Arquivo de novembro de 2011

A ascensão de Silas Malafaia

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Como pastor televisivo, Malafaia atinge espectadores em dezenas de países, incluindo os Estados Unidos. Por mais de 30 anos, ele vem comandando prósperas igrejas e empresas ligadas à sua pregação pentecostal.

A ascensão de Silas Malafaia

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Por Simon Romero*
Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Pastor televisivo se transforma na voz da direita evangélica brasileira em sua cruzada contra o casamento gay, o aborto e a legalização da maconha.

Os livros de Silas Malafaia, que venderam milhões de exemplares no Brasil, têm títulos como Como Vencer as Estratégias de Satanás e Lições de um Vencedor, e o jato no qual ele voa, tem “Favor de Deus”, escrito na sua fuselagem. Como pastor televisivo, Malafaia atinge espectadores em dezenas de países, incluindo os Estados Unidos. Por mais de 30 anos, ele vem comandando prósperas igrejas e empresas ligadas à sua pregação pentecostal.

Ainda assim, ele poderia ter atraído pouca atenção fora de sua congregação, se não tivesse se aventurado na versão brasileira das guerras culturais. Afinal, o Brasil tem líderes evangélicos que comandam grandes impérios, como Edir Macedo, dono da Igreja Universal do Reino de Deus e da Rede Record. Outros, como RR Soares, da Igreja Internacional da Graça de Deus, são conhecidos por seu trabalho missionário.

Mas foi Malafaia que atraiu atenção recentemente, com seus poderosos ataques verbais contra o movimento brasileiro pelos direitos dos gays, os defensores da legalização do aborto e aqueles que defendem a descriminalização da maconha.

“Sou o inimigo público nº 1 do movimento gay no Brasil”, declarou Malafaia em uma entrevista em Fortaleza, onde o pastor realiza uma de suas “cruzadas”, um evento que mistura textos bíblicos e canções, para um público de cerca de 200 mil pessoas. Lágrimas rolavam pelo rosto dos fiéis, enquanto muitos dançavam ao som da performance de abertura.

Antes de subir ao púlpito, ele descreveu como passou a ser procurado pelos talk shows televisivos sempre que a questão do direito dos gays é levantada. Mas essa é apenas uma pequena parte de seu repertório, e a televisão é apenas um dos muitos veículos à sua disposição. No Twitter, o pastor tem quase 250 mil seguidores, e em seus vídeos no YouTube, ele ataca não apenas seus inimigos liberais, mas também líderes evangélicos rivais.

Não é surpresa, portanto, que sua ascensão tenha feito dele uma fonte tanto de admiração quanto de apreensão. Ele mobilizou milhares de fiéis em uma marcha a Brasília, contra a criminalização da homofobia.

Evangélicos na política

A elite brasileira ainda tenta entender o crescimento de uma figura tão polarizadora, e sua possível influência na política nacional. A revista Piauí publicou um longo artigo sobre a ascensão de Malafaia da obscuridade no Rio de Janeiro, onde ele cresceu numa família militar, ao poder que ele agora tem em mãos.
Além de Malafaia, o crescimento no número de religiões evangélicas, em especial, o pentecostalismo, nas últimas décadas, tem alterado a política brasileira. Antes de tomar qualquer decisão, os líderes em Brasília agora devem consultar a bancada evangélica, que tem uma resiliente influência no Congresso.

Cerca de um quarto dos brasileiros pertence a alguma congregação evangélica, e os pentecostais como Malafaia são os principais nomes desse crescimento. Numa impressionante transformação religiosa, especialistas dizem que embora o Brasil ainda mantenha o maior número de católicos do planeta, agora o país tem uma população pentecostal semelhante a dos Estados Unidos.

Nem todos no país estão contentes com essa mudança.

Num artigo em novembro, a jornalista Eliane Brum escreveu sobre a intolerância demonstrada contra os ateus no Brasil por parte dos evangélicos, descrevendo o que ela chamou de “uma disputa cada vez mais agressiva pela fatia de mercado” entre as grandes igrejas.

O artigo recebeu uma onde de reações por parte das igrejas pentecostais, e as declarações de Malafaia as mais cáusticas. Durante a entrevista ele se referiu à jornalista como uma “vagabunda” (ele se desculpou posteriormente), e afirmou que “ateus comunistas” na União Soviética, no Camboja e no Vietnã foram responsáveis por mais mortes que “qualquer guerra motivada pela religião”.

Apesar de sua enorme visibilidade, Silas Malafaia afirma que não tem ambições políticas, porque elas o confinariam a um partido político, o que seria uma limitação para sua exposição. “Deus me convocou para ser um pastor, e não trocarei isso pela política”.

Mas a influência política é um assunto diferente. Malafaia afirma que votou em Lula duas vezes, e que teve acesso aos corredores do poder em Brasília. Ele diz ter recebido uma ligação da atual presidente, Dilma Rousseff, durante a campanha, em busca de apoio político, que ele negou.

“Disse a ela que não tinha nada contra ela pessoalmente, e que a considerava uma mulher inteligente e qualificada. Mas como poderia apoiar a Dilma se passei quatro anos brigando com um grupo do partido dela que quer fazer leis beneficiando os gays?”

Tanto Malafaia, quanto sua esposa, Elizete, são formados em psicologia, e um tema comum em seus sermões é o sucesso e as formas de obtê-lo. Embora afirme que vive de maneira relativamente humilde, ele não se desculpa por seu crescimento material, e chega até mesmo a celebrá-lo, desfilando numa Mercedes, que ele afirma ter sido “um presente de um amigo rico”. O jato, diz ele, foi adquirido de segunda mão nos Estados Unidos, não por ele, mas sim por sua organização sem fins lucrativos, e por um preço razoável.

Segundo ele, os líderes evangélicos do Brasil são vítimas de um sistema de “dois pesos e duas medidas”. “O papa voa num jumbo da Alitalia. Mas se um pastor voa num jato velho, ele é considerado um ladrão”, diz.

* Chefe do departamento brasileiro do New York Times

Gilmar Mendes cobra punição para juízes corruptos

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

O ministro do STF Gilmar Mendes afirmou que é possível discutir novas sanções para magistrados condenados por irregularidades e disse que, ao contrário do que expressou a corregedora do CNJ, Eliana Calmon, a pena de aposentadoria compulsória é punição, e não prêmio

Gilmar Mendes cobra punição para juízes corruptos

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Fonte: votebrasil.com

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes afirmou que é possível discutir novas sanções para magistrados condenados por irregularidades e disse que, ao contrário do que expressou a corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Eliana Calmon, a pena de aposentadoria compulsória é punição, e não prêmio.

Na semana passada, Eliana Calmon defendeu que juízes envolvidos em corrupção devem ser multados e obrigados a devolver valores que obtiverem com a venda de sentenças e outras ilegalidades.

A corregedora cobrou a atualização da Lei Orgânica da Magistratura (Loman), que estabelece penas para juízes e disse que o STF está demorando para preparar anteprojeto com mudanças na lei, publicada em 1979. Para ela, a pena máxima prevista para juízes condenados por corrupção, a aposentadoria compulsória, é muito branda.

Em seminário sobre arbitragem em São Paulo nesta segunda-feira, o ministro Gilmar Mendes disse que o STF deve priorizar a finalização do anteprojeto da Loman para que ele seja enviado para votação no Congresso Nacional, e afirmou que espera que isso ocorra no ano que vem. Mas ele defendeu a aplicação da aposentadoria compulsória.

“Dizem que isso (a aposentadoria compulsória) acaba sendo um prêmio. Não é prêmio. A comunidade sabe que o sujeito foi afastado por algum ato de improbidade, é uma pena grave.

Isso não afasta o processo judicial que leva à perda da própria aposentadoria, mas é possível sim discutir novos modelos, novas sanções, até porque o rol (de punições previstas), de número fechado, é pouco significativo”, afirmou Mendes.

