato Casagrande (PSB) 29%
BA Jaques Wagner (PT) 28%
SP Geraldo Alckmin (PSDB) 26%
RS Tarso Genro (PT) 25%
GO Marconi Perillo (PSDB) 21%
RJ Sérgio Cabral (PMDB) 12%

Veja a íntegra da CNI/Ibope

Popularidade de Dilma cai na pesquisa CNI/Ibope

quinta-feira, 25 de julho de 2013

dilmaAntonioCruzABrA última pesquisa do Ibope, realizada a pedido da Confederação Nacional da Indústria, mostrou uma nova queda na popularidade do governo Dilma Rousseff. Pela primeira vez, o número de entrevistados que desaprovam a maneira da presidenta governar alcançou 49% e supera o percentual de aprovação, anteriormente em 75%.

Popularidade de Dilma cai na pesquisa CNI/Ibope

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Por Mario Coelho – congressoemfoco.com.br

A última pesquisa do Ibope, realizada a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostrou uma nova queda na popularidade do governo Dilma Rousseff. Pela primeira vez, o número de entrevistados que desaprovam a maneira da presidenta governar alcançou 49% e supera o percentual de aprovação, anteriormente em 75%.

Veja a íntegra da pesquisa

De acordo com a edição especial da CNI/Ibope, Dilma apresentou queda da avaliação positiva pessoal e do governo. O percentual da população que avalia a administração como ótima ou boa caiu 24 pontos percentuais. No último levantamento, em junho, o índice era de 55%. Hoje está em 31%. Este também é o percentual dos que consideram o governo ruim ou péssimo. Para 37% dos entrevistados, o governo é regular.

Outro dado mostrado pela pesquisa CNI/Ibope é que a confiança na presidenta também sofreu queda. Em junho, o percentual era de 67%; hoje ficou em 45%. Já o índice de quem não confia em Dilma chegou a 50%. Além disso, 46% consideram o governo Dilma pior do que o de Lula e 42% acham que os dois governos são iguais. Apenas 10% consideram o governo Dilma melhor que o de Lula.

Assim como nos outros levantamentos, a popularidade de Dilma continua alta no nordeste e norte/centro-oeste. Entre os estados nordestinos, a presidenta tem um índice de ótimo/bom em 43%, 12 pontos percentuais acima da média nacional. No norte e centro-oeste o percentual é de 35%. Sul e sudeste têm as piores avaliações, 28% e 24% respectivamente.

O levantamento, feito com 2.002 pessoas entre 9 e 12 de julho, tem margem de erro de dois pontos percentuais.

Notícias

Na pesquisa, a CNI/Ibope informa que, pela primeira vez desde o início do governo, a maioria da população diz considerar o noticiário recente sobre o governo Dilma desfavorável. Essa percepção é resultado das manifestações populares e suas repercussões que dominaram o noticiário nos últimos dias. Na visão da população, a área com pior desempenho é a saúde, seguida da segurança pública e da educação.

Segundo a pesquisa, as notícias mais lembradas foram as relacionadas com as manifestações que aconteceram no país, com índice de 63%. “A relação das notícias citadas pelos entrevistados indica o papel decisivo das manifestações na queda da popularidade da Presidente. Primeiramente, chama atenção que apenas 24% dos entrevistados não citaram nenhuma notícia sobre o governo. Em geral, esse percentual é superior a 40%”, diz o Ibope.

Avaliação positiva

As áreas que o governo possui melhor avaliação são habitação, combate à fome e a miséria e capacitação pofissional. Em todos, existem programas consolidados como o Minha Casa Minha Vida, o Bolsa Família e o Programa Nacional de acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Na visão dos entrevistados, são os melhores setores da atual administração.

Veja a íntegra da pesquisa

Brasil registra maior rombo da história em contas externas no 1º semestre

quarta-feira, 24 de julho de 2013

timthumbO resultado do desempenho econômico do Brasil no primeiro semestre deste ano foi o maior rombo da história no período em contas externas. A fraqueza da balança comercial e da economia trouxe o saldo de déficit de 72,2% nas contas do primeiro semestre sobre igual período em 2012.

