Arquivo de Março de 2009

Os 40 reais de “salário” e o Bolsa Família

segunda-feira, 30 de Março de 2009

Rhianna e Chris Brown mesmo juntos, ele pode ser processado

segunda-feira, 30 de Março de 2009

A dor e suas causas

segunda-feira, 30 de Março de 2009

CPI desvia foco e tenta incriminar Prótogenes, diz o Deputado Antônio Carlos Biscaia

segunda-feira, 30 de Março de 2009

CPI desvia foco e tenta incriminar Prótogenes, diz o Deputado Antônio Carlos Biscaia

segunda-feira, 30 de Março de 2009

O Conversa Afiada entrevistou o deputado federal Antônio Carlos Biscaia, do PT do Rio, que participou da CPI dos Grampos, no ano passado, e que agora retorna à comissão.
Recentemente, ele se pronunciou na tribuna da Câmara em defesa do juiz Fausto e da punição dos crimes financeiros relacionados a Daniel Dantas. Biscaia faz parte de um grupo de parlamentares que se reuniu na semana passada para traçar estratégia de apoio ao delegado Protógenes Queiroz.
O grupo se articulou para impedir que Protógenes seja preso durante em seu próximo depoimento à CPI, no dia 1º, e  pressionou o presidente da comissão, deputado Marcelo Itagiba (PSDB-RJ), que garantiu não existir a intenção prender o delegado. Itagiba disse que a possibilidade não passava de “um factóide”.
Biscaia acredita que a CPI foge ao seu propósito ao centrar fogo na Satiagraha. E mais: a comissão tenta incriminar os detratores de Daniel Dantas. Para o deputado, o presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, erra ao manifestar-se sobre o caso que um dia ele mesmo deverá julgar. Essa atitude favorece apenas aos advogados de Dantas, argumenta.

Veja  a íntegra da entrevista com o deputado Antônio Carlos Biscaia e leia abaixo sua transcrição:

Conversa Afiada – A que se deve o seu retorno à CPI dos Grampos e qual a sua expectativa em relação ao trabalho dessa comissão?
Antônio Carlos Biscaia – No momento em que, juntamente com outros parlamentares passamos a perceber que essa CPI que teve o objetivo determinado inicial de apurar as gravações interceptações clandestinas, passou a ter outra direção. E esta, pelo que se percebe, é para atingir delegado Protógenes e, ao mesmo tempo, o juiz Fausto De Sanctis. Por esta razão, esse grupo de parlamentares tomou iniciativas objetivando a participação nos trabalhos dessa CPI, que foi prorrogada por 60 dias.

CAF – Há intenção de prejudicar tanto o juiz quanto o delegado?
ACB – O que se percebe é que houve um desvio do foco. Nós temos uma CPI que, atendendo os preceitos constitucionais, ela tem de investigar um fato determinado. Mas na medida em que ela se transforma em uma CPI destinada exclusivamente à operação Satiagraha, é preocupante. E você percebe que essa operação também, que buscava comprovar ilícitos financeiros relevantes, envolvendo o banqueiro Daniel Dantas ela está desviando seu foco para atingir aqueles que são responsáveis por todas essas investigações.

CAF – Deputado, essa CPI se iniciou a partir de uma reportagem da revista Veja, que falava de um suposto grampo, que teria sido feito no gabinete do presidente do STF, e que até hoje não foi encontrado. A CPI já chegava ao fim e foi prorrogada depois de uma segunda reportagem da revista Veja, que também dizia que o delegado Protógenes Queiroz utilizava métodos ilegais em suas investigações. Como senhor vê essa forma de se pautar uma CPI a partir de reportagens que não foram sequer totalmente comprovadas?
ACB – É muito suspeito que isso tenha ocorrido. A CPI já se encontrava na sua fase de relatório final, que foi apresentado. Dependia apenas de votação, quando uma segunda reportagem da revista Veja  provocou essa prorrogação por mais 60 dias. É importante assinalar aí que a própria CPI e a revista Veja mencionam documentos relacionados com interceptação telefônica, que estariam cobertos pelo sigilo decretado pelo juiz competente, Fausto De Sanctis. Nós temos que verificar até que ponto houve o vazamento dessa documentação. Essa é uma questão que também está relacionada ao foco das investigações. Porque pela decisão do juiz Fausto De Sanctis, negando acesso aos documentos, como é que esses documentos chegaram? Uma cópia da CPI e, provavelmente outra da revista Veja. Então, isso também deve ser objeto do aprofundamento das investigações.