Para exemplificar a necessidade de atualização da Loman, o ministro citou o impasse envolvendo um juiz de São Paulo que estava sendo acusado de irregularidades, mas que não pôde ser punido como previsto porque foi promovido a desembargador, cargo ao qual a pena não se aplicava. O ministro do STF disse que não sabe se concorda com a ideia de Eliana Calmon de multar juízes corruptos.

“Mas isso pode ser discutido”, disse.

Gilmar Mendes também cobrou mais proteção a juízes ameaçados de morte e lamentou o fato de o número de magistrados ameaçados ter crescido 50% desde 12 de agosto deste ano, conforme informou reportagem do jornal O Globo deste domingo. Na opinião de Mendes, é preciso mapear as causas das ameaças a juízes no país.

“Temos que melhorar a proteção ao juiz e responder não com ações individuais, mas com ações institucionais. Temos que saber qual é a causa. No Rio, sabemos que há problemas relacionados ao crime organizado.

Em outros estados sabemos que o problema é ligado a conflitos fundiários. Precisamos agir de forma massiva em relação a isso e não deixar que um ou outro magistrado fique exposto”, falou Mendes.

Presente no mesmo seminário em São Paulo, o ministro do Superior Tribunal de Justiça Cesar Asfor Rocha também lamentou o aumento do número de magistrados ameaçados e afirmou que as medidas que vem sendo tomadas não são suficientes.

“(O que está sendo feito) É o possível ser feito. Nunca é o suficiente, porque assim como o cidadão comum tem a segurança ameaçada, o magistrado também não recebe a mesma segurança. Não é um problema de fácil solução, porque o Estado não dispõe de recursos para a real proteção. Nos casos mais evidentes, deve-se oferecer proteção maior ao juiz”, afirmou Rocha.

Problemas psiquiátricos podem começar na tireoide

domingo, 27 de novembro de 2011

Em pacientes com depressão, ansiedade e outros problemas psiquiátricos, médicos encontram constantemente níveis anormais de hormônio da tireóide. Tratar o problema pode levar a melhoras no humor, na memória e na cognição.

Problemas psiquiátricos podem começar na tireoide

domingo, 27 de novembro de 2011

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Em pacientes com depressão, ansiedade e outros problemas psiquiátricos, médicos encontram constantemente níveis anormais de hormônio da tireóide. Tratar o problema, eles descobriram, pode levar a melhoras no humor, na memória e na cognição.

Agora os pesquisadores estão explorando uma ligação um tanto quanto controversa entre problemas menores, ou subclínicos, de tireóide e dificuldades psiquiátricas de alguns pacientes. Depois de analisar a literatura sobre hipotireoidismo subclínico e humor, o Dr. Russel Joffe, um psiquiatra do North Shore-Long Island Jewish Health System e colegas recentemente concluíram que tratar a condição, que afeta hoje cerca de 2% dos norte-americanos, poderia aliviar alguns sintomas psiquiátricos e poderia ainda prevenir um futuro declínio cognitivo.
Pacientes com sintomas psiquiátricos, disse o Dr. Joffe, “nos dizem que quando lhes damos hormônios da tireóide, eles melhoram”.

A tireóide, uma glândula em formato de nó de gravata que envolve a traqueia, produz dois hormônios: a tiroxina, ou T4, e a triiodotironina, conhecida como T3. Esses hormônios atuam em uma surpreendente variedade de processos físicos, desde a regulação da temperatura corporal e batimentos cardíacos até o funcionamento cognitivo.
Uma grande quantidade de coisas pode levar a tireóide a funcionar de forma anormal, incluindo exposição à radiação, pouco ou muito iodo na dieta, medicamentos como lítio e doenças autoimunes. E a incidência de problemas na tireóide aumenta com a idade. Hormônio da tireóide demais acelera o metabolismo (hipertireoidismo), causando sintomas como suor em excesso, palpitações, perda de peso e ansiedade. Quando é muito pouco (hipotireoidismo) pode causar fatiga física, ganho de peso, letargia, assim como depressão, inabilidade de concentração e problemas de memória.

“No início do século XX, as melhores descrições da depressão clínica estavam na verdade em textos sobre doenças da tireóide, não de psiquiatria”, diz Dr. Joffe. Mas médicos por muito tempo discordaram sobre a natureza de links entre sintomas psiquiátricos e problemas da tireóide. “É a questão da galinha e do ovo”, diz Jennifer Davis, professora de psiquiatria e comportamento humano da Universidade Brown. “Existe algum problema da tireóide subjacente que cause sintomas psiquiátricos, ou é o contrário?”

O Dr. Davis afirma que é comum que pessoas com problemas da tireóide sejam mal diagnosticadas com doenças psiquiátricas. Leah Christian, de 29 anos, usou antidepressivos há 10 anos para depressão e ansiedade. Eles não ajudaram. “Eu só fiquei para baixo”, disse Christian, funcionária de uma creche em São Francisco. Há alguns anos, ainda lutando, ela perguntou a seu médico para indicá-la um terapeuta. O médico fez exames de tireóide primeiro e descobriu que Christian tinha uma doença autoimune chamada tireoidite de Hashimoto, causa comum de hipotireoidimo.

Ela recebeu levotiroxina, um hormônio de reposição sintético. Sua depressão e ansiedade desapareceram. “Ao que parece meus sintomas estavam relacionados à tireóide”, disse. De certa forma ela teve sorte, seus níveis hormonais estavam claramente anormais. Níveis normais de hormônio estimulador da tireóide (TSH) variam de 0,4 a 5. Quanto maior o nível de TSH, menos ativa é a tireóide. A maioria dos endocrinologistas concorda que um resultado de mais de 10 requer tratamento para hipotireoidismo. Mas para pessoas com níveis entre 4 e 10, as coisas ficam sombrias, especialmente para aqueles que experienciam sintomas psiquiátricos vagos, como fatiga, leve depressão ou apenas não se sentirem como si mesmos.

Alguns médicos acreditam que esses pacientes deveriam ser tratados. “Se alguém tem problemas de humor e hipotireodismo subclínico, isso poderia ser significante”, disse o Dr. Thomas Geracoti, professor de psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Cincinnati. Ele já usou hormônios da tireóide para tratar artistas com medo de palco debilitante, um músico de alto nível se recuperou completamente.

A ideia de tratar hipotireoidismo subclínico é controversa, especialmente entre endocrinologistas. Tratamento com hormônio da tireóide pode tencionar o coração e pode agravar problemas de osteoporose em mulheres, notou o Dr. Joffe. Por outro lado, deixar de tratar a condição também pode estressar o coração e alguns estudos sugerem que possa aumentar o risco de doença de Alzheimer e outras demências. E ainda existe o quociente de bem-estar, que é difícil de quantificar. “Pessoas tendem a descontar as questões de qualidade de vida relacionadas à depressão e ansiedade residuais”, diz Joffe.

Mulheres são bem mais inclinadas a desenvolver problemas da tireóide do que homens, especialmente após os 50 anos e alguns especialistas acreditam que o gênero é responsável por algumas relutâncias a tratar doenças subclínicas. “Existe um terrível preconceito contra mulheres que chegam com queixas de problemas emocionais sutis”, diz o Dr. Davis. “Essas queixas tendem a serem deixadas de lado ou atribuídas a estresse ou ansiedade.”

Sintomas psiquiátricos podem ser vagos sutis e muito individuais, conta o Dr. James Hennessey, diretor de endocrinologia clínica no Centro Médico Beth Israel Deaconess em Boston. Outra complicação é que não está claro para muitos especialistas, o que são níveis hormonais “normais” da tireóide.
Em um estudo publicado em 2006, pesquisadores da província Anhui, na China, usaram imagens de tomografias para avaliar pacientes com hipotireoidismo subclínico antes e depois do tratamento. Eles encontraram melhoras tangíveis tanto na memória quanto da função motora após seis meses de tratamento com levotiroxina.

