Arquivo de Abril de 2012

Delta pagou cartas eleitorais assinadas por Garotinho

segunda-feira, 30 de Abril de 2012

O ex-governador e atual deputado federal Anthony Garotinho, tem divulgado em seu blog vídeos e fotos que expõem as relações pessoais entre Sérgio Cabral e Fernando Cavendish, dono da empresa Delta. O ex-peemedebista, entretanto, já esteve ele próprio associado à empresa no passado – por meio, principalmente, dos candidatos que apoiava nas eleições municipais de 2004.

Delta pagou cartas eleitorais assinadas por Garotinho

segunda-feira, 30 de Abril de 2012
 
Yuri Freitas
Do Contas Abertas

O ex-governador do Rio de Janeiro e atual deputado federal pelo Partido da República, Anthony Garotinho, tem divulgado em seu blog vídeos e fotos que expõem as relações pessoais entre Sérgio Cabral, atual governador do estado pelo PMDB, e Fernando Cavendish, dono da empresa Delta Construções S/A, em 2009. O ex-peemedebista, entretanto, já esteve ele próprio associado à empresa no passado – por meio, principalmente, dos candidatos que apoiava nas eleições municipais de 2004.

De acordo com matéria do jornalista Lúcio Vaz, Correio Braziliense, de 12 de fevereiro de 2006, a construtora de Cavendish pagou a postagem de cartas pedindo votos ao então candidato à prefeitura de Nova Iguaçu-RJ, Mário Marques, do PMDB – que naquelas eleições municipais, de 2004, recebeu doações de R$ 119,9 mil da Delta. As cartas traziam a assinatura de Anthony Garotinho, onde, além de pedir votos ao candidato, dizia estar “orando” pelos “irmãos e irmãs”. Também houve envio de cartas, pagas pela Delta, com pedidos de voto para o candidato do PSC à prefeitura de Itatiaia-RJ, Nilson Neves, igualmente com assinatura de Garotinho.

O Contas Abertas conversou com o jornalista Lúcio Vaz, que – durante estadia no estado do Rio, na época – teve acesso ao conteúdo das cartas. O pagamento e envio da correspondência chegou a ser investigado pelo Ministério Público. Conforme reportagem, a Delta, que tem contratos com o Departamento Estadual de Estrada e Rodagens (DER), é a maior acionista da concessionária Rota 116, administradora do trecho Itaboraí-Friburgo.

O governo do estado possuía convênio com a prefeitura de Nova Iguaçu, na gestão de Nelson Bornier, do PMDB, para obras de pavimentação, saneamento e drenagem. Ainda segundo reportagem, “o prefeito dividiu a obra em 77 partes, de forma que cada área não ultrapassasse o valor de R$ 1,5 milhão. Assim, foram realizadas tomadas de preços. Do total de R$ 104 milhões, a Delta ficou com R$ 42,5 milhões, ou 30 lotes. O Tribunal de Contas do Estado apontou indícios de irregularidades e está investigando o caso”.

A matéria afirma ainda que, a respeito dos repasses da Delta a políticos do PMDB no estado, foram apreendidos pacotes com dinheiro vivo no diretório do partido em Campos dos Goytacazes, no Rio, município do candidato Geraldo Pudim , que naquele ano recebeu doações de R$ 300 mil da construtora. Pudim recebia apoio maciço de Garotinho – nas eleições seguintes, o slogan “votar no Pudim é votar no Garotinho” o fez se eleger deputado federal. A construtora também destinou a quantia de R$ 100 mil ao candidato do PL à prefeitura de Magé, Reinaldo Pereira Pinto.

Na época, procurado pela reportagem, o tesoureiro do PMDB do Rio de Janeiro, Luiz Rogério Magalhães, afirmou que foram utilizadas “franquias que a empresa (Delta) tinha com os Correios” e negou que o ex-governador tivesse relações pessoais com os donos da Delta. Já a empreiteira afirmou que contribuiu, na forma da Lei Eleitoral, para as campanhas dos candidatos a prefeito de Nova Iguaçu e Itatiaia. “Os comitês de campanha dos candidatos solicitaram que a contribuição fosse realizada por meio de pagamento de custos de postagem de correspondência. Tal contribuição foi realizada através de contrato firmado entre a Delta e a empresa de Correios”.

As relações da Delta com filiados do PMDB não são recentes. Acesse aqui link com a matéria completa de Vaz.

Igreja teria recebido R$ 1,2 milhão para enterrar mafioso com papas

segunda-feira, 30 de Abril de 2012

O enterro de um importante chefe mafioso, há 22 anos, tem trazido complicações para o Vaticano. A Igreja teria recebido um bilhão de liras (mais de R$ 1,2 milhão), a antiga moeda italiana, como pagamento da viúva para enterrar o mafioso na basílica, ao lado de papas.

Igreja teria recebido R$ 1,2 milhão para enterrar mafioso com papas

segunda-feira, 30 de Abril de 2012

O enterro de um importante chefe mafioso, há 22 anos, tem trazido complicações para o Vaticano. Segundo novas informações, a Igreja teria recebido um bilhão de liras (mais de R$ 1,2 milhão), a antiga moeda italiana, como pagamento da viúva para enterrar o mafioso na basílica, ao lado de papas.

De acordo com uma fonte da Santa Sé, apesar de inicialmente ter relutado, o então vigário-geral de Roma, cardeal Ugo Poletti, cedeu à grande quantia e permitiu o sepultamento de Enrico De Pedis, chefe do grupo Banda da Magliana, máfia da capital italiana. O dinheiro teria sido usado para a restauração da Basílica de São Apolinário, onde De Pedis foi enterrado após seu assassinato em 1990, ao lado de papas e cardeais. O Vaticano não comentou as informações.

Na semana passada, para combater as criticas à inexplicável presença do corpo de um criminoso em local considerado sagrado, o Vaticano decidiu retirar os restos mortais de De Pedis de sua cripta especial.

No início de abril, a pressão sobre o mistério do assassinato do mafioso aumentou após o procurador Giancarlo Capaldo afirmar que autoridades do Vaticano sabiam sobre as ligações do chefe da Magliana com a Santa Sé e sobre o suposto sequestro e assassinato de Emanuela Orlandi, filha de 15 anos de um funcionário do Vaticano, em 1983.

O sequestro e assassinato de Emanuela teriam sido planejados para calar o pai da menina, que teria provas que ligavam o Instituto para Obras de Religião – o Banco do Vaticano – ao crime organizado. O mafioso De Pedis teria sido o organizador dos crimes. Nos últimos 20 anos, houve especulações de que os restos mortais da jovem teriam sido colocados junto com os do criminoso. O irmão de Emanuela, Pietro Orlandi, é um dos que pedem pra que o túmulo seja aberto.

Em meio a sérias criticas após recentes escândalos, o Vaticano nega as acusações e pondera sobre a reabertura da cripta para que os rumores sejam aplacados. “Nada foi escondido e não há segredos a serem revelados”, afirmou Federico Lombardin, porta-voz do Vaticano.