Brasil registra maior rombo da história em contas externas no 1º semestre

quarta-feira, 24 de julho de 2013

O resultado do desempenho econômico do Brasil no primeiro semestre deste ano foi o maior rombo da história no período em contas externas. O cenário de fraqueza da balança comercial e de deterioração da economia trouxe o saldo de déficit de 72,2% nas contas do primeiro semestre sobre igual período em 2012, que representa US$ 43,478 bilhões, segundo o Banco Central.

Os investimentos estrangeiros diretos não conseguiram cobrir o saldo, já que somaram US$ 30,027 bilhões, valor pouco acima do registrado no ano passado, que foi de US$ 29,730 bilhões. O resultado das transações correntes foi afetado pelo desempenho negativo da balança comercial no primeiro semestre, que teve déficit de US$ 3,092 bilhões até junho deste ano, bem diferente do superávit registrado em 2012, de US$ 7,063 bilhões, no mesmo período. Foram registradas menos exportações e aumento na importação de petróleo e seus derivados. Diante do desempenho, analistas reduziram as projeções para a balança comercial deste ano do superávit de US$ 4,1 bilhões para US$ 1 bilhão de dólares.

A projeção para o déficit em conta corrente, ou seja, o saldo entre balança comercial, serviços e transferências unilaterais, passou de US$ 75,2 bilhões para US$ 78,3 bilhões, enquanto a projeção de crescimento do PIB deste ano é de 2,4%. Além disso, a remessa de divisas para o exterior, referentes ao lucro de multinacionais, foi de US$ 14,1 bilhões, que representa 41,3% a mais do que o realizado no primeiro semestre de 2012.

A alta do câmbio também influenciou no resultado, já que no último semestre o dólar registrou alta de 9%. As projeções do BC para julho é de déficit de US$4,9 bilhões e entrada de investimentos diretos de US$ 5,3 bilhões. O balanço de pagamentos em junho foi deficitário em US$ 1,3 bilhão.

Fontes:Reuters – Contas externas do Brasil têm maior rombo da história no 1º semestre

 

PT admite segundo turno em 2014

terça-feira, 23 de julho de 2013

ÍndiceO PT já admite a possibilidade de a presidente Dilma Rousseff não vencer a eleição presidencial do próximo ano no primeiro turno. A previsão consta em uma proposta de resolução levada ao Diretório Nacional do partido no último sábado, 20.

PT admite segundo turno em 2014

terça-feira, 23 de julho de 2013

O PT já admite a possibilidade de a presidente Dilma Rousseff não vencer a eleição presidencial do próximo ano no primeiro turno. A previsão consta em uma proposta de resolução levada ao Diretório Nacional do partido no último sábado, 20.

Leia também: PMDB faz enquete para decidir se mantém aliança com governo

De acordo com o texto, que ainda não foi aprovado e pode ser alterado, o PT enfrentará “intensa luta política e ideológica, incluindo aí dois turnos de eleições presidenciais”. Os petistas ressaltam que é preciso que a autoridade de Dilma seja “preservada e defendida” com mais ênfase porque os protestos de rua geraram uma “nova situação política”.

Os próprios petistas reconheceram — em debates internos — “graves equívocos políticos na prática do PT”, além da necessidade de “reorientação” e “reconstrução das bases sociais e dos vínculos populares” do partido.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Lula culpa “elite brasileira” e defende Mais Médicos

terça-feira, 23 de julho de 2013

imagesO ex-presidente Lula defendeu a importação de médicos pelo governo federal para trabalhar nas periferias das grandes cidades e do interior do país.  Ele também criticou a “elite brasileira”, responsável por, na visão dele, em acabar com a CPMF em 2007.

Lula culpa “elite brasileira” e defende Mais Médicos

terça-feira, 23 de julho de 2013

O ex-presidente Lula defendeu nesta terça-feira (23) a importação de médicos pelo governo federal para trabalhar nas periferias das grandes cidades e do interior do país. Para ele, a medida é provisória e visa “preencher um vácuo” deixado pela falta de profissionais nessas localidades. Ele também criticou a “elite brasileira”, responsável por, na visão dele, em acabar com a CPMF em 2007. Os recursos da contribuição eram destinados para a saúde.