Com fundos dos Institutos Nacionais de Saúde, Dr. Joffe e pesquisadores da Universidade de Boston recentemente começaram testes clínicos para cortar a relação entre hipotireoidismo subclínico e certos sintomas cognitivos e de humor em pessoas acima de 60 anos. Os resultados estarão disponíveis em alguns anos.

Privatização de aeroportos está mais fedida do que as de FHC

sábado, 26 de novembro de 2011

Segundo o edital – ainda não aprovado em sua forma final – uma empresa ou “consórcio” poderiam levar o aeroporto de Brasília (por 25 anos!) pela quantia de R$ 75 milhões; o de Campinas, por 30 anos, R$ 521 milhões; e, por 20 anos, o de Guarulhos, o mais lucrativo do país, por R$ 2,292 bilhões.

Privatização de aeroportos está mais fedida do que as de FHC

sábado, 26 de novembro de 2011

 

Por Carlos Lopes – horadopovo.com.br

A minuta de edital, confeccionada pela Anac e Secretaria da Aviação Civil, para a privatização dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Campinas (Viracopos), excede as expectativas – para pior.

Segundo esse edital – ainda não aprovado em sua forma final – uma empresa ou “consórcio” poderiam levar o aeroporto de Brasília (por 25 anos!) pela módica quantia de R$ 75 milhões; o de Campinas, por 30 anos, R$ 521 milhões; e, por 20 anos, o de Guarulhos, aeroporto mais lucrativo do país, por R$ 2,292 bilhões (cf., Anac, “Edital do leilão para concessão, ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos internacionais de Brasília-Campinas-Guarulhos”, 4.23, pág. 25).

Porém, essas quantias seriam pagas em suaves prestações, com o lucro que o açambarcador tivesse com o próprio aeroporto, pois “o Valor da Concessão será pago em parcelas anuais, contado da Data de Eficácia do Contrato de Concessão até o advento de seu prazo final” (cf., Anac, Edital cit., 4.24, pág. 25).

Portanto, o açambarcador do aeroporto de Brasília pagaria R$ 3 milhões; o de Guarulhos, R$ 146 milhões; e o de Campinas, R$ 17 milhões anuais para explorar três dos principais aeroportos do país. Isso, sem investir o seu dinheiro – para investir, os açambarcadores teriam o dinheiro do BNDES. Porém, antes de entrar nesse assunto, uma observação.

Algumas pessoas têm repetido que não se trata de uma “privatização”, mas de uma “concessão”. Mudar a palavra não muda a coisa. Para não deixar dúvidas aos açambarcadores, o edital esclarece:

“Os Aeroportos Internacionais de Brasília, Campinas e Guarulhos foram incluídos no Programa Nacional de Desestatização – PND, conforme Decreto Federal nº 7.531, de 21 de julho de 2011” (cf., Anac, “Edital”, preâmbulo, pág. 4, grifo nosso).

Portanto, não fica bem, por exemplo, um homem de reconhecida inteligência, como o deputado Ricardo Berzoini, declarar que “não é possível comparar privatizações com concessões”. Sem entrar em discussões conceituais sobre o que é uma concessão (isto é, uma concessão do que é público ao que é privado), o que se está discutindo é esta “concessão”, a dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Campinas, e não qualquer outra. Para que incluí-la no programa de privatização de Collor e Fernando Henrique? Exatamente porque se trata de uma privatização.

Não falta nem o BNDES – cujo dinheiro, pertencente ao povo brasileiro, foi usado e abusado pelos tucanos para entregar estatais a monopólios privados, sobretudo estrangeiros.

Como naquela época, estaríamos pagando para que nos levem os aeroportos – segundo o ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Wagner Bittencourt, o BNDES terá de financiar “entre 50% e 70% do investimento total” nos aeroportos – mas o Estado, através da Infraero, estará proibido de ter mais que 49% do capital das “sociedades de propósito específico” (SPE) que tomariam os nossos aeroportos.

Bittencourt é um sujeito didático: “funciona assim: de cada R$ 100 investidos, R$ 70 virão do BNDES e de outras fontes de financiamento e R$ 30 dos sócios. Dos R$ 30, R$ 14,7 virão da Infraero” (cf. Valor Econômico, 20/10/2011). Logo, a cada R$ 100,00 investidos, os açambarcadores dos aeroportos entrariam com R$ 15,30, apesar de mandarem no aeroporto, administrá-lo de acordo com os seus interesses e lucrarem com ele – e trata-se dos mais lucrativos aeroportos do país.

Entretanto, “a participação do BNDES, nos empréstimos para projetos de infraestrutura, é limitada a 70%, embora possa aumentar, em casos excepcionais, a 90%” (cf. Valor, ed. cit.).

Diz Bittencourt que “o custo [do empréstimo do BNDES para os açambarcadores] deve ficar em torno de 3% reais. Os valores não são muita coisa para o banco”.

Realmente, não são. Então, para que precisamos entregar os aeroportos a consórcios e empresas estrangeiras (pois é disso que se trata: boa parte do edital da Anac trata, precisamente, da participação das empresas estrangeiras na privatização)?

Não era para aportar recursos que as empresas estrangeiras viriam tomar os nossos aeroportos?

Não, leitor, não era. O objetivo de toda privatização é entregar o bem público, coletivo, a propriedade da população, a alguns assaltantes. Não é resolver problema algum do país, muito menos do povo. Se essa “concessão” significa “conceder” às empresas estrangeiras os nossos recursos (além dos aeroportos mais lucrativos do país, que o Estado já construiu), por que nós mesmos não cuidamos dos aeroportos? Por que falta dinheiro para a Infraero, a mais bem sucedida administradora de aeroportos do mundo, mas não falta para empresas e “consórcios” estrangeiros?

Mas reparem nessa gracinha:“a tendência, por causa da crise financeira internacional, que está aumentando a aversão dos investidores a risco, é que as companhias busquem os recursos do BNDES” – isto é, temos que ajudar, com nosso dinheiro, as empresas e consórcios estrangeiros a se apoderarem dos aeroportos mais lucrativos do país. Senão, elas não terão dinheiro para ganharem mais dinheiro às nossas custas. Como diz Bittencourt, exultante: “é o melhor negócio do mundo” (sic – cf. Valor, ed. cit.).

Realmente, é. Mas não para o Brasil.

O próprio Bittencourt, que agora não tem o menor pejo em falar que os aeroportos precisam de “R$ 21,265 bilhões ao longo de até 30 anos”, declarou em junho que, para a ampliação dos aeroportos até a Copa, bastam R$ 5,6 bilhões (v. HP, 03/06/2011) – isto é, 1/4 do que o BNDES concedeu à Telefónica num único empréstimo.

Mas quem mandou a Infraero ser nacional e estatal? Diz Bittencourt que “certamente é grande o retorno que temos de empresas estrangeiras interessadas. Antes de ser ministro, fui diretor de infraestrutura do BNDES. Desde essa época a gente via o interesse internacional e nacional em investir nos aeroportos. Não existe restrição para a participação de empresas estrangeiras na concessão de aeroportos”.

Como é que um sujeito desses pode ser ministro – e do governo da presidente Dilma?

Na campanha eleitoral, a proposta de Dilma – aliás, razoável – foi a abertura do capital da Infraero. Literalmente: “acredito que não haveria dificuldade de abrir o capital da Infraero e manter o controle da empresa nas mãos do Estado, como ocorre com a Petrobrás. Nós tivemos durante muito tempo zero de investimentos nesse País” (entrevista durante caminhada no Rio de Janeiro, 02/08/2010).

O que é perfeitamente coerente com o que disse, meses antes, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC: “não permitirei, se tiver forças para isto, que o patrimônio nacional, representado por suas riquezas naturais e suas empresas públicas, seja dilapidado e partido em pedaços. Tenham certeza de que nunca, jamais me verão tomando decisões ou assumindo posições que signifiquem a entrega das riquezas nacionais a quem quer que seja”.