CAF – O suposto vazamento da Operação Satiagraha deu ensejo a um inquérito da Polícia Federal que investiga o próprio Protógenes Queiroz. Tendo em vista essa iniciativa de investigar o vazamento, como a gente pode encarar esses outros casos de vazamento como os que são relatados pela revista?
ACB – Tudo fica muito suspeito. O próprio inquérito da Polícia Federal, que está investigando um investigador, o delegado Protógenes Queiroz, até o momento não chegou a uma conclusão concreta. Ele não foi indiciado de forma alguma por ter realizado interceptações ilegais. Ele afirma com toda a veemência que todas as suas interceptações efetivadas foram com autorização judicial. E isso está confirmado pelo próprio juiz De Sanctis. Então, do que ele está sendo indiciado? Primeiro por ter permitido, em uma daquelas diligências, aquela que envolveu o ex-prefeito Celso Pitta, tivesse havido acesso à imprensa, à filmagem. Então está enquadrado em um dispositivo por ter permitido isso. E o segundo foi por ter comentado o caso com jornalistas. Uma suposta quebra do sigilo funcional. Mas nada que esteja relacionado efetivamente à quebra de interceptações telefônicas que estavam cobertas pelo sigilo.

CAF – Essa nova convocação do delegado e do juiz é devida?
ACB – A CPI tem poderes amplos de investigação e de convocação e é possível que qualquer pessoa possa ser reconvocada para esclarecimentos. Mas o que nós não podemos concordar é que o principal responsável para que as investigações dessa operação, denominada Operação Satiagraha, tivesse sucesso, delegado Protógenes, e eu não entendo que a CPI pretenda intimidá-lo. De alguma forma,tentar alguma medida coercitiva. Por não aceitar isso que o grupo de parlamentares, entre os quais eu me incluo, está tomando atitudes,  se reunindo. Foram alguns senadores, alguns parlamentares. Inicialmente eram apenas os do PSOL, agora se ampliou. Estávamos lá, além do senador Pedro Simon, do senador Suplicy, eu também estava presente. Então é importante que se queira uma investigação plena. Ninguém vai questionar o poder da CPI investigar. Mas isso não pode ter previamente uma predisposição no sentido de incriminar o delegado Protógenes.

CAF – Em que medida a atuação do Supremo Tribunal Federal, e mais especificamente do presidente do Supremo, ministro Gilmar Mendes, tem influenciado nos desdobramentos desta CPI e da Operação Satiagraha?
ACB – Eu já me manifestei no plenário da Câmara dos Deputados, quando foi proferida a segunda decisão do Supremo, o segundo habeas corpus. Me pronunciei tecnicamente, como alguém que foi do Ministério Público durante 30 anos, dizendo que não concordava com as decisões do ministro Gilmar Mendes e dizendo que a segunda sentença que foi decretada a prisão era perfeitamente justificável, porque tratava-se, como se trata, de alguém que poderia influir durante as investigações e que se viesse a ser condenado teria todas as condições de se evadir. Um exemplo clássico de prisão preventiva, que justifica essa prisão preventiva. Então, eu não concordo com a decisão. Não concordo também com a afirmação de que a segunda prisão foi feita para desmoralizar o Supremo. De forma alguma. E a esse respeito a Ajufe (Associação dos Juízes Federais) expediu nota, há dois dias atrás, com veemente repúdio a essa afirmação do ministro Gilmar Mendes de que essa decisão do juiz Fausto De Sanctis era uma forma de desmoralização. Não, ele estava no pleno exercício de sua função judicante. Ele tem autonomia, independência, e o juiz de primeiro grau tem de ser respeitado em suas decisões.

CAF – A investigação da Operação Satiagraha ainda está no âmbito da Polícia Federal e da Justiça de primeira instância. Considerando isso, o presidente do STF poderia manifestar-se sobre um tema que eventualmente ele poderá julgar?
ACB – É uma outra questão que eu tenho dito nos meus pronunciamentos. Desde que eu entrei na Faculdade de Direito, no início dos meus estudos, há quarenta anos atrás, eu aprendi que o magistrado que se manifesta sobre um caso não pode julgá-lo posteriormente. É o princípio básico que configura o impedimento ou a suspeição. Mas nesse caso nós estamos vendo exatamente o contrário: manifestações prévias de um caso que com toda certeza chegará ao Supremo Tribunal Federal e deverá ser julgado por todos os seus integrantes. Então esse não é o procedimento adequado. Eu acho que configura-se no caso um impedimento e uma suspeição dele, ministro, que previamente já se manifesta e dá sua opinião sobre o caso. E ao mesmo tempo isso favorece a tese dos advogados que querem invalidar toda essa investigação.