De acordo com o ex-presidente, ele e a presidenta Dilma Rousseff sabem que é preciso melhorar muito a estrutura da saúde no país. No entanto, culpou setores conservadores pela queda de CPMF em 2007. Na visão do ex-presidente, a intenção na época era prejudicar o início da sua segunda gestão. Em discurso no 6º Festival Latinidades, disse que a área perdeu R$ 350 bilhões de lá para cá com o fim da contribuição.

“Eles simplesmente tiraram o dinheiro achando que iam me prejudicar”, disparou. Ele acrescentou que, na época, tinha suas contas médicas bancadas pela Presidência da República. E hoje o nome do seu plano de saúde é “Lula. “Hoje eu nem preciso de plano. Só o Lula é um plano”, afirmou. “Isso estava atravessado na minha garganta.”

No discurso, Lula defendeu o programa Mais Médicos, lançado por Dilma há duas semanas para suprir a carência de profissionais. Além de aumentar o curso de medicina de seis para oito anos, prevendo o estágio remunerado obrigatório no Sistema Único de Saúde (SUS), permite a importação de médicos para trabalhar em áreas específicas.

“Se os médicos não querem trabalhar no sertão, que a gente então traga outros médicos”, disparou. Ele disse que a intenção do governo não é “tirar o emprego de ninguém” e que as pessoas, ao invés de ficarem discutindo, precisam “encontrar uma solução”. “Algumas especialidades estão falta nesse país. O que nós queremos é que se preencha esse vácuo. Enquanto não preenche, vamos trazer gente de fora para nos ajudar”, discursou.

Maldade

Durante o discurso, Lula fez diversas críticas ao que qualificou de setores conservadores da sociedade. Reclamou da “maldade de alguns”, que seriam os responsáveis por espalhar boatos sobre sua saúde. Ele voltou a negar a possibilidade de o câncer diagnosticado tenha voltado. “É tamanha a falta de caráter que passaram a insinuar que eu estou com câncer e estou com metástase”, disse.

O ex-presidente disse que, caso a doença volte, não vai “esconder do povo brasileiro”. “Eu posso dizer para vocês que o câncer não existe mais. Algumas pessoas de muita má fé veicularam isso na internet”, completou. Em outubro de 2011, Lula foi diagnosticado com um câncer na laringe. Após tratamento no Hospital Sírio-Libanês, os médicos informaram que não havia mais vestígios da doença, em junho de 2012.

Imprensa

Além das críticas a setores conservadores, Lula não poupou a imprensa. Em tom de brincadeira, disse estar com “cócegas na garganta” para falar sobre a mídia. “Queridos companheiros da imprensa: estou com saudade de vocês. Certamente alguns estão irritados porque nao podem mais falar mal de mim”, disse.

Depois, reclamou das críticas feitas a Dilma. “Será por ela ser mulher”, questionou. Para o ex-presidente, primeiro as análises eram favoráveis à presidenta, enquanto ele ainda era criticado. No entanto, ao verem que eles não são diferentes, as críticas têm sido mais pesadas do que anteriormente. “Agora estão com preconceito contra ela maior do que tinham comigo.”

Partidos políticos

No discurso, que durou aproximadamente uma hora, Lula defendeu as atuais manifestações pelo país, mas criticou as reações contrárias aos partidos políticos. “Não existe exemplo na humanindade que a negação da política trouxe uma coisa melhor. Isso é ditadura. Nazismo na Alemanha, facismo na Itália”, lembrou.

Assim como disse em São Paulo na semana passada, lembrou que em 1978, “quando Lulinha tava com tudo”, costumava reclamar e negar a política por meio de partidos políticos. Na época, fazia parte do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e comandava greves na região. Dois anos depois, disse, estava participando da fundação do PT.

“A desgraça de quem não gosta de política é ser governado por quem gosta. E essa minoria acaba decidindo pela maioria”, disse. Para ele, o político perfeito está “dentro de cada um de vocês”. “Você tem o direito de achar que todo mundo é ladrão. Agora, quando você tiver pensando assim, da forma mais radical, ao invés de desanimar da política, pare. Seja candidato, funde um partido.”

Por Mario Coelho – congressoemfoco.com.br

Veja 10 anúncios antigos que hoje causariam polêmica

segunda-feira, 22 de julho de 2013

anuncio-2Mulheres que apanham do marido por servir outra marca de café, crianças que substituem refeição por iogurte e dentistas que recomendam cigarros. Hoje em dia se algum desses anuncios fosse veiculado causaria revolta do público e, provavelmente, seria proibida.