Ou, quando, em outubro de 2010, abordou o caráter político-ideológico de seu adversário:

“Essa é a principal diferença entre o nosso governo e a turma do contra: eles só pensam em vender o patrimônio público. Eu acredito que as empresas públicas desempenham um papel fundamental no desenvolvimento do país”.

A presidente Dilma tinha razão. Por isso, é fácil resolver o problema atual. Quando se cometem erros, não há problema em corrigi-los. Problemas há se eles não forem corrigidos.

 

Sindicalista diz que assessores de Lupi pediam propina

sábado, 26 de novembro de 2011

Reportagem publicada pela revista Veja mostra que um sindicalista ligado ao PT, denunciou há nove meses ao Palácio do Planalto que assessores do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, pediam propina em troca da liberação de registro sindical. Mas nada foi feito.

Sindicalista diz que assessores de Lupi pediam propina

sábado, 26 de novembro de 2011

Por Edson Sardinha – congressoemfoco.com.br

De acordo com reportagem da revista Veja, mecânico ligado ao PT informou ao Planalto que dois funcionários do ministério lhe cobraram R$ 1 milhão em troca de registro sindical…

Reportagem publicada neste final de semana pela revista Veja mostra que um sindicalista ligado ao PT, segundo a revista, denunciou há nove meses ao Palácio do Planalto que assessores do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, pediam propina em troca da liberação de registro sindical. Mas nada foi feito.

De acordo com a matéria, o mecânico Irmar Silva Batista tentava criar o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo (Sirvesp) em 2008. Na ocasião,  relata a revista, o então secretário de Relações do Trabalho, Luiz Antonio de Medeiros, o apresentou a um assessor, Eudes Carneiro, que lhe pediu R$ 1 milhão para liberar o registro. Irmar se recusou a pagar e o registro não saiu até hoje.

A reportagem conta que, em fevereiro deste ano, Irmar enviou uma carta à presidenta Dilma Rousseff e ao secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, por e-mail, narrando a extorsão e pedindo providências. O Planalto confirmou o recebimento da carta em 9 de março. Segundo Veja, a assessoria de imprensa da Presidência informou esta semana que o trecho que narrava a denúncia chegou cortado na mensagem recebida. Medeiros e Eudes negaram à revista terem pedido propina para liberar o registro. Irmar conta que vários sindicatos foram extorquidos, alguns pagaram o dinheiro pedido e outros silenciaram temendo represálias.

No último dia 15, reportagem da Folha de S. Paulo mostrou que Carlos Lupi concedeu registro a sete sindicatos patronais no Amapá para representar setores da indústria que, segundo o próprio governo local, não existem no estado. A Folha deste sábado diz o ministro do Trabalho foi funcionário fantasma na Câmara entre 2000 e 2006. Lupi afirmou que exerceu, “em alguns períodos, assessorias legislativas na liderança do PDT”, entre 1995 e 2000.

Governo alerta Rede Globo por violência em novela

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Após receber as justificativas da Rede Globo, o departamento de Justiça decidiu deferir a continuidade da autoclassificação, mas não sem um aviso bem claro: devido à violência e estigma, vai continuar monitorando a obra.

Governo alerta Rede Globo por violência em novela

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Fonte: votebrasil.com

Após receber as justificativas da Rede Globo, o departamento de Justiça decidiu deferir a continuidade da autoclassificação, mas não sem um aviso bem claro: devido à violência e estigma, vai continuar monitorando a obra.

Ministério da Justiça ameaça alterar classificação de “Fina Estampa”

Quando “Fina Estampa” estreou na Rede Globo, no dia 23 de agosto, foi classificada pela emissora como uma novela imprópria para menores de 12 (doze) anos de idade. Quase três meses depois, o Ministério da Justiça deu seu parecer quanto à classificação da obra.

Nessa terça-feira (22) foi publicado um despacho do Diário Oficial da União em que era discutido se o caráter do programa é ou não próprio para a classificação atual.

De acordo com o texto, no começo deste mês, em 03 de novembro, a emissora foi formalmente advertida pelo departamento de justiça, que constatou por monitoramento “que a obra apresentava conteúdos violentos, cenas envolvendo prostituição, estigma, preconceito e violência familiar – todos inadequados à classificação atribuída pela emissora”.

Após receber as justificativas da Rede Globo, o departamento de Justiça decidiu deferir a continuidade da autoclassificação, mas não sem um aviso bem claro: devido à violência e estigma, vai continuar monitorando a obra.

Foto: AgNews / Suzana Pires grava cena em que sua personagem Marcela leva um tiro: violência

Assistir filmes violentos coloca cérebro em modo de sobrevivência

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

O estresse sentido ao assistir filmes violentos, por exempo, muda funções cerebrais afirma grupo de pesquisadores, liderado por Erno Hermans, da Universidade de Universidade Nijmegen Radboud, na Holanda.

Assistir filmes violentos coloca cérebro em modo de sobrevivência

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

O cinema também pode mudar a forma como o nosso cérebro funciona.O estresse sentido ao assistir filmes violentos, por exempo, muda funções cerebrais afirma grupo de pesquisadores, liderado por Erno Hermans, da Universidade de Universidade Nijmegen Radboud, na Holanda.

Em trabalho publicado nesta quinta-feira (24) no periódico científico Science pesquisadores demostraram que cenas violentas alteram as conexões entre diferentes regiões do cérebro.

Eles fizeram um experimento no qual mostravam dois tipos de cenas de filmes (violentos e não violentos) a várias pessoas e analisaram as respostas do cérebro às imagens utilizando uma tecnologia de chamada ressonância magnética funcional que permite enxergar quais áreas do cérebro estão sendo ativadas em um determinado momento.

Os pesquisadores viram que há uma redistribuição estratégica de recursos para áreas cerebrais ligadas a funções relacionadas a sobrevivência. Eles inclusive conseguiram identificar que um hormônio relacionado ao estresse, a noradrenalina parece ser o responsável por essa reorganização cerebral.

“Mostramos que a atividade da noradrenalina [..] na primeira fase da resposta ao estresse leva a uma realocação dos recursos neurais em direção a uma rede distribuída de regiões cerebrais envolvidas na atenção, vigilância e controle neuroendócrino”, afirmam os pesquisadores no artigo.

Foto: Getty Images /Cenas violentas provocam uma redistribuição estratégica de recursos para áreas cerebrais ligadas a funções relacionadas a sobrevivência

Fonte: votebrasil.com

Juiz determina bloqueio de bens de Kassab e nova licitação

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

A 11ª Vara da Fazenda Pública da cidade de São Paulo determinou o bloqueio dos bens do prefeito Gilberto Kassab (PSD). A decisão diz ainda que a prefeitura deverá abrir nova licitação no prazo de 90 dias para a escolha da nova empresa que será responsável pelo serviço de inspeção veicular.

Juiz determina bloqueio de bens de Kassab e nova licitação

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Fonte: vermelho.org.br

A 11ª Vara da Fazenda Pública da cidade de São Paulo determinou, na tarde desta sexta-feira (25), o bloqueio dos bens do prefeito Gilberto Kassab (PSD). A decisão diz ainda que a prefeitura deverá abrir nova licitação no prazo de 90 dias para a escolha da nova empresa que será responsável pelo serviço de inspeção veicular.

A ação, proposta pelo Ministério Público contra Kassab e outros servidores, busca suspender o contrato da prefeitura com a empresa Controlar, alegando que o serviço teria sido implementado com diversas ilegalidades, causando graves danos ao erário e aos particulares. Prefeitura e Controlar negam irregularidades.