Transplante de células já é arma contra diabete

domingo, 29 de Março de 2009

Transplante de células já é arma contra diabete

domingo, 29 de Março de 2009

Realizado no Hospital Albert Einstein, procedimento ainda é experimental
Médicos e pesquisadores brasileiros anunciaram a realização do primeiro transplante de células do pâncreas no país. O procedimento, apesar de ainda experimental, é encarado como hipótese de cura para pacientes diabéticos. As células são responsáveis pela produção de insulina, deficiente em quem sofre de diabete.
O que mais impressiona é a simplicidade do procedimento, que dura cerca de 35 minutos. Com uma injeção, as células – cujo agrupamento é conhecido como ilhotas de Langerhans – são direcionadas para o fígado do paciente. Segundo o coordenador do projeto, o endocrinologista Freddy Goldberg Eliaschewitz, mesmo sendo originárias do pâncreas, as células transplantadas se adaptam ao fígado e passam a produzir insulina.
O trabalho maior, no entanto, ocorre há mais de cinco anos no laboratório do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP). É lá que 12 pesquisadores aprimoram o trabalho de isolamento das ilhotas, provenientes de pâncreas de cadáveres.
“O importante é que esse procedimento conseguiu estabelecer a ponte entre a pesquisa e a clínica médica”, diz Eliaschewitz.
As pesquisas têm principalmente o apoio da Fapesp.
O transplante foi realizado no Hospital Israelita Albert Einstein, que bancou essa etapa do projeto. Apenas pouco mais de 100 procedimentos semelhantes já foram feitos em todo o mundo. Os médicos são cautelosos em dizer que esta foi apenas a primeira fase do procedimento, que não permite ainda declarar o sucesso do mesmo.
“Injetamos a primeira dose das ilhotas, ou seja, um terço do que ela precisa. Depois de 2 meses, se tudo correr bem, faremos a segunda”.
É importante salientar que a experiência é indicada apenas para pacientes cuja diabete é uma ameaça iminente à vida. Isso porque, como em qualquer transplante, é preciso tomar drogas imunupressoras, que impedem a rejeição das novas estruturas, mas têm sérios efeitos colaterais.
Segundo Eliaschewitz, ainda não é possível saber quando a técnica será testada em outro paciente. “É o primeiro passo de uma longa estrada”, diz o coordenador de pesquisa do Einstein, Carlos Alberto Moreira.
Pesquisas – Além do isolamento, o laboratório na USP pesquisa ainda uma maneira de encapsular as ilhotas para que elas não sofram rejeição quando transplantadas. Sem o risco dos imunupressores, o procedimento poderia ser feito em um número maior de pacientes diabéticos.

PSDB, DEM, PPS e PMDB pegos com a mão na botija

quinta-feira, 26 de Março de 2009

Aí está a fina flor da oposição brasileira: PSDB, DEM e PPS (Alô, alô, Roberto Freyre e Raul Jungmann…).

Com o PMDB não há por que se surpreender.

Mas, o que dirão os cardeais da oposição?

O Zé Pedágio, o Farol de Alexandria, a fina flor do PiG(*)?

E, agora, como vão para a eleição de 2010?
Esse é o dólar na cueca deles?
Ou o dinheiro que eles pegavam com a Camargo Correia é santo?
E o dinheiro do Daniel Dantas, também é santo?
E a privatização dos telefones é santa?
É preciso enforcar o corajoso Juiz Fausto De Sanctis HOJE!
A elite branca de olhos azuis não pode conviver com esse homem, especialmente se a cabeça dele ficar em cima do pescoço!