Veja 10 anúncios antigos que hoje causariam polêmica

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Mulheres que apanham do marido por servir outra marca de café, crianças que substituem refeição por iogurte e dentistas que recomendam cigarros. Hoje em dia se alguma dessas situações fosse veiculada em um anúncio publicitário causaria revolta do público e, provavelmente, seria proibida.

Contudo, nem sempre foi assim. Antigamente, a falta de conscientização e das leis que atualmente protegem o consumidor deram origem a inúmeros anúncios que, assim como os já descritos, causariam espanto ao “público alvo”. Confira abaixo uma lista de dez anúncios antigos que hoje seriam considerados polêmicos.

1) No anúncio, uma mulher apanha do marido após ele descobrir que ela não estava servindo o café anunciado. “Se seu marido descobrir….”, diz o título. Com tanta campanha de combate à violência contra a mulher, dificilmente um anúncio desses seria veiculado nos dias de hoje.

(Reprodução/Divulgação)

2) Hoje as mulheres conquistaram seu lugar no mercado de trabalho, mas antigamente suas únicas atividades eram os cuidados do lar. O anúncio abaixo mostra uma dona de casa feliz com seu espanador, com a seguinte frase: “Quanto mais duro uma esposa trabalha, mais bonita ela fica”.

(Reprodução/Divulgação)

3) Em mais um exemplo de machismo, o anúncio de desinfetante diz que “as mulheres do futuro farão da Lua o lugar mais limpo para se morar”.

(Reprodução/Divulgação)

4) “Mais cedo ou mais tarde, sua mulher vai dirigir”, diz o anúncio da Volkswagen. O argumento do anúncio era de que, caso a mulher batesse o carro, as peças para substituir eram baratas.

(Reprodução/Divulgação)

5) Antigamente o cigarro era socialmente aceito e símbolo de elegância. Hoje, sabendo dos males que o hábito de fumar provoca, todos os comerciais de cigarro foram proibidos. No anúncio abaixo, uma marca de cigarro é recomendada por um dentista.

(Reprodução/Divulgação)

6) Se hoje pessoas normais fumando incomodam, imagina Papai Noel?

(Reprodução/Divulgação)

7) Bebês também foram utilizados em anúncios de cigarro. Neste abaixo a criança diz: “Não! meu pai não fuma nada que não seja um Marlboro!”.

(Reprodução/Divulgação)

8 ) No Brasil, um famoso comercial do Danoninho afirmava que um pote do iogurte equivalia a um bife. Atualmente, propagandas de produtos dirigidos a crianças não devem sugerir que eles substituem as refeições.

(Reprodução/Divulgação)

9) Outro famoso produto brasileiro, o Leite Moça chegou a sugerir que as mães poderiam substituir o leite materno pelo produto.

(Reprodução/Divulgação)

10) O anúncio abaixo utilizou um bebê para mostrar o quanto as lâminas do barbeador eram seguras. Se fosse atual, com certeza utilizaria outra estratégia.

(Reprodução/Divulgação)

 

Como atuam as gangues na Alemanha

segunda-feira, 22 de julho de 2013

timthumbA criminalidade vem diminuindo há muito na Alemanha, bem como na maior parte da Europa. Nos dois últimos anos a Alemanha registrou menos de 6 milhões de crimes. Mas esses números escondem tendências contrárias. A média alemã é de sete crimes por 100.000 pessoas, mas é de 14 em Berlim e próxima a 5 na Bavária.

Como atuam as gangues na Alemanha

segunda-feira, 22 de julho de 2013

A criminalidade vem diminuindo há muito na Alemanha, bem como na maior parte da Europa. Nos dois últimos anos a Alemanha registrou menos de 6 milhões de crimes. Mas esses números escondem tendências contrárias. Primeiro, o norte sofre mais do que o sul. A média alemã é de sete crimes por 100.000 pessoas, mas é de 14 em Berlim e próxima a 5 na Bavária. A polícia também é melhor em solucionar crimes no sul.