A ação, proposta pelo Ministério Público contra Kassab e outros servidores, busca suspender o contrato da prefeitura com a empresa Controlar, alegando que o serviço teria sido implementado com diversas ilegalidades, causando graves danos ao erário e aos particulares. Prefeitura e Controlar negam irregularidades.

Além de pedir o afastamento do prefeito, o MP acusa de mesmo crime o secretário do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Jorge Martins Alves Sobrinho, e diretores da empresa Controlar, entre outros. Foi determinada ainda a indisponibilidade dos bens dos demais acusados.
Na decisão desta sexta, o juiz Domingos de Siqueira Frascino, da 11ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, negou o pedido de afastamento de Kassab. “Desnecessário o afastamento dos servidores públicos, pois esta demanda se firma essencialmente em matéria documental, que foi colhida em profusão nos anos de trâmite do inquérito civil que instrui esta demanda, de modo que a permanência deles nos cargos não trará prejuízo à instrução do feito.”

Segundo a decisão, “não cabe suspender a prestação do serviço, por significar relevante instrumento de controle de poluição ambiente, com evidentes benefícios à saúde de todos os que circulam por este município. Todavia, o cumprimento integral do contrato constitui uma temeridade, e por isso a municipalidade deverá promover a abertura de nova licitação para tal objeto no prazo de noventa dias”.

A Controlar disse que “foi surpreendida” pela decisão e a considera “precipitada”. A Prefeitura de São Paulo deve se manifestar ainda nesta sexta-feira.

A prefeitura afirmou ontem que “a contratação do consórcio Controlar, responsável pela inspeção veicular na cidade, seguiu rigorosamente a legislação em vigor com total transparência”.

“A concessionária prestou em diversas ocasiões todos os esclarecimentos solicitados pela Promotoria, comprovando, por meio de documentação, a lisura na implementação e no cumprimento do contrato de concessão”, disse a Controlar em nota, antes da decisão da 11ª Vara.

Com Terra

PT vai representar contra Bolsonaro no Conselho de Ética

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Bolsonaro isinuou que Dilma poderia ter orientação homossexual. “Dilma Rousseff, pare de mentir. Se gosta de homossexual, assuma. Se o teu negócio é amor com homossexual, assuma. Mas não deixe que essa covardia entre nas escolas do primeiro grau”, disse Bolsonaro.

PT vai representar contra Bolsonaro no Conselho de Ética

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Por Mario Coelho – congressoemfoco.com.br

Representação assinada pelo partido deve ser protocolada na próxima semana. Deputado do Rio de Janeiro disse para Dilma Rousseff: “Se o teu negócio é amor com homossexual, assuma”…

O PT deve apresentar na próxima semana uma representação no Conselho de Ética da Câmara contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) por quebra de decoro parlamentar. Em discurso realizado ontem (24), o pepista disparou contra a presidenta Dilma Rousseff por conta da possibilidade de um novo material sobre homofobia ser lançado nas escolas. Em seu discurso, Bolsonaro isinuou que Dilma poderia ter orientação homossexual. “Dilma Rousseff, pare de mentir. Se gosta de homossexual, assuma. Se o teu negócio é amor com homossexual, assuma. Mas não deixe que essa covardia entre nas escolas do primeiro grau”, disse Bolsonaro.

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse, em nota, repudir com “veemência” a nova manifestação “preconceituosa, discriminatória e homofóbica” de Bolsonaro. Ontem, pelo Twitter, o líder do partido na Câmara, Paulo Teixeira (SP), adiantou a entrada da representação no Conselho de Ética. Os petistas querem que o deputado responda por seu “comportamento reiteradamente homofóbico e não condizente com a dignidade e a responsabilidade que se espera dos homens públicos”.

“O PT reafirma com orgulho suas bandeiras históricas contra qualquer tipo de discriminação e preconceito. Esta deve ser uma luta permanente de toda a sociedade que se queira democrática, tolerante e que respeite as diferenças, como, aliás, é da tradição cultural brasileira”, disse Falcão na nota. No discurso proferido ontem, cuja parte foi retirada dos registros taquigráficos da Câmara, Bolsonaro criticou a possibilidade de o governo lançar livros didáticos para combater a homofobia nas escolas públicas.

“Eu fiquei estarrecido ao saber que a inclusão de materiais sobre homossexuais nos livros didáticos ainda é discutida no governo. Pensei que a questão havia sido enterrada pela presidente, pois em maio ela garantiu que o kit-gay foi recolhido. Só que, para minha surpresa, ele não foi. Uma pessoa do Ministério da Educação disse que, entre as diretrizes para os livros didáticos para 2012, está a inclusão de capítulos sobre a homoafetividade. Fiquei revoltado e fui na tribuna no dia seguinte”, disse Bolsonaro.

Para uma representação ser aceita no Conselho de Ética e passar a tramitar, ela precisa ser assinada pelo presidente de um partido político ou encaminhada pela Mesa Diretora. Cumprido este requisito, será indicado um relator, que deverá fazer um parecer prévio admitindo ou não a investigação. Se o colegiado aprovar, o processo segue. Caso não, será arquivado. Em julho, o órgão arquivou uma representação do Psol contra Bolsonaro, acusado de homofobia e racismo e de ofender uma senadora.

Em silêncio, a Mesa Diretora da Câmara livrou Bolsonaro de responder a processo por quebra de decoro parlamentar. A decisão foi tomada na última semana do primeiro semestre legislativo, e evitou-se dar qualquer publicidade a ela. O pepista era acusado de abusar das prerrogativas de parlamentar ao disseminar preconceito e estimular violência com declarações contra negros e homossexuais.

Leia a íntegra da nota do PT:

“O Partido dos Trabalhadores repudia com veemência a nova manifestação preconceituosa, discriminatória e homofóbica do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), desta vez proferida na Tribuna da Câmara dos Deputados, onde atacou os programas federais contra a homofobia e agiu com total desrespeito à pessoa da presidenta Dilma Rousseff.

O PT reafirma com orgulho suas bandeiras históricas contra qualquer tipo de discriminação e preconceito. Esta deve ser uma luta permanente de toda a sociedade que se queira democrática, tolerante e que respeite as diferenças, como, aliás, é da tradição cultural brasileira.

O PT pediu ao líder de sua bancada na Câmara, deputado Paulo Teixeira, que represente contra Jair Bolsonaro na Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Casa, a fim de que responda por seu comportamento reiteradamente homofóbico e não condizente com a dignidade e a responsabilidade que se espera dos homens públicos.

Rui Falcão
Presidente Nacional do Partido dos Trabalhadores”

Leia a íntegra do discurso de Bolsonaro:

“Sra. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, meus companheiros Deputados Federais, mais uma vez, eu trago aqui um assunto que, ao contrário do que alguns pensam, ainda não acabou.

Tratou-se ontem, na Comissão de Legislação Participativa, da questão do kit gay 2. Eu não estou perseguindo boiola, quero deixar bem claro! O assunto é sério! Esse pessoal não se cansa! Lançaram o kit gay 2, inclusive com a participação de Fábio Meirelles Hardman de Castro, coordenador-geral de Direitos Humanos do MEC.

Então, Dilma Rousseff, tu gostas de mentiroso, porque agora está o Ministro da Educação, a todo vapor, com o kit gay 2.

E entre as diretrizes lançadas ontem para as editoras, as que vão fazer os livros escolares, está a de que todos os livros têm que ter a temática das famílias LGBT.

Para quem duvidar de mim, as fitas estão à disposição, na Comissão.

Bem, o que está sendo tratado? O Programa Nacional do Livro Didático — para escolas públicas; o Programa Nacional Biblioteca da Escola, tratando da temática LGVT; o Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio; o Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização; e por aí vai.

Quem são as pessoas que fazem esse currículo? Vou dizer o nome de algumas das que estiveram aqui presentes ontem, dirigindo os trabalhos. E deixo claro: não vi nenhum Deputado da Comissão de Legislação Participativa presente. Eu é que fui lá, fiquei num canto — e me convidaram para sentar, mas eu sou insentável; não vou sentar com aquela gente — , e assisti a grande parte do que lá trataram. Eu estava constrangendo aqueles caras.