Após a abertura do túmulo, os restos mortais de Enrico De Pedis, e supostamente os de Emanuela, serão transferidos para outro local ainda não definido. Caso não sejam encontrados indícios de sepultamento da jovem, o mistério sobre seu desaparecimento permanecerá. Outras teorias sobre o sumiço de Emanuela são cogitadas, como a que sugere que membros da Magliana a entregaram a extremistas turcos para servir de troca para a libertação de Mehmet Ali Agca, atirador turco que tentou matar o Papa João Paulo II em 1981.

De olho em licitações milionárias, Cachoeira até espionou a cúpula do Dnit

segunda-feira, 30 de Abril de 2012

O Dnit, para Cachoeira, passou a ser um órgão estratégico: o bicheiro tentou emplacar superintendentes e usou a espionagem de seu grupo criminoso para vasculhar a vida do diretor-geral do órgão, Jorge Fraxe, nomeado pela presidente Dilma Rousseff durante a faxina no Ministério dos Transportes, em setembro do ano passado.

De olho em licitações milionárias, Cachoeira até espionou a cúpula do Dnit

segunda-feira, 30 de Abril de 2012

O bicheiro Carlinhos Cachoeira se aproximou de empreiteiras estratégicas para o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e beneficiárias de repasses milionários do órgão.

Além das negociatas para favorecer a Delta Construções, a empreiteira com a maior fatia do dinheiro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o contraventor manteve contatos com representantes da Data Traffic, responsável por obras de fiscalização eletrônica em rodovias, e da JM Terraplanagem e Construções, que constrói rodovias em áreas isoladas da Região Norte.

O Dnit, para Cachoeira, passou a ser um órgão estratégico: o bicheiro tentou emplacar superintendentes e usou a espionagem de seu grupo criminoso para vasculhar a vida do diretor-geral do órgão, Jorge Fraxe, nomeado pela presidente Dilma Rousseff durante a faxina no Ministério dos Transportes, em setembro do ano passado.

A Polícia Federal incluiu Paulo Roberto Vilela, descrito na planilha como “diretor de Engenharia da Data Traffic”, na lista de pessoas ligadas a Cachoeira. A Data Traffic é uma empresa goiana especializada em fiscalização eletrônica de rodovias por meio de radares.

Paulo Roberto foi presidente da empresa e, hoje, atua numa construtora em Brasília. Até agosto de 2011, o engenheiro era identificado como diretor-presidente em atos oficiais. Durante a gestão de Paulo Roberto, a empresa obteve nove contratos com o Dnit, que totalizam R$ 228,8 milhões.

Quatro foram concluídos e cinco estão em vigor, referentes à instalação de equipamentos eletrônicos para monitoramento de velocidade em rodovias de Goiás, Pernambuco e Paraíba. Numa conversa telefônica gravada pela PF em julho de 2011, Cachoeira e o então diretor da Delta no Centro-Oeste, Cláudio Abreu, falam sobre a Data Traffic e sobre contratos de inspeção veicular.

A JM Terraplanagem e Construções, empresa sediada no DF, também obteve contratos milionários do Dnit. Mesmo com os apontamentos de superfaturamento em obras rodoviárias no Acre, feitos pelo Tribunal de Contas da União (TCU), a JM continuou a ser beneficiada pelo órgão, vinculado ao Ministério dos Transportes.

Os 10 contratos somam R$ 220,5 milhões. O último, no valor de R$ 54,6 milhões, é uma rumorosa dispensa de licitação para a construção de estradas que integrariam duas aldeias indígenas à BR-163, no Pará.

Foi a maior dispensa de concorrência já feita na gestão do general do Exército Jorge Fraxe. Depois de o caso ter sido revelado, em 1º de abril, Fraxe comunicou a suspensão do contrato e dos pagamentos e a realização de uma nova licitação.

Inspeção veicular

Os diálogos telefônicos interceptados na Operação Monte Carlo trazem uma provável referência à empreiteira. Cachoeira conversa com o ex-vereador Wladmir Garcez, também denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por integrar o alto escalão da organização criminosa, num diálogo gravado em junho de 2011.

Wladmir menciona o “Júlio da JM” ao bicheiro, “aquele cara que viajou com nós pra Cuiabá”, conforme a transcrição. Em entrevista ao Estado de Minas, o diretor comercial da JM Terraplanagem, Júlio César de Ávila Oliveira, disse nunca ter visto ou conversado com Cachoeira.

Mas admitiu que “batia papo” com Cláudio Abreu, ex-diretor da Delta, que hoje está preso por envolvimento no grupo criminoso. A JM Terraplanagem participa de um consórcio com a Delta Construções, no valor de R$ 223 milhões, para duplicar 50 quilômetros da BR-060, em Goiás.

A Delta foi apontada como ligada a Cachoeira a partir da revelação de um grampo telefônico em que o bicheiro cobra de Cláudio Abreu a devolução de R$ 500 mil.

Cachoeira faz referência ao ex-senador Eduardo Siqueira Campos (PSDB), que exerce o cargo de secretário de Relações Institucionais no governo de Tocantins. O pai de Eduardo, Siqueira Campos (PSDB), é o governador de Tocantins. “Computa procê aqueles 500 lá, viu? Não quero nem ver aquele Eduardo”, diz Cachoeira. Cláudio defende o filho do governador.

“Eduardo também é bom. Ele mandou dar pra nós a inspeção veicular.” Na entrevista à imprensa de Tocantins, em que explicou a existência dos R$ 500 mil, Eduardo disse se tratar da doação feita pela JM Terraplanagem ao comitê financeiro do PSDB no estado nas eleições de 2010. A empreiteira doou R$ 500 mil ao comitê.

O diretor comercial da JM diz ter feito a doação ao comitê do PSDB porque a empresa pretendia estabelecer uma parceria público-privada com o governador eleito de Tocantins. Júlio César afirma que não sabia das ligações de Cláudio Abreu com Cachoeira.

Fonte: votebrasil.com

Brizola Neto é o novo ministro do Trabalho

segunda-feira, 30 de Abril de 2012

O deputado Brizola Neto (PDT-RJ), de 33 anos, é o novo ministro do Trabalho. Ele foi escolhido pela presidenta Dilma Rousseff depois que ela se reuniu o com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, ex-titular da pasta. Ele será o mais jovem entre os ministros de Dilma.

Brizola Neto é o novo ministro do Trabalho

segunda-feira, 30 de Abril de 2012

Por Eduardo Militão  – congressoemfoco.com.br

 

O deputado Brizola Neto (PDT-RJ), de 33 anos, é o novo ministro do Trabalho. Ele foi escolhido pela presidenta Dilma Rousseff na manhã desta segunda-feira (30) depois que ela se reuniu o com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, ex-titular da pasta. Ele será o mais jovem entre os ministros de Dilma.

Lupi deixou o ministério em dezembro do ano passado após ter seu nome ligado a uma série de denúncias. Desde sua saída, o ministério é dirigido interinamento por Paulo Roberto Santos.

Leia outros destaques do Congresso em Foco
Carlos Lupi pede demissão do Ministério do Trabalho

A escolha de Brizola Neto ocorre na véspera do Dia do Trabalho. A reunião com Lupi, marcada para as 10h de hoje, foi incluída de última hora na agenda de Dilma Rousseff. Até então, os únicos compromissos oficiais da presidenta eram despachos com assessores e uma reunião com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, marcada para as 16h.