A segunda tendência é um aumento pronunciado em crimes de propriedade específicos. Uma categoria com alto  crescimento é a batida de carteiras. Em Berlim, no ano passado, roubos envolvendo golpes (tais como crianças pedindo ajuda enquanto um cúmplice age) aumentaram 39%. E o roubo de casas de famílias, categoria que aumenta desde 2006, aumentou em 32%, afetando 1 a cada 76 casas.

O novo fator, afirma Christian Pfeiffer, diretor de Pesquisa Criminológica no Instituto da Baixa Saxônia em Hanover, é a expansão para o leste da União Europeia, com diretos completos de mobilidade. Oito países foram incorporados em 2004, além da Bulgária e Romênia em 2007. Esses, em particular, têm grupos de crime organizado sofisticados, com redes de treinamento e recrutamento que operam nos países ricos da UE mais próximos, Alemanha e Áustria. Dos suspeitos nos casos de roubo com uso de golpes em Berlim no ano passado, 75% não eram alemães e 31% vinham da Romênia. (apenas 24% dos suspeitos de todos os casos de crime na Alemanha são estrangeiros).

Esses grupos do leste têm contatos locais e escolhem os seus alvos, especialmente ao longo de rotas de fuga via rodovias ou ferrovias, e daí conseguem agir com profissionalismo, afirma Pfeiffer.

Texto da revista Economist editado para o Opinião e Notícia Tradução: Eduardo Sá

 

PT pede mudanças na política e ajustes na economia

segunda-feira, 22 de julho de 2013

timthumbO Partido dos Trabalhadores defende que o governo Dilma adote mudanças políticas quanto a alianças partidárias e ajustes na economia como prioridades para o segundo semestre. As medidas foram discutidas durante reunião do Diretório Nacional do partido em Brasília sobre texto a ser entregue ao governo.

PT pede mudanças na política e ajustes na economia

segunda-feira, 22 de julho de 2013

oipiniaoenoticia.com.br

O Partido dos Trabalhadores defende que o governo Dilma adote mudanças políticas quanto a alianças partidárias e ajustes na economia como prioridades para o segundo semestre. As medidas foram discutidas no sábado, 20, durante reunião do Diretório Nacional do partido em Brasília sobre texto a ser entregue ao governo.

O documento ainda deve ser validado pelo conselho executivo do PT. Segundo o texto, a onda de manifestações deve se estender até 2014: “nada indica que haverá refluxo das manifestações principalmente em ano eleitoral”.  No texto, a cúpula cobra aproximação do PT aos movimentos sociais e a recuperação da credibilidade do partido e das instituições políticas.

Entre as críticas feitas pelo partido estão: a autorização dos governadores Geraldo Alckmin e Sérgio Cabral à repressão violenta das manifestações e sobre a política econômica, que tem se baseado em juros altos, busca pelo maior superávit fiscal e cortes nos gastos públicos.

O PT defende tributação diferenciada para os setores mais ricos e redução de lucro corporativo em contratos com o governo, assim como pede a criação de um plano de erradicação da corrupção com divulgação de balanços a cada 10 anos.

Para se aproximar de grupos sociais, o PT sugere recomposição de fórum nacional de lutas e estímulo ao ato “Grito dos Excluídos”, que ocorrerá em 7 de setembro.

Alianças políticas

O documento cobra ainda rompimento do partido com aliados conservadores em prol da reforma política, sem citar o PMDB, que é o principal aliado dos petistas. “Vitoriosos nas eleições de 2002, mas sem condições de formar uma maioria parlamentar de esquerda, o PT e o governo tiveram de executar uma política de reformas baseada em alianças cujos parceiros não se dispunham, nem se dispõem, a romper com os limites da institucionalidade conservadora”, explica Rui Falcão, presidente nacional do PT.

 

Dados da Receita mostram que arrecadação de tributos caiu em junho

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Economia2O governo federal arrecadou R$ 85,68 bilhões em impostos e contribuições em junho. O resultado representa queda real de 0,99% em relação ao mesmo período de 2012, descontada a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. Os dados foram divulgados pela Receita Federal.

Dados da Receita mostram que arrecadação de tributos caiu em junho

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Luciene Cruz
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O governo federal arrecadou R$ 85,68 bilhões em impostos e contribuições em junho. O resultado representa queda real de 0,99% em relação ao mesmo período de 2012, descontada a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Os dados foram divulgados, hoje (22), pela Receita Federal.