Publicado no site www.paulohenriqueamorim.com.br

Um dia extraordinário para a Varig e para o Aerus

quinta-feira, 26 de Março de 2009

Jovem de 11 anos pode ser condenado a prisão perpétua nos Estados Unidos

quinta-feira, 26 de Março de 2009

Os perigos e os sintomas da depressão

quinta-feira, 26 de Março de 2009

PSDB, DEM, PPS e PMDB pegos com a mão na botija

quinta-feira, 26 de Março de 2009

Os perigos e os sintomas da depressão

quinta-feira, 26 de Março de 2009

A depressão apresenta um conjunto específico de sintomas e comportamentos discrimináveis que a diferenciam de outras neuroses: insônia ou sono demais, apatia, falta ou aumento de apetite, falta de concentração, desânimo.
O diagnóstico da depressão é particularmente importante, em vista da complicação letal que é quase especificamente próprio dessa síndrome: o suicídio.
Normalmente, os deprimidos procuram ajuda por não mais sentirem amor pelos membros de sua família ou por terem perdido o gosto pela vida. As vezes, os deprimidos pode vivenciar apatia, mas não consegue ter consciência de sua tristeza.
A vergonha do paciente acerca de seus sentimentos cobre uma vasta gama de atitudes investidas de emoção: a redução de sua habilidade para expressar amor ou mesmo para vivencia-lo, sua irritação, especialmente face àqueles que são importantes e sua ansiedade sempre presente.
Acima de tudo, os pacientes sentem vergonha quando sua tristeza parece excessiva ou inadequada à sua situação de vida.
Esses tópicos de reações envergonham tanto o deprimido que ele quase nunca se sente livre para falar, exceto no contexto da terapia, se o terapeuta consegue estabelecer um “rapport” com ele e também se mostre sensível a esse conjunto particular de reações “vergonhosas” “abrir-se” é algo que alivia o paciente do esforço de suprimir ou esconder seus sentimentos. A aceitação, pelo terapeuta, dos sentimentos e atitudes negativistas do paciente provavelmente reduz os sentimentos de culpa e a autoflajelação.

Sintomas Alvos da Depressão:
Sintomas Objetivos
:
Tristeza
Em geral, o paciente está sofrendo dessa dor psíquica numa ocasião em que sua tolerância e sua capacidade para lidar com qualquer tipo de sofrimento estão em nível baixo.
Culpa
O sentimento de culpa relaciona-se com frequencia a seu mecanismo de assumir uma parcela irreal de responsabilidade pelo comportamento de terceiros.
Vergonha
Se origina de sua crença de estar sendo julgado como infantil, fraco, tolo ou inferior.

Sintomas Motivacionais:
A perda da motivação nas situações mais simples é com frequencia um dos sintomas principais da depressão. O paciente não encontra estímulo interno para realizar tarefas. O paciente se acha incapaz de realizar a tarefa ou que não derivará nenhuma satisfação ao faze-la.

Aumento da Dependência:
A ajuda frequente de parentes e amigos lhe traz um alívio temporário, porém, tende a reforçar sua dependência e baixa-estima.

Sintomas Cognitivos:
Pensamentos Absolutistas (Tudo ou Nada)
As pessoas deprimidas tendem a perceber as consequencias negativas como irreversíveis.
Dificuldades de Concentração e Memória
O sujeito é incapaz de recapitular informações por não se concentrar no material a ser aprendido. Cabe ao terapeuta assegurar que a falta de concentração e memória são sintomas da depressão.
Passividade, Evitação e Inércia
A passividade e a inatividade observada na depressão tem sido encaradas como uma forma de inibição neurológica e retardamento psicomotor. Nesse momento, o terapeuta deve intervir com programações e projetos de atividades.
Defict nas Aptidões Sociais
Muitas vezes os pacientes relatam que possuiam círculos de amizades, mas mesmo após a depressão, tem dificuldades de formar ou retormar os vínculos.

Sintomas Fisiológicos:
Distúrbios do Sono
Esses problemas incluem dificuldades de adormecer, sono agitado, e o despertar cedo demais pela manhã. Em geral, o paciente recupera seu sono normal depois que a depressão se esvai. O tratamento usual é o relaxamento, visualização de uma cena agradável, respiração profunda.
Distúrbios do Apetite e Sexuais
A perda do apetite e do interesse sexual são manifestações da perda generalizada de prazer do paciente em quaisquer atividades. A depressão se esvai e o apetite por alimento e sexo habitualmente retorna.