Um dos presentes que trata do currículo para o seu filho… Você, aí, que tem um filho em escola pública do primeiro grau; você que é pobre, porque na escola particular não vai entrar esse material! Nos livros didáticos vão estar a participação do Toni Reis, Presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais; da Irina Bacci, secretária-geral da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis etc.; e de outra figura, a Keila Simpson, a mesma coisa. E por aí vai.

São 180 itens! O kit gay não foi sepultado ainda! Dilma Rousseff, pare de mentir. Se gosta de homossexual, assuma. Se o teu negócio é amor com homossexual, assuma. Mas não deixe que essa covardia entre nas escolas do primeiro grau! Tudo o que foi tratado ontem foi com a temática LGBT para os livros escolares. Criam aqui bolsa de estudo para jovem LGBT! Estágio remunerado para lésbicas, gays, bissexuais etc.!“

Fraude que envolve ex-senador chegaria a R$ 1 bi

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Com apenas uma das fraudes, o grupo criminoso pretendia faturar R$ 1 bilhão ao longo de 20 anos de exploração de uma concessão pública, obtida mediante fraude. Essas são algumas das conclusões apontadas pelo MP do Rio Grande do Norte no pedido de prisão de 14 pessoas – entre elas, o suplente do senador e presidente do DEM, José Agripino (RN.

Fraude que envolve ex-senador chegaria a R$ 1 bi

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Por Edson Sardinha – congressoemfoco.com.br
Uma série de artifícios jurídicos tirou dinheiro indevidamente do bolso do proprietário de veículo no Rio Grande do Norte com o único objetivo de abastecer os cofres de uma quadrilha, formada por empresários, advogados, políticos e diretores de órgãos públicos. Com apenas uma das fraudes, o grupo criminoso pretendia faturar R$ 1 bilhão ao longo de 20 anos de exploração de uma concessão pública, obtida mediante fraude. Essas são algumas das conclusões apontadas pelo Ministério Público Estadual do Rio Grande do Norte no pedido de prisão de 14 pessoas – entre elas, o suplente do senador e presidente do DEM, José Agripino (RN), João Faustino (PSDB) – pela Operação Sinal Fechado, deflagrada na manhã de ontem (24) com o apoio da Polícia Militar.

Além do ex-deputado federal e ex-senador João Faustino, atual suplente do senador José Agripino (DEM-RN), foram presos um ex-diretor do Detran-RN e empresários que atuam na área de expedição de documentos para veículos. O Ministério Público também pede o bloqueio dos bens dos acusados em valor correspondente a R$ 35 milhões. As denúncias respingam, ainda, em dois ex-governadores: Iberê Ferreira (PSB) e Wilma de Faria (PSB), considerados suspeitos de acobertar os esquemas operados entre 2008 e 2010.

Cobranças ilegais

Nesse período, o proprietário de veículos no Rio Grande do Norte se viu obrigado a fazer pagamentos que, segundo as denúncias, abasteceram os cofres dos personagens envolvidos: o registro em cartório do financiamento bancário de veículos novos ou usados e o serviço de inspeção veicular ambiental. O grupo beneficiário se valia do pagamento de propina a servidores públicos, promessas de vantagens indevidas, fraudes em licitações e tráfico de influência. No caso das taxas por registro, o proprietário pagava de R$ 130 a R$ 800, conforme o veículo.

Os seis promotores que assinam a petição sustentam que, no caso da inspeção veicular ambiental, a quadrilha fraudou desde o processo de elaboração da lei, em meados de 2009, até o processo licitatório, em 2010. De acordo com a denúncia, o grupo teve influência até para determinar o modelo de prestação do serviço — por meio de concessão —, o que permitiria a obtenção de elevados lucros com o contrato, em detrimento dos cofres públicos e dos contribuintes. O esquema girava em torno do Consórcio Inspar, formado por um grupo de empresas sob a coordenação de George Anderson Olímpio da Silveira, apontado pelos investigadores como chefe da quadrilha.

Os idealizadores do consórcio chegaram a trocar mensagens eletrônicas, interceptadas pela Justiça, definindo o teor da própria lei que tornou obrigatória a inspeção de todos os veículos no estado. Ainda segundo as apurações, elaboraram o edital de licitação direcionado e até ditaram as respostas às impugnações dos concorrentes. O negócio garantiria um faturamento bruto anual de R$ 40 milhões para o grupo. Ou seja, cerca de R$ 1 bilhão ao longo das duas décadas de exploração da concessão, considerando-se aí eventuais correções.  A Procuradoria Geral da República recorreu contra a lei estadual no Supremo Tribunal Federal (STF), alegando inconstitucionalidade: o assunto não poderia ser tratado por lei estadual e o Estado não poderia dar “poder de polícia” a uma empresa privada, já que esta cobraria “tarifa” dos proprietários de veículos. A ação ainda não foi analisada pelo Supremo, mas o atual governo do estado derrubou o contrato este ano apontando uma série de problemas contratuais.

Os dois casos apontam para o entrelaçamento de alguns personagens, segundo o Ministério Público Estadual, como o ex-diretor do Detran-RN Carlos Theodorico de Carvalho Bezerra, autor da portaria que resultou na obrigatoriedade de registro em cartório dos contratos de financiamento de veículos, e o ex-procurador do órgão Marcus Vinicius Furtado da Cunha. O empresário George Anderson, do Consórcio Inspar, é acusado de também estar por trás da empresa terceirizada contratada pelo Detran para registrar os contratos dos veículos financiados. A prestação desse tipo de serviço por uma empresa privada foi coibida após ação do próprio Ministério Público do Rio Grande do Norte no ano passado.

Contatos com prefeitura de Kassab

As interceptações telefônicas e as trocas de mensagens eletrônicas citadas na denúncia mostram que o grupo demonstrava desenvoltura com agentes públicas de outros estados, como Minas Gerais e São Paulo, e que articulava a entrada em Alagoas, na Paraíba e no Ceará. Um dos lobistas envolvidos chega a citar contatos com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), embora sem detalhar o teor da conversa. Curiosamente, suspeitas de irregularidade na área de inspeção veicular levaram o Ministério Público Estadual de São Paulo a pedir, ontem (24), o afastamento do prefeito paulistano.

O ex-governador Iberê Ferreira, que concluiu o mandato de Wilma de Faria quando ela renunciou ao cargo para disputar sem sucesso o Senado, é tratado como “possível ‘eminência parda’” por trás de George Olímpio. Os investigadores alegam que têm provas de que ele recebeu pelo menos R$ 1 milhão do esquema e que teria sido agraciado com cotas de participação nos lucros futuros do consórcio. O ex-governador reagiu ontem com veemência à denúncia. Negou ter qualquer responsabilidade sobre o caso e acusou o Ministério Público de tentar “macular” sua imagem como homem público. “Ao final, manterei minha reputação ilibada, jamais desapontando aqueles que sempre depositaram confiança em mim”, afirmou (leia a íntegra da nota). Ele teve sua casa vasculhada por policiais e seus bens bloqueados.

Os promotores sustentam que Iberê contribuiu decisivamente para a contratação irregular do grupo e para a contratação fraudulenta da empresa que ficava com o dinheiro do registro dos veículos. Uma empresa constituída no Paraná, mas que estaria a serviço do mesmo grupo que criou o consórcio, foi contratada para prestar o serviço para o Detran-RN. Na nota à imprensa, o ex-governador diz não ter cometido nenhum tipo de ingerência no Detran e que o órgão tinha autonomia para cuidar dos processos licitatórios.