No acumulado do ano, a arrecadação federal somou R$ 543,98 bilhões, alta de 0,49% na comparação com o primeiro semestre do ano passado, também descontado o IPCA. Em termos nominais, a arrecadação aumentou R$ 35,43 bilhões de janeiro a junho deste ano, ou seja, sem a correção, pela inflação, dos valores arrecadados no mesmo período do ano passado.

De acordo com a Receita, os principais fatores que impulsionaram a arrecadação, em junho, foram o aumento da receita extraordinária, em maio, de R$ 3 bilhões referentes a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e do Programa de Integração Social (PIS); e de R$ 1 bilhão do recolhimento do Imposto de Renda Pessoa Jurídica Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (IRPJ/CSLL), em decorrência de depósito judicial e venda de participação societária. Também contribuiu para o saldo, o recolhimento semestral do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) rendimentos de capital.

Edição: Marcos Chagas

Cegos na China lutam mais para vencer a deficiência

segunda-feira, 22 de julho de 2013

timthumbA China tem 17 milhões de deficientes visuais, grupo que inclui 6 milhões de pessoas completamente cegas. Poucas recebem uma educação básica, e muito menos chegam à universidade. Há apenas 22 escolas para cegos, com um total de 1.500 alunos.

Cegos na China lutam mais para vencer a deficiência

segunda-feira, 22 de julho de 2013

A China tem 17 milhões de deficientes visuais, grupo que inclui 6 milhões de pessoas completamente cegas. Poucas recebem uma educação básica, e muito menos chegam à universidade. Há apenas 22 escolas para cegos, com um total de 1.500 alunos. O governo enxerga a massagem como a ocupação padrão para os cegos. Cerca de 17.000 foram treinados para a profissão no ano passado. Dentre as 2.000 universidades chinesas, apenas três – todas de Xangai – aceitam estudantes cegos.

Para cegos na China, assim como em outros lugares, o braile é chave para a alfabetização. Mas as peculiaridades da língua fazem com que o uso do braile seja mais difícil para os chineses. O chinês tem dezenas de milhares de caracteres. Seus fonemas monossilábicos podem ser expressados em letras romanas mediante o uso de um sistema chamado pinyin. O chinês em braile é baseado no pinyin, não em caracteres, mas a língua é repleta de homófonos. Os quatro tons do mandarim, assim como o contexto, ajudam a eliminar ambiguidades. Mas nem sempre. (Em conversas, é comum os chineses utilizarem a palma da mão para indicar qual caractere está sendo expressado). Estudantes cegos estão em uma situação ainda mais precária caso estejam acostumados a pronunciar os caracteres em seu dialeto local em vez de utilizar a pronúncia mandarim utilizada pelo pinyin.

Han Ping, especialista em educação de cegos da Universidade Union de Beijing, afirma que o governo precisa fazer mais. “Não deveria haver problemas, tecnicamente, em traduzir uma prova para braile”, afirma. Mas as universidades e autoridades locais não têm motivação para ajudar.

Texto da revista Economist editado para o Opinião e Notícia Tradução: Eduardo Sá

 

ANS estabelece teto de 9,04% para reajuste de planos de saúde

segunda-feira, 22 de julho de 2013

1200A Agência Nacional de Saúde definiu em 9,04% o índice máximo de reajuste para os planos de saúde médico-hospitalares individuais e familiares, contratados a partir de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei 9.656/98. O percentual  foi aprovado pelo Ministério da Fazenda e é o teto válido para o período entre maio de 2013 e abril de 2014.

ANS estabelece teto de 9,04% para reajuste de planos de saúde individuais e familiares

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Yara Aquino
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) definiu em 9,04% o índice máximo de reajuste para os planos de saúde médico-hospitalares individuais e familiares, contratados a partir de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei 9.656/98. O percentual, divulgado hoje (22), foi aprovado pelo Ministério da Fazenda e é o teto válido para o período entre maio de 2013 e abril de 2014.

A medida atinge 17,6% dos associados aos planos de assistência médica, cerca de 8,4 milhões de pessoas, de acordo com a agência. O índice de reajuste autorizado pela ANS só pode ser aplicado a partir da data de aniversário de cada contrato. É permitida a cobrança de valor retroativo, caso a defasagem entre a aplicação e a data de aniversário seja de, no máximo, quatro meses.