Por:  Dra. Waléria Gonzalez – Psicóloga
http://www.terapia.psc.br

Jovem de 11 anos pode ser condenado a prisão perpétua nos Estados Unidos

quinta-feira, 26 de Março de 2009

Adolescente de 11 anos, acusado de homicídio, poderá ser julgado como adulto num tribunal norte-americano e condenado a prisão perpétua.
Um juiz do condado de Lawrence, na Pensilvânia, decidiu que  Jordan Brown, não será julgado como menor, informa o jornal Pittsburgh Post-Gazette.
Jordan é acusado de ter assassinado a tiro no mês passado, em pleno sono, Kenzie Houk, 26 anos, namorada do pai. A mulher que na hora do crime estava dormindo,   vivia com as duas filhas, de 7 e 4 anos, na casa do namorado Chris Brown e do filho, Jordan, estava  grávida de nove meses, o bebe não pôde ser salvo.
Segundo, ainda,  o jornal, Jordan escondeu a arma, uma espingarda,  em um cobertor e, aproveitando que Kenzie dormia, deu um único tiro na nuca. Após o crime o assassino saiu de casa e entrou no ônibus escolar.
Segundo fontes próximas da família, Jordan Brown teria ciúmes da namorada do pai e do futuro filho.
O início do julgamento está marcado para 1 de Maio e os advogados do rapaz já anunciaram que contestariam a decisão de o julgar como adulto e tentariam transferir o caso para um tribunal de menores.
De acordo com o jornal, o rapaz, algemado nos pés e nas mãos, nada disse durante uma audiência preliminar do tribunal, antes de regressar ao centro de delinquência juvenil onde se encontra provisoriamente detido.

Um dia extraordinário para a Varig e para o Aerus

quarta-feira, 25 de Março de 2009

Conforme dito, União, Varig e Aerus pediram a suspensão do andamento do processo pelo prazo de 60 dias.
Nesta terça-feira, estive em audiência com o Ministro-Chefe da Advocacia Geral da União. A audiência foi solicitada pela Presidenta do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziella Baggio e pelo Presidente da Federação Nacional de Aeronautas e Aeroviários Celso Klafke. Foram convidados, e compareceram, o Aerus, pelo Interventor e por seu advogado; o Gestor Judicial da Varig Aurélio Penelas, o Dr. Pedro Gordilho e representantes do escritório do Dr. Arnoldo Wald, escritórios que representam a Varig na ação de defasagem tarifária.
O Ministro-Chefe da AGU afirmou que a União expressava, naquele momento,  formalmente seu desejo de chegar a um acordo sobre o tema, e que justamente por isso é que firmou, em conjunto com a Varig e Aerus, a petição solicitando a suspensão do andamento do processo.
S.Exa, ainda, expressou sua opinião de que a orientação do Ministro Presidente do STF, verbalizada no dia 19.12, durante o julgamento do agravo regimental, no sentido da busca de um acordo, deve ser tomada como uma posição que espelha as preocupações do próprio STF.
O Ministro-Chefe da AGU afirmou, ainda, que entende ser possível chegar a um acordo no prazo de 60 dias, e que já estava em contato com os demais órgãos da União, inclusive a Presidência da República, visando estruturar a forma como essa negociação deve se dar.
Disse mais o Ministro. Disse que ambos os temas – ação de defasagem tarifária e ação civil pública onde concedida a antecipação dos efeitos da tutela – devem ser negociados em conjunto, que são um passivo único a ser resolvido pela União.
Os representantes da Varig expressaram sua satisfação com o novo rumo delineado, com a afirmação da União de que já iniciou as providências no sentido de dar início à entabulação de um acordo. Oportunamente, após formalizados alguns aspectos pela AGU, haverá o estabelecimento de um calendário de reuniões que construirão esse acordo.
Afirmou o Ministro, ainda, que a posição da União, em caso de julgamento favorável à Varig, ainda seria confortável do ponto de vista processual, já que a discussão que poderia ocorrer na fase de execução ainda seria morosa até que se chegasse à expedição do ou dos precatórios. Afirmou que a União formalmente se dispõe a negociar o acordo e que, portanto, não haveria essa fase morosa relativa à execução. Frisou, sempre, que o prazo previsto é de 60 dias, e que é possível chegar a uma proposta até lá inclusive em virtude do que consta formalmente da petição apresentada ao STF.
Se o tema fosse julgado amanhã – sem pedido de vistas, e favoravelmente à Varig – haveria, ainda, a necessidade de execução do julgado. Com a proposta apresentada pelo Ministro, a rigor tudo se resume a 60 dias.

Por Castagna Maia – Advogado

Deputado britânico faz sessão de sexo no seu gabinete

terça-feira, 24 de Março de 2009

Tribunal de Contas do Município realiza palestra sobre “Planejamento Urbano do Rio”

terça-feira, 24 de Março de 2009

A dor e suas causas

terça-feira, 24 de Março de 2009

As causas e o mecanismo da dor, ainda, não são muitos bem definidos. O propósito da discussão abaixo é dar uma possível referencia a respeito do assunto.