Suplente é “lobista”

O tucano João Faustino, que chegou a exercer o mandato de senador ano passado como suplente de Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), é apontado como um “lobista” pelos investigadores. O atual suplente de José Agripino é acusado de receber, em troca de favores, pagamentos mensais de R$ 10 mil dos empresários George Olímpio e Marcus Procópio. O tucano, ainda de acordo com a acusação, recebeu promessa de participação em lucros futuros do Consórcio Inspar. A petição também levanta suspeitas sobre um dos filhos do suplente de senador.

Mensagens interceptadas pelos investigadores mostram que Faustino, mesmo na suplência, tentou abrir portas para o grupo no Senado em 2008. Numa das gestões, ele tentava ajudar o grupo a barrar uma alteração numa medida provisória que impedia as instituições públicas a firmarem convênios com cartórios para o registro de veículos. As tentativas ocorreram quando Garibaldi Alves Filho, de quem o tucano era suplente, presidia o Senado, em 2008. Mas, de acordo com as investigações, a gestão do suplente não chegou a impedir a aprovação da mudança das regras. As mensagens, no entanto, deixam claro que era George quem estava por trás do instituto contratado inicialmente para o registro de veículos. Ele é apresentado como presidente da entidade.

Os investigadores afirmam que é preciso apurar o eventual envolvimento da ex-governadora, o que ainda não está claro, segundo eles. Wilma enviou à Assembleia Legislativa o projeto que resultou na lei que tornou obrigatória a inspeção veicular a partir do segundo emplacamento no Rio Grande do Norte. A proposta foi elaborada com a “participação ativa de membros da organização criminosa”, argumentam os promotores. Eles admitem que não há ainda elementos sólidos que sustentem que ela tinha conhecimento do caso, embora sejam mais contundentes em relação ao filho dela, o advogado Lauro Faria. Segundo a petição do Ministério Público Estadual, ele recebia promessas de participação em lucros futuros do consórcio em troca de ajuda no governo, além de pagamentos mensais de R$ 10 mil.

O contrato do governo potiguar com o Consórcio Inspar foi rompido no início do ano pela governadora Rosalba Ciarlini (DEM), após o surgimento de suspeitas de irregularidades na elaboração do contrato e de superfaturamento nos serviços executados. Rosalba é casada com um primo do senador José Agripino, que preside nacionalmente o seu partido, e que tem João Faustino como suplente. “O passado de João Faustino é suficiente para garantir credibilidade ao que ele venha a dizer sobre esse assunto”, disse Agripino ontem, por meio de sua assessoria.

Após o rompimento do contrato, João Faustino telefonou para o empresário George Anderson, acusado pelo Ministério Público de chefiar a quadrilha, para prestar solidariedade. Eis o relator do diálogo, segundo os promotores:

“João Faustino liga para George e diz: ‘Ligando para lhe dar um abraço. Dizer que eu estarei sempre do seu lado, viu?’. George diz: ‘Tá, muito obrigado, eu sei disso’. João Faustino continua: ‘Sempre… sempre do seu lado. Você tá sendo injustiçado, tá sendo massacrado, mas vai ganhar, vai ser o grande vitorioso desse processo todo. E conte comigo, viu?… Vá repousar… o repouso do guerreiro… a gente se encontra amanhã, George.’ Desligam após se despedir.”

Secretário de Fernando Henrique

João Faustino é um velho conhecido dos tucanos. Foi secretário de Assuntos Federativos da Presidência da República no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e subchefe da Casa Civil do então governador de São Paulo, José Serra (PSDB), por dois anos e meio. Exerceu três mandatos de deputado federal. Concorreu sem sucesso ao governo do Rio Grande do Norte em 1986. Ontem no início da noite (24), a Justiça negou o pedido de prisão domiciliar feito pelo suplente de senador, que alegou problemas de saúde e idade avançada. Ele tem 69 anos.

Até o início da noite de ontem (24), apenas dois dos 14 mandados de prisão ainda não haviam sido cumpridos: um em Natal e outro em São Paulo. As prisões e buscas foram determinadas pela juíza da 6ª Vara Criminal de Natal Emanuella Cristina Pereira Fernandes, que também determinou o sequestro de bens de diversos investigados.

A Operação Sinal Fechado tem o apoio dos Ministérios Públicos dos Estados de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul, e a colaboração da Polícia Militar do RN, com diligências simultâneas em Natal, Parnamirim (RN), São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. Ao todo, foram mobilizados 40 promotores de Justiça e mais de 250 policiais, que cumpriram as ordens judiciais. A investigação é conduzida pela Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público da Comarca de Natal, com o auxílio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/RN).

Dilma deveria ser ‘mais radical em faxina política’, diz ‘Economist’

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

A presidente Dilma Rousseff teria capital político para ser “mais radical em sua faxina política”, opinou a revista Economist em reportagem publicada nesta quinta-feira, que começa descrevendo o “conhecido roteiro” de queda de ministros no governo…

A presidente Dilma Rousseff teria capital político para ser “mais radical em sua faxina política”, opinou a revista Economist em reportagem publicada nesta quinta-feira, que começa descrevendo o “conhecido roteiro” de queda de ministros no governo brasileiro: alegações de corrupção, negações, novas provas, demissão.

“Agora, Carlos Lupi, o ministro dos Transportes, parece ser o próximo a sair”, diz a revista.

Para a Economist, porém, a faxina ministerial, ainda que conte com aprovação popular, “meramente toca na superfície de um problema com raízes na forma como a política se desenvolveu no Brasil”, citando a troca de cargos executivos por apoio legislativo, com o objetivo de conseguir a aprovação de projetos.

Em entrevista à publicação, Sylvio Costa, do site Congresso Em Foco, diz que o Brasil tem “uma presidente forte que não consegue fazer nada sem o apoio do Congresso. E esse apoio tem que ser comprado”.

Agenda política

“(Dilma) deu poucos sinais de que está interessada em fazer mudanças radicais nesse sistema político de patronagem”, afirma a reportagem da Economist. “É mais possível que ela simplesmente continue a mandar embora (os ministros) mais pecadores quando (denúncias) chegarem ao seu conhecimento.”

Na opinião da reportagem, porém, Dilma poderia apostar em reformas políticas mais profundas, considerando que “muito da agenda política da presidente – como melhorar a educação e a saúde, eliminar a pobreza extrema e investir em infraestrutura – não depende da aprovação do Congresso”.

Fonte: votebrasil.com

Dilma não vai responder Bolsonaro; Líder quer pedido de desculpa

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

A presidenta Dilma Rousseff não vai se manifestar sobre mais um ataque do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) ao combate à homofobia no País. Desta vez, o deputado fluminense cometeu a grosseria de sugerir que Dilma teria “amor homossexual”.

Marta pede providências da Câmara contra Jair Bolsonaro

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Quando protestava contra a campanha elaborada pelo governo para combater o preconceito contra homossexuais nas escolas, Bolsonaro teria dito que a presidente Dilma Rousseff deveria logo “assumir” se o seu negócio é “amor com homossexual”.

Dilma não vai responder Bolsonaro; Líder quer pedido de desculpa

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Fonte: votebrasil.com

Assessoria de imprensa da Presidência da República informa que não haverá resposta à nova grosseria de deputado fluminense…

A presidenta Dilma Rousseff não vai se manifestar sobre mais um ataque do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) ao combate à homofobia no País. Desta vez, o deputado fluminense cometeu a grosseria de sugerir que Dilma teria “amor homossexual”. A assessoria de imprensa da Presidência da República informou que não irá se manifestar sobre o assunto.

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que Bolsonaro deveria “pedir desculpas ao País por mais esse vexame”.

O petista, porém, disse que não cabe pedido de abertura de processo no Conselho de Ética. “Quando fala da tribuna da Casa, o deputado tem direito a imunidade parlamentar para manifestar suas opiniões”, completou Vaccarezza.