A metodologia usada para definição do índice máximo para os planos individuais leva em consideração a média dos percentuais de reajuste aplicados pelas operadoras aos planos coletivos com mais de 30 beneficiários, explicou em nota a ANS. Em 2013, foi considerado também o impacto de fatores externos como, por exemplo, a utilização dos 60 novos procedimentos incluídos no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde ao longo de 2012.

Edição: Beto Coura

Governo aumenta cortes no orçamento em R$ 10 bilhões

segunda-feira, 22 de julho de 2013

mantegaValterCampanatoABrO Ministério da Fazenda anunciou  que o corte na Lei Orçamentária Anual da União para 2013 será ampliado em R$ 10 bilhões, chegando a um total de R$ 38 bilhões. A medida foi justificada para cumprir a meta de responsabilidade fiscal do governo federal.

Governo aumenta cortes no orçamento em R$ 10 bilhões

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Por Mario Coelho – congressoemfoco.com.br

O Ministério da Fazenda anunciou nesta segunda-feira (22) que o corte na Lei Orçamentária Anual da União para 2013 será ampliado em R$ 10 bilhões, chegando a um total de R$ 38 bilhões. A medida foi justificada para cumprir a meta de responsabilidade fiscal do governo federal. Além disso, a pasta também informou que a economia deve crescer 3% e a inflação neste ano ficará em 5,7%.

“O objetivo dessas medidas é melhorar a qualidade do gasto público, reforçar o resultado fiscal do governo central e tornar mais transparentes as medidas para atingir o resultado fiscal desejado”, informou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, de acordo com a assessoria da pasta. ““Estamos fazendo um reforço adicional para buscar um resultado fiscal mais satisfatório”, completou.

De acordo com as reestimativas apresentadas hoje pelos ministérios da Fazenda e do Planejamento, R$ 4,4 bilhões da verba contingenciada vêm de despesas discricionárias (não obrigatórias), que foram cortadas. Os R$ 5,6 bilhões restantes vêm da reestimativa de despesas obrigatórias. Os cortes não devem afetar recursos destinados para áreas prioritárias, como saúde, educação e programas como o Minha Casa Minha Vida e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Todas as informações, segundo a Agência Brasil, foram enviadas ao Congresso. Além de aumentar o corte no orçamento, o governo federal reduziu de 3,5% para 3% a previsão de crescimento da economia brasileira neste ano. Da mesma forma, a previsão da inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acabou revista. Ela deixa os atuais 5,2% para 5,7%.

Mais sobre orçamento

Mexendo no problema errado, Coluna Carlos Brickmann

sábado, 20 de julho de 2013

Carlos BrickmanNão é questão de nacionalidade: um dos maiores médicos do Brasil foi um ucraniano, Noel Nutels, que levou a saúde pública às áreas indígenas da Amazônia. A questão é outra: é que o Governo criou uma enorme polêmica por achar que Saúde é Medicina. E não é: Medicina é a última etapa na luta pela Saúde.

Mexendo no problema errado, Coluna Carlos Brickmann

sábado, 20 de julho de 2013

Coluna de Carlos Brickmann

Não é questão de nacionalidade: um dos maiores médicos do Brasil foi um ucraniano, Noel Nutels, que levou a saúde pública às áreas indígenas da Amazônia. A questão é outra: é que o Governo criou uma enorme polêmica por achar que Saúde é Medicina. E não é: Medicina é a última etapa na luta pela Saúde.

A Saúde começa pela engenharia – saneamento básico. A água potável e os esgotos reduzem o número de doentes (e derrubam a mortalidade infantil). Educação é o segundo passo: quem lava as mãos e cuida da higiene básica, mantém o mosquito da dengue à distância, assegura a limpeza dos animais domésticos e cuida de seu lixo tem mais condições de evitar doenças. Condições de vida são importantes: roupas e calçados minimamente adequados, alimentação suficiente, moradia saudável fazem milagres. Se uma pessoa educada, com acesso a saneamento básico, alimentação e moradia, devidamente vacinada, mesmo assim fica doente, então cabe à Medicina cumprir seu nobre e insubstituível papel de cura.