Neto do ex-governador Leonel Brizola, morto em 2004, e sobrinho-neto do ex-presidente João Goulart, o deputado está em seu segundo mandato federal. É filiado ao PDT desde 1997. Também foi vereador no Rio e secretário estadual de Trabalho e Renda.

A nomeação de Brizola Neto, porém, não agrada à cúpula do partido, que preferia outros dois nomes: o deputado Vieira da Cunha (RS) e o secretário-geral do PDT, Manoel Dias. Nenhum deles, no entanto, gozava da simpatia da presidenta.

Dilma preferiu Brizola Neto por considerá-lo um aliado fiel ao seu governo. No final de fevereiro, por exemplo, o deputado fluminense votou a favor do novo modelo de previdência para o funcionalismo público, com a criação da Fundação de Previdência Complementar do Serviço Público Federal (Funpresp). Dos 24 pedetistas, apenas o deputado fluminense e Marcos Medrado (BA) votaram conforme a orientação do Planalto (veja a lista de votação). O restante da bancada se posicionou contra a proposta governista.

A posse do novo ministro está prevista para a próxima quinta-feira.

Jornada dupla

Carlos Lupi pediu demissão do Ministério do Trabalho depois que a Comissão de Ética da Presidência recomendou sua saída do governo. Conforme revelou o jornal Folha de S. Paulo, Lupi ocupou simultaneamente, por quase cinco anos, dois cargos de assessor parlamentar em órgãos públicos distintos, a Câmara dos Deputados, em Brasília, e a Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Ao deixar o cargo, ele afirmou ter sido alvo de uma “perseguição política e pessoal da mídia” durante dois meses. O pedetista questionou também a recomendação da Comissão de Ética Pública, acusando o colegiado de não lhe ter garantido o direito à defesa. “Saio com a consciência tranquila do dever cumprido, da minha honestidade pessoal e confiante por acreditar que a verdade sempre vence”, afirmou na época.

E se seu cão pudesse assistir TV?

domingo, 29 de Abril de 2012

Muitas coisas podem prender a atenção de um cão: esquilos, bolas de tênis, cheiros esquisitos, outros cães. Mas um canal de TV? Absolutamente, dizem os fabricantes da DogTV, a primeira rede a cabo a oferecer 24 horas de programação para cães. A ideia, dizem eles, é lançar um canal para, enquanto você sai durante o dia, manter o seu animal de estimação estimulado, entretido e descontraído. Chame isso de “Vila Sésamo” para aqueles que nunca vão aprender o ABC. Os programas da DogTV são na verdade três segmentos de seis minutos de campos de gramados, bolas saltando e seres humanos esfregando a barriga de cães. Há também segmentos que mostram aspiradores silenciosos e suaves campainhas para ajudar a tornar os cães mais acostumados com tais agitações comuns da casa.

Executivos da rede dizem que a programação é cientificamente concebida para atender aos cães: “Nós fizemos três anos de pesquisa sobre como os cães reagem a diferentes estímulos”, disse Bonnie Vieira, porta-voz da DogTV. “Para cães que sofrem de ansiedade com a separação do dono, a DogTV é uma ferramenta que pode ajudar a aliviá-los, talvez por isso eles não se metam em problemas, e os donos fiquem mais felizes e relaxados quando chegam em casa”, disse.

Mas pode realmente o cão ser beneficiados com a televisão? Como a maioria das perguntas sobre a consciência canina, a resposta depende a quem você pergunta. “Eu acho que muito disso é para nos fazer sentir melhor em vez de fazer o animal de estimação mais feliz”, disse Dr. Ann E Hohenhaus, um veterinário da equipe do Centro Médico Animal em Manhattan. “O animal precisa de exercício adequado e de um ambiente interessante. Você não pode simplesmente ligar a TV e esperar que o seu cão fique melhor”. Ainda assim, se o cão está prestando atenção à tela, as probabilidades são de que ele goste do que vê. “Se o cão não estivesse gostando, ele iria encontrar outra coisa para fazer, como morder o sofá”, disse Dr. Hohenhaus. Dessa forma, os programas para os cães podem ser um componente destinado a aliviar a ansiedade da separação.

Em um teste da DogTV na Escondido Humane Society, na Califórnia, os animais alojados em uma “ala de avaliação de comportamento” – essencialmente um ponto de retenção para novos residentes – descobriram que a exposição ao canal, pelo menos temporariamente, ajudou a reduzir os latidos e o comportamento impaciente.

“Se seu cão realmente presta atenção à televisão, pode ter mais a ver com a tela do que com o que está passando nela”, disse Stanley Coren, professor de psicologia da University of British Columbia. Ele deve saber do que fala: em 2007, ele criou uma série de DVDs para cães: “The Dog Companion”. ”Os cães têm uma sensibilidade de movimento fantástico”, disse Dr. Coren, o que significa que a ilusão de ótica que faz com que as imagens em uma TV pareçam fluidas não os engana tão facilmente como acontece com os seres humanos. “Para os cães não parece real. Para aumentar as chances de seu cão prestar atenção, coloque a TV, de alta definição, no nível do olho do animal”, aconselhou Dr. Coren.

“Algumas pessoas me escreveram falando: “este DVD não funcionou, o meu não deu atenção a ele. Mas, assim como as pessoas, alguns cães não gostam de TV”, disse Teoti Anderson, ex-presidente da Association of Pet Dog Trainers. “Dois dos meus cães não prestam atenção à TV, independente do que está acontecendo. Mas caso seu cão demonstre interesse, ele provavelmente pode aprender com o que vê na televisão”, disse.

Expor um animal de estimação a versões suaves de situações irritantes cotidianas, como aspiradores e campainhas, por exemplo, é um método testado que pode reduzir o medo do animal. Mas um aspecto importante da técnica é o volume da transmissão que tem que ser confortável – assim, dependendo de como o cão se comporte, o proprietário pode aumentar o som.

Mas, claro, os donos de cães não devem confundir o tempo de TV, com um tempo de qualidade para o animal, os especialistas advertem: “A TV, definitivamente, não é um substituto para o tempo de brincar com o seu cão. O exercício pode resolver um monte de problemas comportamentais”.

E se seu cão pudesse assistir TV?

domingo, 29 de Abril de 2012

Muitas coisas podem prender a atenção de um cão: esquilos, bolas de tênis, cheiros esquisitos, outros cães. Mas um canal de TV? Absolutamente, dizem os fabricantes da DogTV, a primeira rede a cabo a oferecer 24 horas de programação para cães.

STF libera ao Congresso acesso a inquérito sobre Demóstenes

sexta-feira, 27 de Abril de 2012

Integrantes da CPI e do Conselho de Ética do Senado poderão fazer cópias da íntegra dos autos das investigações contra o senador goiano. O ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski alerta para restrições de publicação do conteúdo por causa do sigilo do inquérito.

STF libera ao Congresso acesso a inquérito sobre Demóstenes

sexta-feira, 27 de Abril de 2012

Por Mariana Haubert – congressoemfoco.com.br

Integrantes da CPI e do Conselho de Ética do Senado poderão fazer cópias da íntegra dos autos das investigações contra o senador goiano. Ministro alerta para restrições de publicação do conteúdo por causa do sigilo do inquérito.

O ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski, relator do inquérito que está em análise na corte para investigar as relações do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, autorizou hoje (27) três comissões do Congresso a retirarem cópia integral dos autos da investigação a partir de hoje.

Outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Integrantes da CPI mista, do Conselho de Ética do Senado e da Comissão de Sindicância da Câmara dos Deputados poderão fazer cópias integrais do conteúdo das investigações. Além de Demóstenes, dois deputados – Carlos Alberto Leréria (PSDB-GO) e Sandes Júnior (PP-GO) – também são alvos de apuração que investigam se houve irregularidades em suas relações com Carlinhos Cachoeira.

No entanto, segundo a decisão do ministro, os parlamentares não poderão, em hipótese alguma, divulgar as informações das investigações. Em sua decisão, Lewandowski faz um alerta para que os congressistas observem as “restrições de publicidade” devido ao segredo de Justiça do processo. O ministro se baseou em casos semelhantes em que, apesar do sigilo, o Supremo compartilhou informações para viabilizar informações. Devido ao sigilo, nem a decisão do ministro pode ser divulgada, segundo a assessoria de imprensa do STF.

A quebra do segredo de Justiça é crime previsto na legislação braisleira e quem o cometer pode pegar de dois a quatro anos de prisão, além de multa. De acordo com o STF, o ministro citou a lei em sua decisão. Ele também fez referências explícitas às interceptações telefônicas realizadas pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo.

Demóstenes foi grampeado em conversas que teve com Carlinhos Cachoeira. Para a Polícia Federal, as escutas, realizadas com autorização judicial, indicam que o senador usou seu mandato para beneficiar o contraventor.

Conselho de Ética

Ontem (quinta,26) o Conselho de Ética se reuniu e definiu as datas das próximas reuniões. O colegiado investiga se houve quebra de decoro parlamentar por parte do senador, com base em uma representação proposta pelo Psol. Na próxima quinta-feira (3), os senadores se reunirão para ouvir a apresentação do relatório preliminar sobre a admissibilidade do processo, em que o relator do caso, Humberto Costa (PT-PE), indicará se o Conselho deve abrir oficialmente o processo contra Demóstenes.

Mas o colegiado discutirá e votará o mérito do parecer somente no dia 8. Os senadores poderão decidir pelo arquivamento do caso ou pelo aprofundamento das investigações. Pelo regimento do Senado, não há prazo definido para apresentação do relatório final. Apesar disso, Humberto Costa garantiu que não protelará os trabalhos. “Aqui temos um julgamento político, que deve ser feito de forma célere”.

Câmara aprova regime de urgência para votar fim do fator previdenciário

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Câmara dos Deputados aprovou o regime de urgência para a votação do projeto que extingue o fator previdenciário. Com isso, a proposta poderá ir direto para votação no plenário, sem precisar passar por comissões.

Câmara aprova regime de urgência para votar fim do fator previdenciário

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Proposta pode ser votada direto no plenário, sem passar por comissões. Marco Maia destacou, contudo, que não há previsão para a votação.

Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (25) regime de urgência para a votação do projeto que extingue o fator previdenciário. Com isso, a proposta poderá ir direto para votação no plenário, sem precisar passar por comissões.

O presidente da Casa, Marco Maia (PT-RS), destacou, contudo, que não há previsão para a entrada da matéria em pauta.

O fator previdenciário é uma fórmula criada em 1999, que leva em consideração a idade, o tempo de contribuição e a expectativa de vida do brasileiro para o cálculo do valor da aposentadoria. O instrumento visa reduzir o valor do benefício de quem se aposenta por tempo de contribuição antes de atingir 65 anos, no caso de homens, ou 60, no caso das mulheres.

O tempo mínimo de contribuição para aposentadoria é de 35 anos para homens e 30 para mulheres. O acordo para votar o regime de urgência se deu após a conclusão de uma versão do projeto pela Câmara de Negociação sobre Desenvolvimento Econômico e Social, criada para analisar propostas econômicas e trabalhistas.

O texto desse grupo de trabalho prevê que, para obter aposentadoria com 100% do valor do benefício, a soma do tempo de contribuição e da idade do trabalhador deve totalizar o número 85 para mulheres e 95 para os homens.

Segundo Marco Maia, o objetivo de aprovar a urgência é abrir o debate sobre alternativas ao fator previdenciário. “O que queremos é estimular que todos esses setores, governo, centrais e Parlamento, comecem um processo de negociação que possa levar a um acordo de substituição do fator previdenciário no Brasil”, disse.

O fim do fator previdenciário já foi aprovado pelo Congresso, mas o projeto foi vetado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “A intenção de todos ágora é construir, nas bases do que foi discutido no passado, um acordo que possa permitir a aprovação e a efetivação do projeto”, afirmou o presidente da Câmara.

Fonte: votebrasil.com

Aspirina pode reduzir em um terço risco de morte por câncer de intestino, diz estudo

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Pacientes de câncer no intestino que tomam aspirina podem reduzir em um terço o risco de morrer por causa da doença, acreditam especialistas. Mas eles dizem ser muito cedo para concluir que o medicamento deveria ser ministrado regularmente a pacientes.

 

Aspirina pode reduzir em um terço risco de morte por câncer de intestino, diz estudo

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

 

Pacientes de câncer no intestino que tomam aspirina podem reduzir em um terço o risco de morrer por causa da doença, acreditam especialistas.

Mas eles dizem ser muito cedo para concluir que o medicamento deveria ser ministrado regularmente a pacientes.

Outros estudos já apontaram para benefícios do analgésico no tratamento de outros tipos de câncer. Mas a droga também pode ter indesejáveis e perigosos efeitos, causando irritação estomacal e hemorragia interna em alguns pacientes.

O estudo, publicado pelo British Journal of Cancer, examinou 4.500 pacientes na Holanda. Todos receberam baixas doses diárias de aspirina – 80mg ou menos – dose também é recomendado a pessoas com doenças cardíacas.

No estudo, que levou quase uma década, um quarto dos pacientes não usaram aspirina, um quarto apenas usou aspirina depois de ser diagnosticado com câncer e a metade restante tomou aspirina antes e depois do diagnóstico.

A maior parte dos pacientes que tomaram aspirina o fizeram para evitar doenças cardiovasculares, como enfarte e acidentes vasculares.

Tomar aspirina por qualquer período depois do diagnóstico reduziu a chance de morte por câncer em 23%.

Os pacientes que tomaram doses diárias do medicamento por pelo menos nove meses depois do diagnóstico tiveram a chance de morrer por câncer reduzida em 30%.

Os que usaram aspirina apenas depois de diagnosticado o câncer de intestino apresentaram um maior impacto na redução de mortalidade.

Nos pacientes que tomaram a aspirina antes e depois do diagnóstico, a redução do risco de morte foi de apenas 12%.

A razão para isso talvez seja o fato de que vários dos pacientes que já vinham tomando o analgésico sofriam de tipos de câncer particularmente agressivos, afirmam especialistas.

O pesquisador Gerrit-Jan Liefers, do Centro Medicinal da Universidade de Leiden, afirmou: “Nosso trabalho soma-se a crescentes evidências de que a aspirina não apenas pode prevenir a ocorrência de câncer mas também impedir que a doença se espalhe”.