Uma das teorias da causa da cefaléia da enxaqueca é que emoção ou tensão prolongadas provocam vasoespasmo reflexo de algumas das artérias da cabeça, inclusive daquelas que suprem o cérebro. O vasoespasmo teoricamente produz isquemia de porções do cérebro que seria responsável pelos sintomas podrômicos. Então, como resultado da isquemia intensa, alguma coisa acontece com a parede vascular, talvez a exaustão da contração do músculo liso, que lhe permite tornar-se flácida e incapaz de manter o tônus muscular por 24 a 48 horas. A pressão sanguínea nos vasos faz com que estes se dilatem e pulsem intensamente, e foi postulado que o estiramento excessivo das paredes das artérias – inclusive de algumas artérias extracranianas como a Temporal – causa a dor verdadeira das cefaléias da enxaqueca.
Outras teorias da causa das cefaléias da enxaqueca incluem a depressão alastrante cortical, anormalidades psicológicas e vasoespasmo causado por excesso de potássio local no liquido extracelular cerebral.
Esta é uma das teorias mais aceitas para explicar o mecanismo da dor: sabe-se que o cérebro quem toma consciência de processos dolorosos originários de todo o corpo. Em outras palavras só dói se o cérebro “tomar conhecimento” que um estimulo doloroso está ocorrendo, lembrando-se sempre que algumas modalidades de dor também se tornam conscientes a níveis talâmicos. Feito esta ressalva, temos então que para que o cérebro seja assim informado, são necessários nervos a transportar a mensagem dolorosa desde o ponto de estímulo até ele, o cérebro. Esta é a função dos nervos sensitivos e vias ascendentes sensitivas.
O estímulo doloroso origina impulsos elétricos em receptores específicos e estes, por sua vez, podem gerar um potencial de ação nas fibras sensitivas. Este impulso gera a liberação de neuro-transmissores os quais se difundem, a nível sináptico, onde se ligam a receptores específicos da fibra pós-sináptica. A somatória de vários impulsos pode, nesta, desencadear um potencial de ação, transmitindo assim através de várias sinapses conduzir o estimulo até o cérebro.
Da mesma forma que ocorre esta conexão sensitiva, outras ocorrem paralelamente. Como resultado desta conexão, temos a inibição da via que leva o estímulo doloroso até os centros superiores.Como exemplo de neuro-transmissores que agem sobre essas sinapses, temos a beta-endorfina e a serotonina.
Assim, o impulso originário da região estimulada só chega ao cérebro se este impulso for mais intenso que a inibição que ocorre continuamente. Este “tônus” de inibição serve para evitar que o individuo sinta dor desnecessária.
Contudo, acredita-se que as pessoas que sofrem da enxaqueca possuem uma deficiência da liberação dessas substâncias químicas inibitórias. Como resultado, sempre que esta disfunção estiver ocorrendo, o individuo vai sentir dor, mesmo na ausência de lesão. Por exemplo, a própria sensação de pulsação das artérias da cabeça vai ser transmitida, sobretudo pelos nervos Trigêmeo e Occipital, desencadeando o processo de enxaqueca.

Publicado no site www.shirleydecampos.com.br

Tribunal de Contas do Município realiza palestra sobre “Planejamento Urbano do Rio”

terça-feira, 24 de Março de 2009

O Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro realizará, no próximo dia 02 de abril, às 9:30 horas, em sua sede, palestra sobre “ Planejamento Urbano no Rio”.
A abertura do evento será feita pelo Presidente do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, Conselheiro Thiers Montebello. A seguir os  palestrantes Augusto Ivan de Freitas Pinheiro, Nina Rabha e Sérgio Magalhães, três dos mais renomados arquitetos urbanistas, falarão sobre os diversos planos pelos quais a Cidade do Rio de Janeiro já passou e aproveitarão para discutir o Projeto de Lei, que tramita na Câmara dos Vereadores, sobre o Plano Diretor da Cidade..
A partir das 14:00 horas, após  um recesso, será a vez do Coordenador de Projetos e Planenajmeto da Secretaria Municipal de Habitação – Antônio Augusto Veríssimo, do Secretário Municipal de Urbanismo – Sérgio Dias e do Secretário Municipal de Assistência Social – Fernando Willian, abordarem os desafios que a nova administração enfrentará para implementar as políticas públicas voltadas para o planejamento urbano carioca, principalmente os que tratam da inserção social e convivência harmônica entre as diversas camadas da população.