Não é a primeira vez que Bolsonaro entra em polêmica ao se manifestar contra o combate à homofobia nas escolas. Em março deste ano, ele sofreu um processo no Conselho de Ética depois de uma declaração considerada preconceituosa à cantora Preta Gil. No entanto, o processo acabou arquivado.

Bolsonaro também já se envolveu numa discussão com a ministra Maria do Rosário (Secretaria de Direitos Humanos), quando ela exercia o mandato de deputada federal. Na oportunidade, ele chamou a colega de “vagabunda” durante uma entrevista a uma emissora de televisão enquanto se discutia a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos.

Marta pede providências da Câmara contra Jair Bolsonaro

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

 

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) pediu, nesta quinta (24), ao presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, que tome providências para punir o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) por falta de decoro parlamentar. Ele teria dito, em discurso mais cedo, quando protestava contra a campanha elaborada pelo governo para combater o preconceito contra homossexuais nas escolas, que a presidente Dilma Rousseff deveria logo “assumir” se o seu negócio é “amor com homossexual”.

“Como mulher, como cidadã, como mãe, como senadora, como vice-presidente desta Casa, pedimos ao presidente da Câmara, deputado Maia, que tome enérgicas providências e limites, porque está sem um freio de arrumação. Sinto muito, a falta de decoro parlamentar desse deputado tem ofendido cidadãos comuns e agora até mesmo a Presidente da República”, afirmou.

Marta Suplicy salientou que a falta de decoro de Bolsonaro não foi por dizer que a presidente Dilma possa ser homossexual, mas sim por fazer insinuações a respeito da sexualidade da própria presidente da República, quando a opção sexual de qualquer ser humano é uma questão de foro íntimo. Ela citou trecho de discurso do deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ), logo após a fala de Bolsonaro, reprovando o pronunciamento do colega.

Fonte: Agência Senado

Dilma defende ampliação de programa que dá bolsa a atletas

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Fonte Votebrasil.com

Brasil foi o primeiro lugar no quadro geral de medalhas dos jogos. Presidente defendeu a ampliação de ajuda financeira a esportistas.

A presidente da República, Dilma Rousseff, recebeu nesta quinta-feira (24), no Palácio do Planalto, 85 atletas que competiram nos jogos Parapan-americanos 2011, realizado na cidade de Guadalajara. no México.

Dilma elogiou a atuação dos atletas e disse que é preciso ampliar o programa Bolsa Atleta, que dá ajuda financeira a esportistas. De acordo com números apresentados por ela, dos 222 esportistas brasileiros que participaram do Parapan, 73% recebem o benefício, o que representa 162 atletas. Desses, 80% obtiveram medalha.

“Esse investimento do país em vocês está para lá de bem atendido e de bem recompensado, porque é muito bom a gente ver um grupo tão grande de brasileiros e brasileiras ter o desempenho que vocês tiveram”, disse a presidente.

O Bolsa-Atleta é um programa gerido pelo Ministério do Esporte que distribui ajuda financeira a atletas de alto rendimento que não possuem patrocínio. O valor do benefício mensal varia de R$ 370,00, para atletas estudantes, a R$ 3.100,00, para esportistas olímpicos e paraolímpicos.

A presidente disse que os atletas são exemplos para o programa Viver sem Limites, lançado na semana passada pelo governo e que pretende investir R$ 7,6 bilhões até 2014 na inclusão de pessoas com deficiência.

“Esse programa que foi para mim um dos momentos mais gratificantes da minha presidência porque dá certeza que estamos rompendo com o preconceito”, disse. Na cerimônia de lançamento do Viver sem Limites, Dilma chegou a se emocionar e chorou.

Nos jogos do Parapan-Americanos de Guadajara, os 222 atletas brasileiros conquistaram 197 medalhas, sendo 81 de ouro, 61 de prata e 55 de bronze. O país repetiu o primeiro lugar no quadro geral de medalhas conquistado no Rio de Janeiro, há quatro anos.

Dilma disse que atletas são exemplo para contemplados pelo programa Viver sem Limites, que investirá R$ 7,6 bilhões até 2014 para inclusão de pessoas com deficiência (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)

Dilma deveria ser ‘mais radical em faxina política’, diz ‘Economist’

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

A presidente Dilma Rousseff teria capital político para ser “mais radical em sua faxina política”, opinou a revista Economist em reportagem publicada nesta quinta-feira, que começa descrevendo o “conhecido roteiro” de queda de ministros no governo brasileiro: alegações de corrupção, negações, novas provas, demissão.

Renato Rabelo: PCdoB reafirma candidatura de Netinho em São Paulo

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Renato reafirmou que o vereador Netinho Paula irá representar e defender as bandeiras dos comunistas na capital paulista em 2012, e lembrou que o Partido foi primeiro a lançar sua pré-candidatura. “O Netinho vem se revelando uma liderança que tem um grande prestígio popular na cidade de São Paulo, pela sua própria origem.

Renato Rabelo: PCdoB reafirma candidatura de Netinho em São Paulo

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

 

Em entrevista ao Vermelho nesta quinta-feira (24) o presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, falou da agenda política que cumpriu na quarta-feira (23), em Brasília, com o ministro da Educação e pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad.

Renato reafirmou que o vereador Netinho Paula irá representar e defender as bandeiras dos comunistas na capital paulista em 2012, e lembrou que o Partido foi primeiro a lançar sua pré-candidatura. “O Netinho vem se revelando uma liderança que tem um grande prestígio popular na cidade de São Paulo, pela sua própria origem. A campanha ao Senado deixou isso claro. Apesar dos ataques e da tentativa de desmoralizá-lo, ele teve uma votação muito expressiva”.

Além de ser considerada uma candidatura natural para o Partido, o dirigente nacional afirmou que a essa é ainda uma decisão do grupo de trabalho eleitoral do PCdoB — que se reuniu recentemente em Brasília.

O encontro definiu a necessidade de o Partido apresentar, cada vez com mais intensidade, candidaturas majoritárias. “Essa é uma acumulação importante que o PCdoB está fazendo. É o meio do Partido se dirigir ao povo, manifestando suas ideias e suas propostas. As lideranças e o Partido passam a ser mais conhecidas por meio das eleições majoritárias”.

A deliberação do grupo de trabalho eleitoral será uma linha de conduta adotada em todo Brasil. O PCdoB também apresentará em 2012 nomes para disputar as eleições municipais em Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), Salvador (BA), Fortaleza (CE), São Luis (MA) e Rio Branco (AC). “Todas essas são candidaturas com grandes possibilidades e São Paulo também tem grande relevância para o Partido, por sua própria repercussão nacional”.

Com Lula

A candidatura de Netinho também foi um dos assuntos da visita de Renato ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na manhã desta quinta-feira (24), em São Bernardo.

Ele disse que defendeu junto a Haddad e a Lula que — no caso de São Paulo — é possível a consolidação de mais de uma candidatura da base de apoio ao governo Dilma, com a possibilidade de formar uma aliança no segundo turno.

Renato ressaltou o respeito do ministro em relação à decisão do PCdoB. “Em momento algum ele fez qualquer tipo de apelo e imposição — como a mídia conservadora tenta insinuar — em relação à pré-candidatura de Netinho. O próprio Lula concorda que o PCdoB deve ter uma candidatura que projete o Partido”.

O dirigente comunista disse que Lula está muito disposto e consciente do êxito do tratamento. “Nossa conversa gerou mais em torno de questões gerais. Neste momento tudo tem que se voltar para a recuperação dele. Ele é um grande amigo e aliado. Fomos lá para estimulá-lo e levar nossa solidariedade”.
Da redação do  vermelho.org.br
Mariana Viel

Dilma defende ampliação de programa que dá bolsa a atletas

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Diante de 85 atletas que competiram nos jogos Parapan-americanos 2011, realizado na cidade de Guadalajara. A presidente da República, Dilma Rousseff disse que é preciso ampliar o programa Bolsa Atleta, que dá ajuda financeira a esportistas.