Ele disse que a aspirina não deve ser vista como alternativa a outros tratamentos, como a quimioterapia, mas poderia ser útil como tratamento adicional.

Recomendar, não

“É possível que pessoas mais velhas tenham outros problemas de saúde que não permitam a quimioterapia. Câncer de intestino é mais comum em pessoas mais velhas, então esses resultados poderiam ser um grande avanço no tratamento da doença, particularmente para este grupo. Mas precisamos de pesquisa adicional para confirmar isso.”

Ele disse que o plano agora é fazer um teste aleatório controlado – chamado “Gold Standart Test” na pesquisa – para verificar se a aspirina prevalece sobre uso de placebo junto ao mesmo grupo de idosos.

Sarah Lyness, da Cancer Research UK, disse: “Este último estudo acrescenta evidências sobre os benefícios da aspirina. Mas ainda não chegamos ao ponto de recomendar que as pessoas tomem aspirina para reduzir o risco de câncer.

“Ainda há questões que precisamos responder sobre efeitos colaterais, como hemorragia interna, e sobre quais seriam os maiores beneficiados pelo uso da aspirina, quem poderia sofrer efeitos negativos e ainda que dose deveria ser ministrada”.

“Qualquer um pensando em tomar aspirina para reduzir o risco de câncer deveria conversar com seu médico primeiro. Pessoas com câncer devem estar cientes de que a aspirina pode aumentar as chances de complicações antes de cirurgia ou outros tipos de tratamento, e devem discutir isso com o especialista.

“Enquanto isso, há outras formas de reduzir os riscos de câncer, como não fumar, beber menos álcool e manter um peso saudável”.

Fonte: votebrasil.com

Inquérito da PF diz que Perillo recebeu dinheiro de Cachoeira

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

O inquérito da Polícia Federal na Operação Monte Carlo indica que intermediários do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, entregaram “grande quantidade de dinheiro” para o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), no Palácio das Esmeraldas, sede do Poder Executivo local.

Inquérito da PF diz que Perillo recebeu dinheiro de Cachoeira

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

O inquérito da Polícia Federal na Operação Monte Carlo indica que intermediários do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, entregaram “grande quantidade de dinheiro” para o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), no Palácio das Esmeraldas, sede do Poder Executivo local.

Gravações telefônicas realizadas pela PF no dia 10 de junho do ano passado flagraram o contador de Cachoeira, Geovani Pereira da Silva, informando ao chefe que estava enviando, via dois assessores, uma caixa de computador “com aquele negócio” para ser entregue no Palácio.

Tratava-se de dinheiro, segundo trecho de relatório da PF intitulado “Entrega de dinheiro no Palácio do Governo de Goiás”. O agente responsável pela análise observa que era preciso cruzar as informações com dados da movimentação financeira da quadrilha. “Provável grande quantidade de $”, escreve o policial no relatório, ao qual o Estado teve acesso.

De acordo com as investigações, os dois auxiliares de Cachoeira que combinaram a entrega do dinheiro são Gleyb Ferreira da Cruz, apontado como braço direito para assuntos financeiros da quadrilha, e o ex-vereador do PSDB de Goiânia Wladimir Garcez Henrique – ambos presos em fevereiro. As gravações telefônicas da PF mostram que Gleyb buscou o dinheiro com Geovani e se encontrou com Wladimir, que já estava esperando no Palácio das Esmeraldas. Todos os passos dos auxiliares eram monitorados por Cachoeira.

Perillo negou, por meio de sua assessoria, que tenha recebido dinheiro do grupo de Cachoeira. Ele classificou o assunto de “esdrúxulo” e assegurou que o encontro nunca ocorreu. “O governador nunca tratou, no Palácio, de assuntos que não fossem de interesse do governo. Ele rechaça com toda a veemência qualquer afirmação em contrário.”

Obama, um socialista europeu?

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Por Michael Kazin
No último outono, Mitt Romney afirmou que Obama “tem sua inspiração política na Europa e em seus socialistas”. Eu gostaria que isso fosse verdade, embora o socialismo tenha raízes norte-americanas também.

Obama, um socialista europeu?

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Por Michael Kazin – opiniaoenoticia.com.br

No último outono, Mitt Romney afirmou que Obama “tem sua inspiração política na Europa e em seus socialistas”. Eu gostaria que isso fosse verdade, embora o socialismo tenha raízes norte-americanas também. Mas, na verdade, Romney não tinha nenhuma evidência para a sua colocação. Nos países mais ricos da Europa, os cidadãos têm o beneficio do berço ao túmulo do sistema de bem-estar social, até a atual onda de austeridade. Enquanto isso, a principal conquista do nosso presidente é um projeto de saúde modelado a partir do que foi projetado por seu adversário do Partido Republicano.

Não parece incomodar os republicanos que a condenação do presidente como um socialista seja tão contrária dos fatos. Mas o que me incomoda é o fracasso do Partido Democrata ao subir para o nível dos insultos ao Partido Republicano. De fato, um dos aspectos mais deprimentes da política norte-americana hoje é como os democratas foram coagidos a uma postura defensiva na batalha de ideias. Obama declarou que “o governo deveria fazer para as pessoas apenas o que eles não podem fazer melhor por si só e nada mais”. Compare essa postura apologética com a plataforma de eleição de François Hollande, o provável socialista a ser eleito presidente da França em 6 de maio, que declara: “A igualdade está no coração de nossos ideais. A redistribuição permanente de recursos e riquezas é necessária para fazer a igualdade de direitos uma realidade, para reduzir as disparidades de condições e lutar contra a pobreza”.

Leia também: Tribute-me se for capaz
Leia também: Pesquisa aponta empate entre Obama e Romney
Leia também: A guerra do catolicismo contra Obama

Comparado com seus homólogos europeus o Partido Democrata é defensivo. E isso é um problema para o qual eu gostaria de oferecer uma solução modesta: os norte-americanos da esquerda devem realmente começar a defender os princípios básicos do socialismo.

Eu não estou, é claro, me referindo ao cruel sistema ineficiente antidemocrático que reinou na antiga União Soviética e sobrevive apenas na atual Cuba. Os ideais socialistas que valem a pena serem considerados são escrupulosamente democráticos e libertários civis. E eles continuam sendo uma opção nas nações de quase toda a Europa, bem como no Japão, América Latina e África do Sul.

Nos Estados Unidos, tais pontos de vista nem sempre foram considerados diabólicos ou alienígenas. Um século atrás, o Partido Socialista da América, elegeu centenas de candidatos em municípios como Antlers, Oklahoma e Nova York, e atraiu pensadores importantes como John Dewey, DuBois e Thorstein Veblen. Ataques socialistas sobre a injustiça do capitalismo desregulados ajudaram a inspirar a criação de agências como o FDA, a SEC, e do National Labor Relations Board. Elas ajudaram a fazer os norte-americanos receptivos ao apelo de Franklin Roosevelt para um futuro em que a segurança econômica seria alcançar um status tão elevado como a Primeira Emenda da Constituição.