Deputado britânico faz sessão de sexo no seu gabinete

terça-feira, 24 de Março de 2009

Nigel Griffiths de 53 anos, respeitado deputado britânico, colega e amigo do primeiro-ministro Gordon Brown, não fez por menos, usou seu próprio gabinete na Câmara dos Comuns, em Westminster, para manter relações sexuais.
Ele mesmo e a amante, uma jovem morena não identificada, fotografaram tudo, mas as fotos acabaram nas mãos do News of the World. Procurado pelo jornal, Griffiths negou tudo, alegando tratar-se de ‘provas falsificadas’ e prometeu que marcaria uma coletiva com a imprensa, quando daria maiores esclarecimentos. ‘Isso é absolutamente vergonhoso. Absolutamente falso’, afirmou Griffiths.
Casado há 30 anos, o deputado é representante de Edimburgo há 22 anos e tem sido defendido por Brown, que sempre esteve ao seu lado, mesmo, em 2002, quando, foi acusado de se apropriar, anuualmente, de 10 mil libras de fundos públicos. Recebia o montante para pagar as despesas do aluguel de um gabinete em Edimburgo que, na verdade, lhe pertencia.
Diante da veracidade das cenas de sexo no Parlamento, provavelmente Brown terá de reconsiderar suas declarações. As fotos mostram o seu gabinete e são de uma clareza pornográfica na ilustração dos jogos sexuais. A amante surge em algumas fotos com botas de salto alto, meias negras e fio dental, enquanto faz um striptease para o deputado. Este surge também nas imagens, nu, envolvido com a amante no sofá do gabinete e, depois, no quarto de um hotel.
Ao que se sabe, pela hora das fotos marcada pelo relógio digital da máquina, a sessão teve início às 23 horas e durou, pelo menos três hotas. Segundo, ainda o News of the World,  Sally, sua mulher, o imaginava ocupado em reuniões de trabalho.

Para pensar…

sexta-feira, 20 de Março de 2009

Para pensar…

sexta-feira, 20 de Março de 2009

etiopia-0021Esta foto não retrata a situação atual da Guiné, da Etiópia ou do Haiti, países sempre lembrados por serem considerados os mais pobres do mundo. Mas, do Rio de Janeiro que, pelas suas belezas naturais, seu carnaval, o Cristo Redentor e seu revellion, com toda justiça, e conhecida mundialmente como a Cidade Maravilhosa.

Essas cenas se tornam  cada vez mais  frequentes no nosso cotidiano, está na hora da nossa imprensa  dar a elas, no mínimo, o mesmo destaque que, diariamente, vem dando aos carros multados ou rebocados, os milhões de reais arrecadados com as multas, o fim dos ambulantes ilegais ou as demolições, resultado das ações do “choque de ordem” implantado pelo novo governo.
Essas ações são necessárias e importantes para a nossa Cidade, porém bem menos do que a situação  de abandono e de miserabilidade imposta a essas pessoas, por erros cometidos no passados pelos nossos governantes, sempre mais preocupados com iniciativas populistas, que pudessem se traduzir em voto.
Culpados não.  Mas temos uma grande parcela de responsabilidade por tudo isso, basta lembrar que a escolha do nosso Presidente, Governador, Prefeito e daqueles que vão nos representar no âmbito Federal, Estadual e Municipal é feita através do nosso voto.
Não dúvida de que nossa  cidade precisa de um “choque de ordem”. E a nossa consciência, não?

Hamilton Macedo


Pedro Simon defende Protógenes e De Sanctis: não quer que eles sejam presos

quinta-feira, 19 de Março de 2009

simondiscursojango1O senador Pedro Simon (PMDB-RS) não tem dúvida: o maior problema pelo qual passam o delegado Protógenes Queiroz e o juiz Fausto De Sanctis atende pelo nome de Daniel Dantas.
“Tu tens alguma dúvida de que se o juiz o delegado não tivessem mexido com o banqueiro não teria acontecido nada?”, indagou Simon em entrevista por telefone ao Conversa Afiada.
Para o senador gaúcho, a situação pela qual ambos passam está atrelada a um dos principais males do Brasil, a impunidade, que não vai acabar enquanto apenas “ladrão de galinha”, vai para a cadeia.
“Foi um escândalo quando se colocou um banqueiro (Daniel Dantas) na cadeia”, disse. O combate à corrupção e à impunidade foram o tema principal do discurso que Simon fez, na manhã de hoje, em seminário realizado pela Associação Nacional dos Procuradores da República, em Brasília.
Simon manifestou receio de que os envolvidos nas investigações da Operação Satiagraha – delegado Protógenes Queiroz, juiz Fausto De Sanctis e procurador Rodrigo De Grandis – acabem sendo presos. “De toda aquela confusão o que vai acontecer é que daqui a pouco, o delegado, o promotor e juiz vão terminar na cadeia”, disse Simon. “O juiz (Fausto de Sanctis) já tem processos. Se tivesse prendido o ‘João da Silva’, tenho certeza que ele não responderia processo nenhum”, completou.
Simon evitou comentar a atuação do presidente do STF, Gilmar Mendes, em relação à Satiagraha. Criticou, contudo, a proposta, defendida por Gilmar, de instituição de controle judiciário das atividades da Polícia Federal. “É um equívoco, a Promotoria já faz esse controle”, argumentou.
No lugar do controle externo da polícia, Simon propõe, por meio de um projeto de sua autoria, o fim do inquérito. Defende que a investigação policial comece imediatamente, com autorização de um juiz. “O inquérito hoje dura três, meses, seis meses, um ano. E não vale nada. Depois que o promotor faz a denúncia e, se o juiz aceitar, é que vai começar tudo”, afirmou. “Acho que o presidente do Supremo podia pensar nisso”, completou.