Em resumo, não adianta trazer grandes especialistas mundiais sem que a população tenha condições adequadas de vida. Tem? Não, não tem. E não falemos de periferias: Guarulhos, na Grande São Paulo, segunda maior cidade do Estado, 13ª do país, com 1,2 milhão de habitantes, onde está o maior aeroporto internacional do país, não trata nem metade dos esgotos que lança no rio Tietê.

A propósito: sem seringas, termômetro, um medidor de pressão, um medidor de glicemia, alguns remédios, que é que se espera de um médico? Milagres?

A razão da crise

O presidente da Volkswagen do Brasil, Thomas Schmall, falando em Porto Alegre, mostrou um número significativo, transcrito pelo bom blog de Fernando Albrecht (www.fernandoalbrecht.com.br): um americano com salário médio trabalha dez minutos para comprar um Big Mac; um alemão, 16 minutos; um brasileiro, 42 minutos.

E é provável que EUA e Alemanha usem carne brasileira.

Os saltimbancos

1 – O presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Alves, quer que Dilma Rousseff reduza o número de ministérios de 39 para 25. OK, a ideia não é ruim. Mas por que 25, e não 23, 27 ou 29? Por nada: ele gosta de 25, pronto. E deve achar que o número de ministérios nada tem a ver com as necessidades do Governo – tanto que cita o número sem qualquer estudo administrativo.

Será que Henrique Alves quer economizar dinheiro público? Não deve ser isso, não: o jantar em que reuniu a bancada do PMDB, dia 16, custou R$ 28.400 à Presidência da Câmara. Foram R$ 355,00 por pessoa, sem bebidas. Um esplêndido restaurante, como o Tatini, de São Paulo, não cobra nem a metade disso.

2 – O prefeito de Paulínia, SP, Édson Moura Jr., do PMDB, tomou posse e anunciou imediatamente o Passe Livre na cidade. A passagem custava R$ 1,00.

Será que o prefeito fez questão de ouvir a voz das ruas? Não deve ser isso, não. Já nomeou a madrasta, Regina de Mattos e Moura, secretária da Promoção Social. Talvez retribuindo a bondade do pai, Édson Moura, candidato à Prefeitura barrado por não ter a ficha limpa. Moura, na véspera da eleição, renunciou à candidatura em favor do filho. Como não havia tempo para registrar o nome do novo candidato, Moura Jr. se elegeu usando o nome do pai. Em seguida nomeia a esposa do pai. Gratidão é uma virtude. Pena que com dinheiro público.

Trabalhadores do Brasil

O Congresso já está de férias. Pela Constituição, não poderia: descanso, só depois de aprovada a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Mas, com aquele ritmo de trabalho escravo imposto a Suas Excelências, não houve tempo sequer para exame do tema na Comissão de Orçamento. Mas como agir para buscar as bases, ouvir seus eleitores?

Simples: em vez de entrar em férias, Senado e Câmara decidiram que não haverá sessões até 31 de julho. Se não há sessões, como comparecer às sessões? Há gente para quem tudo o que é complexo fica simples.

Bosque finito est

Que o papa Francisco, como dirigente espiritual da maioria da população brasileira, seja recebido com todas as honras e deferências, respeitando-se não apenas sua liderança religiosa e o posto supremo que ocupa, mas também suas inequívocas qualidades pessoais. Que o Governo se empenhe em oferecer-lhe as melhores condições para sua pregação; que os não católicos, mesmo os mais radicais, o tratem no mínimo com a hospitalidade devida aos visitantes.

Mas a Igreja Católica poderia ter-nos poupado a bobagem de derrubar 334 árvores em Niterói, RJ, para facilitar a realização da missa campal durante a Jornada Mundial da Juventude. Árvores com cem anos de vida não se repõem de uma hora para outra; e mexer com árvores exige autorização da Secretaria Municipal de Ambiente, que não foi sequer solicitada. Se o papa souber, não vai gostar.

Deixa pra lá

O deputado Marcos Feliciano, do PSC paulista, quer que Dilma vete parte da lei que obriga o SUS a atender mulheres que sofreram estupro. Besteira dele: é preciso cuidar das vítimas de acordo com a orientação médica, e Feliciano não é médico. É melhor ignorá-lo: não o ajude a garimpar votos fundamentalistas.