Em 1966, o organizador dos direitos civis Bayard Rustin e o economista Leon Keyserling, elaboraram um plano abrangente para uma nova ordem social-democrata. O plano teria garantido a todo cidadão um trabalho, um rendimento anual, seguro de saúde, boas escolas, e habitação digna, tudo pago por um imposto de renda progressivo que seria desapossado dos ricos. Ele foi calorosamente aprovado por Martin Luther King Jr e por cada grande organização negra, assim como por muitos sindicatos. Mas a escalada da guerra no Vietnã rompeu a coligação que apoiou e o aumento do conservadorismo logo fez toda a ideia de redistribuição da riqueza um pária eleitoral.

Hoje, na ausência de uma alternativa radicalmente igualitária, Obama e seus companheiros centristas liberais, se tornaram, por padrão, a maioria dos norte-americanos. No outono passado, manifestantes fizeram uma tentativa astuta de ampliar o espectro ideológico, mas o aumento do movimento foi suspenso, pelo menos no momento. Portanto, não há incentivo para que o presidente ou a maioria dos outros democratas questionem o messianismo de livre mercado, que une todos os republicanos, e alegra os corações (e abre os talões de cheques) de ricos em todo o país.

Um movimento articulado socialista fora do Partido Democrata oferece uma escolha mais ousada. Seriam necessários sindicatos, ou uma nova forma de união, para dar aos trabalhadores um músculo institucional para empurrar para trás cortes salariais e a disseminação do emprego precário. Seria difícil definir cuidados com a saúde nacional, financiada pela tributação progressiva, como a marca de uma sociedade civilizada, bem como a única maneira séria de controlar os custos. Esta medida iria encorajar experimentos em propriedade cooperativa e controle local.

O renascimento da social-democracia seria uma bênção para os democratas tradicionais também. Com uma esquerda séria e uma direita inflexível por outro lado, eles poderiam fazer um autêntico apelo para os eleitores que dizem quererem um verdadeiro regime moderado centrista. No mínimo, os conservadores teriam que abandonar suas concepções maniqueístas e começar a debater as suas posições de adversários.

Ironicamente, a ilusão sobre a ideologia de Obama pode já estar ajudando o “socialismo”, ao menos como uma palavra para desfrutar de um pouco de atenção. Em uma pesquisa da Pew Research Center realizada em dezembro de 2011, jovens de 18 a 29 anos de idade disseram ter opiniões positivas do socialismo, como tiveram do capitalismo. Em geral, três de cada dez norte-americanos tiveram uma reação positiva ao “socialismo”. Apenas 50% apoiavam calorosamente o “capitalismo”.

Agora, seria obviamente um erro levar essa, e as pesquisas semelhantes, muito a sério. A maioria dos norte-americanos que diz gostar do “socialismo” estão, sem dúvida, reagindo às acusações de direita contra um presidente que eles gostam. Se Obama é um socialista, isso soa bem para eles.

Mas a onipresença do termo em si pode constituir uma oportunidade para os radicais ofereceram ao público, pela primeira vez em décadas, um argumento para o socialismo fundamentado em ideais que a maioria dos norte-americanos estimam: responsabilidade comunitária e direitos iguais. Como Michael Harrington, o último grande líder dos socialistas dos EUA, escreveu em 1966: “A democratização do poder econômico, social e política concentrada é a única esperança para a realização de ideais humanistas ocidentais. A possibilidade de uma nova ordem de coisas em que as pessoas realmente decidam o seu próprio destino”. Deve ser um bom momento para começar essa discussão, uma vez que a maioria dos norte-americanos está justamente revoltada com a ordem que temos.

Deputados aprovam emenda que permite ao Congresso reverter decisões do STF

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Uma proposta de emenda constitucional articulada por deputados evangélicos e católicos, que permite ao Congresso mudar decisões do Judiciário, foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça, na Câmara. Atualmente, o Legislativo só pode interferir em atos do Executivo.

Deputados aprovam emenda que permite ao Congresso reverter decisões do STF

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Uma proposta de emenda constitucional (PEC) articulada por deputados evangélicos e católicos, que permite ao Congresso mudar decisões do Judiciário, foi aprovada com unanimidade nesta quarta, 25, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na Câmara. Atualmente, o Legislativo só pode interferir em atos do Executivo.

Leia também: Dupla de filósofos defende aborto de recém-nascidos
Leia também: Criminalização do aborto é incompatível com Estado laico

A medida polêmica é uma resposta dos deputados religiosos à decisão do Supremo Tribunal Federal de legalizar o aborto de fetos anencéfalos. Se a emenda já estivesse em vigor, os parlamentares poderiam tentar reverter a decisão de legalizar a interrupção da gestação nesses casos.

O texto afirma ser dever do Congresso sustar “atos normativos dos outros poderes que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legislativa”. Além disso, os deputados acreditam que é possível suspender decisões do Supremo com repercussão geral e até súmulas vinculantes.

O autor da proposta, deputado Nazareno Fonteles (PT-PI), disse que o Legislativo tem que ser o poder mais forte da República, já que tem caráter representativo. O deputado afirmou ainda que nos últimos anos o Judiciário tem ido além da Constituição. “O Poder Judiciário, que foi nomeado, não tem legitimidade para legislar. Aliás, fomos nós que fizemos a Constituição”, argumentou Fonteles.

O coordenador da bancada evangélica, João Campos (PSDB-GO), afirmou ser necessário enfrentar o “ativismo judiciário”: “Precisamos pôr um fim a este governo de juízes. Isso já aconteceu na questão das algemas, da união estável de homossexuais, da fidelidade partidária, da definição dos números de vereadores e agora no aborto de anencéfalos.”

Já o líder do PSOL, Chico Alencar, considera a emenda uma violação da harmonia entre os poderes, mas avalia que a proposta pode ser aprovada pelo forte apoio da Casa: “Essa proposta é tão irracional e ilógica quanto popular e desejada aqui dentro. Vai virar discurso de valorização do Legislativo.” Citando o ideólogo da separação dos poderes, Alencar ironizou: “Montesquieu deve estar se agitando na tumba”.

Embora tenha sido aprovada por unanimidade na CCJ, a emenda ainda terá que passar por uma comissão especial, pelo plenário da Câmara em dois turnos e por 308 deputados, seguindo, posteriormente, para o Senado.

A guerra do catolicismo contra a saúde reprodutiva

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

A guerra do catolicismo contra a saúde reprodutiva

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Em dezembro, uma polêmica audição do Comitê da Câmara para Fiscalização e Reforma do Governo, um grupo formado quase completamente por homens, debateu políticas de saúde para mulheres. Milhões de dólares de receita federal estavam em jogo. Dois funcionários de Obama estavam enfrentando uma inquisição. O congressista Chris Smith — que sequer era membro do comitê, mas foi convidado pelo presidente da Câmara, Darrell Issa, para falar — estava vermelho e praticamente gritando ao proferir seus comentários: “O preconceito da administração Obama contra católicos é uma afronta à liberdade religiosa e uma ameaça a todas as pessoas”, reclamou.

O ataque foi baseado em uma disputa agora já conhecida — a guerra entre conservadores e o governo Obama sobre saúde reprodutiva. Mas havia um detalhe: Smith estava preocupado com estrangeiras forçadas à prostituição nos Estados Unidos — e o direito da Igreja Católica de se recusar a fornecer a elas acesso a contracepção e aborto.