Publicado no www.paulohenriqueamorim.com.br

Tudo sobre Lipoaspiração e Lipoescultura

quinta-feira, 19 de Março de 2009

Aracruz, uma negociação obscura

quinta-feira, 19 de Março de 2009

Fritz, o monstro, condenado a prisão pérpetua

quinta-feira, 19 de Março de 2009

AERUS

quinta-feira, 19 de Março de 2009

Pedro Simon defende Protógenes e De Sanctis: não quer que eles sejam presos

quinta-feira, 19 de Março de 2009

AERUS

quinta-feira, 19 de Março de 2009

Conforme noticiado, foi protocolizada junto à Advocacia Geral da União proposta de acordo visando a solução tanto da questão relativa ao Aerus quanto relativa à ação de defasagem tarifária.  Após o ofício do Sindicato Nacional do Aeronautas, também o Aerus, por seu Interventor, encaminhou ofício à Advocacia Geral da União esclarecendo aspectos do tema e propondo a realização de negociação visando a solução dos problemas.  No último dia 13 a Advocacia Geral da União encaminhou ao Sindicato Nacional dos Aeronautas ofício onde solicitava documentação relativa à própria entidade sindical, bem como manifestação do Sindicato Nacional do Aeronautas quanto ao ofício encaminhado pelo Aerus, acima referido. Esse ofício foi recebido pelo Sindicato Nacional do Aeronautas no dia 18.03.2009.
O Sindicato Nacional do Aeronautas imediatamente juntou a documentação necessária e ratificou os termos do ofício do Aerus, ou seja, a busca de negociação visando a celebração de acordo para a solução do tema.  A Advocacia Geral da União efetivamente deu início aos aspectos formais relativos à realização de negociação. Não significa dizer que há proposta de acordo ou concordância por parte da Advocacia Geral da União mas que a máquina pública deu resposta ao ofício encaminhado e já solicitou à entidade sindical manifestação sobre o documento encaminhado pelo Aerus.

Fritz, o monstro, condenado a prisão pérpetua

quinta-feira, 19 de Março de 2009

A pedido do Ministério Público, através da procuradora Cristiane Burkheiser, O tribunal  austríaco  aceitou as denúncias contra Josef Fritz, conhecido como monstro de Amstetten e condenou o réu, nesta quinta-feira, a prisão perpétua, que será cumprida em um hospital psiquiátrico a ser indicado  pelo Tribunal de St. Poelten.
Após quatro dias de julgamento, foram aceitas as denúncias de crimes de sequestro e violação da filha, durante os 24 anos que a manteve no porão da sua casa e, ainda, de homicídio de um filho nascido da relação incestuosa.
Durante a sessão desta manhã, o Ministério Público pediu a “pena máxima”, ou seja, a prisão perpétua, para Josef Fritzl, argumentando que “houve homicídio por negligência”.
A procuradora Cristiane Burkheiser defendeu ainda que Fritzl, também, “abusou da ingenuidade das pessoas”, enganando durante 24 anos todos aqueles que o rodeavam, bem como as autoridades municipais de Amstetten, que fica a 130 quilómetros a Oeste da capital austríaca, onde residia com a família.
Acusado de homicídio por negligência, escravatura, violação, sequestro, incesto e coerção, Fritzl tinha-se declarado “não culpado” das acusações de assassínio e escravatura antes de reconhecer, ontem, a culpabilidade em relação a todos os crimes de que foi acusado, numa reviravolta do seu depoimento inicial.
Durante a sessão de hoje, Fritzl pediu para falar e se dirigindo aos oito jurados que acompanharam o julgamento, declarou que lamentava “do fundo do coração” os atos praticados, acrescentando que “infelizmente” agora já nada podia fazer para os reparar.