Graças a uma legislação de autoria de Smith, o governo norte-americano gasta milhões de dólares por ano para ajudar vítimas de tráfico humano a se recuperarem. Desde 2006 quase todo dinheiro foi para a Conferência de Bispos Católicos dos EUA (USCCB, na sigla em inglês), a liderança da Igreja em Washington. Mas em setembro, o governo de Obama se recusou a renovar o contrato com o objetivo de garantir a mulheres vitimizadas acesso ao sistema completo de saúde reprodutiva, já que os bispos haviam proibido que a verba concedida fosse usada para serviços que consideram imorais.

Desde então, Smith e outros defensores da USCCB têm denunciado Obama, o acusando de ataque injusto à liberdade religiosa. O comitê passou três horas acusando a Casa Branca de tendência anti-católica. Um problema maior veio semanas depois quando o governo determinou que instituições afiliadas à Igreja, como universidades e hospitais, fornecessem benefícios contraceptivos a suas funcionárias. O presidente acabou por se comprometer a transferir a responsabilidade de pagamento para as empresas de seguro, mas nem isso acabou com o protesto.

Alegações de que Obama é anti-católico prometem aumentar na medida em que republicanos buscam ganhar votos. Mas a guerra sobre a saúde reprodutiva das mulheres pode ser arriscada: pesquisas nacionais mostram que a maioria das mulheres, incluindo católicas, concordam com as políticas de Obama sobre contracepção e rejeitam a ênfase republicana no assunto. Enquanto isso, na batalha conta o tráfico, as táticas republicanas podem acabar prejudicando as mesmas vítimas pelas quais políticos como Smith alegam estar lutando. Pessoas como “Celia” uma adolescente que foi espancada, estuprada e engravidada antes de ser resgatada em 2006 por agentes da lei que desmantelaram uma rede de tráfico sexual na Califórnia.

O programa federal de ajuda a vítimas de tráfico humano deve sua existência a uma coalização de grupos evangélicos, feministas e de direitos humanos na década de 90. Até 1999, eles persuadiram o Congresso a promover audiências nas quais vítimas contaram histórias horríveis e um funcionário do Departamento de Estado testemunhou que cerca de 50 mil mulheres e crianças eram traficadas para os Estados Unidos por ano.

Após uma disputa contra apenas uma outra organização, a USCCB ficou com todo dinheiro destinado aos serviços às vítimas de tráfico de 2006 a 2011 (US$ 19 milhões).

Os bispos usaram um terço do dinheiro em despesas administrativas e o restante foi pago a subcontratadas em todo país para fornecerem os serviços — nos termos da Igreja. As subcontratadas não podiam discutir contracepção ou aborto, ou mesmo usar tempo da equipe para encaminhar clientes a tais serviços, às custas da Igreja.

Algumas das subcontratadas, especialmente as seculares, se alarmaram com as restrições. “Estamos falando de um grupo de pessoas que sofreram estupro e não tiveram cuidados médicos, então muitas delas têm infecções não tratadas”, diz Florrie Burke, que atua no comitê diretivo da Rede Anti-Tráfico de Nova York. “Elas foram expostas ao HIV, tiveram abortos forçados. As questões ginecológicas são horríveis”. Até 2007, Burke era diretora do programa anti-tráfico na Safe Horizon, uma ONG em Nova York. Ela diz que em determinado ponto após os bispos assumirem, seu grupo submeteu uma nota fiscal de um exame ginecológico que uma vítima tinha feito no Planned Parenthood (Maternidade Planejada). A USCCB negou pagamento, ela diz, sem mesmo perguntar para que havia sido a visita.

Em 2009 as restrições dos bispos levaram a American Civil Liberties Union a processar o Departamento de Saúde alegando que era inconstitucional forçar receptores de verba federal a obedecer a crenças católicas. O testemunho da USCCB no caso foi revelador: ela argumentou que serviços de saúde reprodutiva simplesmente não eram importantes. Em um registro, advogados escreveram, “A USCCB questiona por uma questão de princípio que o aborto e a contracepção são ‘serviços médicos’ que qualquer pessoa precisa”.

Mas em muitos lugares dos EUA, os milhões administrados pelos bispos podem ter sido a única fonte de fundos para os cuidados de saúde reprodutiva de sobreviventes do tráfico, de acordo com Susie Baldwin, uma médica e especialista em saúde pública de Los Angeles. Em testemunho preparado para uma audiência no congresso, Baldwin contou a história de Celia, a adolescente trazida a clínica na qual ela trabalhava. Celia havia sido espancada e estuprada várias vezes durante seus três meses de cárcere — e estava grávida quando chegou à clínica. Fazer um aborto, Baldwin testemunhou, “melhorou a habilidade dela de se recuperar do trauma que sofreu”.

Hilary Chester a diretora associada do programa anti-tráfico da USCCB, diz que o grupo é a favor de cuidados de saúde reprodutiva. “É claro no manual da nossa equipe que serviços de saúde reprodutiva são muito importantes”, ela diz, se referindo a exames ginecológicos e à triagem por doenças sexualmente transmissíveis. A batalha sobre católicos e contracepção continua: em março, o presidente da USCCB, cardial Timothy Dolan, urgiu maior ativismo político entre o rebanho. “É uma batalha por liberdade religiosa”, ele disse em discurso em Nova York.

“Ninguém tem direito sobre o dinheiro do governo”, contra-ataca Frances Kissling, a ex-presidente da Católicas pelo Direito de Escolha. “Você se inscreve para o benefício, e o dinheiro vai para a agência julgada a melhor provedora dos serviços. Se você não é a melhor provedora ou não pode prover os serviços, não pode receber a verba. Isso não significa que você sofreu discriminação”.

Na verdade, os números sugerem que a administração Obama tem sido bem generosa com grupos católicos. De acordo com a administração, US$ 673 milhões em benefícios federais foram para organizações filiadas à Igreja entre 2009 e 2012 — comparado a US$ 549 milhões nos três anos anteriores. Tanto dinheiro fluiu para esses grupos que irritou defensores dos direitos civis que se opuseram à expansão de contratos com instituições religiosas na administração Bush. Barry W. Lynn, diretor executivo da Americanos United for Separation of Church and State (Americanos Unidos pela Separação de Igreja e Estado), diz que apesar das promessas de fazer o contrário, Obama manteve a maior parte da infraestrutura de seu antecessor no lugar.

Como a batalha pelo financiamento vai impactar as vítimas de tráfico sexual é difícil saber — ainda não está claro quantas dessas vítimas existem. O testemunho de 1999 alertando de 50 mil mulheres e crianças sendo traficadas para os EUA por ano se mostrou muito exagerado. O funcionário do Departamento de Estado havia citado um estudo da CIA que extrapolou os números de jornais estrangeiros. Uma estimativa revisada do Departamento de Estado em 2004 — agora incluindo homens — coloca o número máximo em 17.500. Mas depois de o Escritório de Responsabilidade do Governo levantar dúvida sobre ele, o Estado parou de citar até mesmo esse número.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Teixeira e Havelange receberam US$ 40 milhões em suborno

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Documentos que vieram a público nesta semana mostram que o ex-presidente da Fifa, João Havelange, e seu ex-genro, o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, receberam US$ 40 milhões em subornos relativos a contratos comerciais envolvendo o futebol entre 1978 e 2000.

Teixeira e Havelange receberam US$ 40 milhões em suborno

quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Documentos que vieram a público nesta semana mostram que o ex-presidente da Fifa, João Havelange, e seu ex-genro, o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, receberam US$ 40 milhões em subornos relativos a contratos comerciais envolvendo o futebol entre 1978 e 2000.

Leia também: Presidência da CBF: um cargo de virar o estômago
Leia também: Ricardo Teixeira renuncia ao cargo de presidente da CBF

Na verdade os subornos podem ter passado de US$ 40 milhões, isso porque os valores ainda não foram fechados pela Justiça suíça. O escândalo agora está sendo investigado pelo Parlamento Europeu, que apresentou um relatório parcial sobre o caso nesta semana.

Venda de direitos de transmissão

Uma das vertentes das investigações aponta, por exemplo, que Havelange e Teixeira usaram o fundo Renford Investiments e a empresa Garantie JH para coletar propinas na venda de direitos de transmissão dos jogos das Copas do Mundo “para um país da América do Sul”.

As suspeitas do envolvimento de Havelange e Teixeira com alta corrupção na Fifa se avolumaram desde o ano passado, quando a rede britânica BBC exibiu um documentário com denúncias contra os dois ex-dirigentes do futebol brasileiro e mundial.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Mineração em asteróides: muito além da ficção científica

quarta-feira, 25 de Abril de 2012

Uma nova empresa de mineração quer enviar robôs para o espaço para procurar metais preciosos em asteróides. Essa é a configuração básica de Blade Runner, o épico filme de ficção cientifica que completa 30 anos em junho deste ano.

Mineração em asteróides: muito além da ficção científica

quarta-feira, 25 de Abril de 2012

Uma nova empresa de mineração quer enviar robôs para o espaço para procurar metais preciosos em asteróides. Essa é a configuração básica de Blade Runner, o épico filme de ficção cientifica que completa 30 anos em junho deste ano. É também o plano de negócios para recursos planetários, uma estratégia que os Estados Unidos delinearam para tirar a indústria de mineração da órbita da Terra. Para a economia, é um olhar desafiador, para dizer o mínimo. Mas a ideia não é completamente maluca.

Financiadores da empresa, chamada Planetary Resources Inc, incluem o fundador do Google, Larry Page, e o diretor de Titanic, James Cameron; porém, eles não são os primeiros tecnólogos excêntricos a pensar nisso. A mineração de asteróides foi um marco do pensamento futurista: o pioneiro na proposta foi o engenheiro de foguetes russo Konstantin Tsiolkovsky Eduardovich, em 1900.

O rápido avanço de um século, altos preços das commodities, um mini-boom dos voos espaciais privados, o aumento do trabalho dos mineiros e os custos de energia, se uniram para revigorar o interesse em explorar os vastos recursos do espaço.

O custo da platina está aumentando de 16% a 20% por ano. A Anglo American, maior produtora do mundo de platina, estima que a produção de cerca de metade do total global é inútil ao preço de hoje, cerca de US$ 1.500 por onça.

Supondo que eles poderiam ser economicamente colocados em órbita, a navegação espacial de robôs equipados com painéis solares ou de pequenas usinas nucleares seria em grande parte imune a pressões dos custos – e não entraria em greve também. Peter Diamandis, um dos co-fundadores, estima que um único asteróide de 30 metros de diâmetro pode conter até US$ 50 bilhões em platina. São esperados que centenas de milhares de tais objetos estejam a um alcance relativamente fácil da Terra.

O lançamento e os custos de recuperação podem ser maiores obstáculos para uma indústria vibrante da mineração de asteróides. A Planetary Resources diz que sua prioridade será o desenvolvimento de tecnologias mais baratas de lançamento. No entanto, mesmo se pudesse pousar um robô mineiro em uma rocha em órbita por uma fração do preço atual de missões espaciais modernas, recebendo material extraído com segurança de volta para a Terra, o custo poderia se revelar alto.

Ainda assim, há maneiras piores de bilionários gastarem o seu dinheiro. Mesmo se o projeto não conseguir retornar com uma única rocha para a Terra, seus apoiadores podem se beneficiar se as tecnologias da empresa tiverem aplicação em turismo especial de mineração ou terrestre – para não mencionar o estranho roteiro de Hollywood.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Dono da construtora Delta deixa o comando da empresa

quarta-feira, 25 de Abril de 2012

O proprietário da Delta – empresa que está no Centro das investigações que apuram denúncias de uma rede de corrupção – Fernando Cavendish, vai se afastar da chefia da empresa. O diretor Carlos Pacheco também deixará o cargo. O afastamento será anunciado, por meio de uma carta da empresa à Controladoria Geral da União.

Dono da construtora Delta deixa o comando da empresa

quarta-feira, 25 de Abril de 2012

O proprietário da Delta – empresa que está no Centro das investigações que apuram denúncias de uma rede de corrupção – Fernando Cavendish, vai se afastar da chefia da empresa. Além dele, o diretor Carlos Pacheco também deixará o cargo. O afastamento será anunciado nesta quarta-feira, 25, em Brasília, por meio de uma carta da empresa à Controladoria Geral da União (CGU). O comunicado anuncia também uma auditoria na empresa por meio de uma companhia independente. O comando da construtora será assumido por Carlos Alberto Verdini.

Leia também: PF plantou escuta na sala de Cavendish
Leia também: Delta tem contratos sem licitação com a Cedae

As denúncias que envolvem a empresa são de possíveis doações eleitorais repassadas pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Pressionada pelas suspeitas, a Delta abandonou grandes obras, como a reforma do Maracanã, a construção da TransCarioca e do pólo petroquímico de Comperj. A empresa tenta agora evitar que outros projetos sejam afetados.

Na terça-feira, 24, a CGU abriu processo para investigar irregularidades da construtora em nove estados. Caso seja condenada, a Delta poderá ficar suspensa do serviço público de um mês até dois anos, ou ser banida, o que significa estar fora de licitações por no mínimo dois anos.

A Delta é a maior construtora com atividades no PAC. A empresa já recebeu R$ 3 bilhões, dos R$ 4,3 bilhões que conseguiu através de contratos com o governo nos últimos anos.

Prisão

O ex-diretor da Delta, Cláudio Abreu, foi preso nesta quarta-feira, 25, em Goiânia. A prisão foi feita pela Policia Civil e faz parte da Operação Saint-Michel. Além de Abreu, foi decretada também a prisão de um diretor da construtora em São Paulo, e de um servidor da Secretaria de Planejamento do Distrito Federal.

Segundo investigações, esse servidor teria recebido propina para ajudar a entrada de Carlinhos Cachoeira na concessão do serviço de bilhetes eletrônicos dos ônibus do Distrito Federal. A operação Saint-Michel foi deflagrada pelo Ministério Público e pela Polícia Civil do Distrito Federal, e é um desdobramento para acabar com a quadrilha que explorava máquinas caça-níqueis em Goiás.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br